Livro: “Os 55 Maiores Jogos das Copas do Mundo”


Um pouco antes do Mundial 2010, a editora Panda Books lançou o livro “Os 55 Maiores Jogos das Copas do Mundo”, do jornalista Paulo Vinicius Coelho, o PVC (aqui, entrevista com PVC na época do lançamento do livro “Bola Fora”). É uma edição atualizada de “Os 50 Maiores Jogos das Copas do Mundo”. Cinco partidas do Mundial 2006, disputado na Alemanha, foram acrescentadas.  Itália 2 X 0 Alemanha, a final Itália 1 X 1 França,  Argentina 6 X 0 Sérvia, Portugal 1 X 0 Holanda, França 1 X 0 Brasil. O N1  da lista do enciclopédico PVC continua a ser Itália 4×3 Alemanha, semifinal do Mundial de 70 no México. No Top 5 das duas edições, mais 2 clássicos de 1970: a final, Brasil 4×1 Itália, e Brasil 1×0 Inglaterra. Mais a semifinal de 1958: Brasil 5×2 França. E a final de 1966: Inglaterra 4×2 Alemanha, de polêmica arbitragem. No capítulo de cada jogo, PVC fornece suas tradicionais pranchetas, “campinhos” com desenhos táticos dos times, e muita informação de bastidores. Ouviu fontes do mundo todo.

Agora, do jeito que está o nível técnico do Mundial 2010, vai ser duro acrescentar algum jogo dessa Copa numa futura reedição do livro do PVC, hein? Pelo menos por enquanto… Que “pelada” acabamos de assistir, esse 0x0 de ralas emoções entre Inglaterra e Argélia.
Só a Argentina venceu e convenceu. Não foi só o Messi quem jogou bola. Maxi, Tévez, Higuaín, Di Maria. Será que vai acabar em tango? Na Copa, ainda é muito cedo para dizer. O certo é que neste fim de semana tem tango da OrquestraTípica Fernández Fierro, de Buenos Aires, no Auditório Ibirapuera… Hoje e amanhã, às 21h. Ingressos: 30 e 15 reais (a meia). Saiba mais aqui.

Bola Fora

No último jogo pelo São Paulo, André Dias deixou seu gol de despedida. FOTO Gaspar Nóbrega VIPCOMM
Na despedida, o zagueiro deixou seu gol. FOTO Gaspar Nóbrega VIPCOMM

Peço emprestado o título do último livro do jornalista Paulo Vinícius Coelho, o PVC, “Bola Fora – A História do Êxodo do Futebol Brasileiro”, para este post sobre a negociação do zagueiro André Dias para a Lazio. Se um dia houver uma reedição atualizada do livro, com a imensa lista que PVC publicou com nomes de brasileiros que foram jogar nos principais mercados do futebol europeu, lá estará o do ex-zagueiro são-paulino. Pode não ser um craque titular de seleção, mas era importante para a linha de 3 zagueiros do Morumbi – eta 3-5-2 difícil de acabar! E se as coisas já não estavam muito azeitadas, imagina agora sem André Dias… E isso a pouco mais de uma semana da estreia do tricampeão na Libertadores, competição que é o objeto de desejo, a obsessão de todo são-paulino. Alex Silva (repatriado) ainda se recupera e deve perder 2 rodadas de Libertadores. André Luís está suspenso por toda a primeira fase (talvez motivo de alívio para muito torcedor). Restaram Miranda, que a cada janela de transferência fica nesse vai-não-vai para a Europa (um dia acaba indo), Xandão, que entrou bem no time, mas é uma contratação ainda muito recente, e Renato Silva, que quase foi liberado para o Grêmio.  Caramba, que planejamento é esse?

Claro, André Dias tem todo o direito de ganhar o seu dinheirinho, de garantir um futuro melhor – o segundo filho está a caminho. No seu jogo número 197 pelo São Paulo, o 3×0 contra o Paulista em Barueri, o zagueiro tricampeão brasileiro entre 2006 e 20008, marcou seu 11º gol com a camisa tricolor. E fez a bela homenagem à esposa grávida, registrada na foto do Gaspar Nóbrega, da Vipcomm, que ilustra o post. Acabou sendo a despedida também.

Num certo momento desse que foi último jogo de André Dias pelo tricolor, o goleiro Rogério Ceni saiu com os pés, numa jogada ousada.

Do meio de campo, André olhou para Rogério, meio que preocupado com o amigo.

Um cara de confiança do capitão. Pena que o São Paulo não conseguiu segurar.

Só resta desejar: boa sorte, André Dias!

Continuar lendo “Bola Fora”

Na rede

Um ano na blogosfera, somando Fut Pop Clube e o meu blog anterior. Ao invés de publicar o Top 10 dos mais lidos, vou lembrar posts de que mais gostei. Vou começar com algumas e-entrevistas, que fiz por e-mail:

Carlinhos VergueiroCarlinhos Vergueiro, cantor, compositor e violonista que daqui a pouco (18/11, 20 h) faz show junto com seu irmão Guilherme Vergueiro, no Teatro Popular do Sesi, na av. Paulista 1.313. Em dezembro de 2008, o autor de Camisa Molhada (parceria com Toquinho; é a melô do Fique de Olho no Apito…), me concedeu a e-entrevista deste link aqui.

– Por falar na relação som/bola, gostaria de lembrar o vasto material que publiquei com o Beto Xavier, autor do livro Futebol no País da Música (a entrevista está aqui).

Tem a lista de Curiosas canções com narrações de gols, a começar pela do Palavra Cantada sobre Pelé, que inspira o título.

Outros coleguinhas, comentaristas esportivos de primeiro time, cederam parte do seu tempo para responder aos e-mails deste mala que vos digita:

– o jornalista Mauro Beting, autor do livro Os Dez Mais do Palmeiras.

– o jornalista Maurício Noriega, o Nori, na época do lançamento do livro Os 11 Maiores Técnicos do Futebol Brasileiro.

– e o enciclopédico Paulo Vinícius Coelho, o PVC, que este ano lançou o livro Bola Fora.

Deu para perceber que um dos temas prediletos deste blog são os livros sobre futebol, não? Para ajudar a selecionar, pedi uma lista ao Domingos D´Angelo, do MemoFut. Ele não fez uma, mas várias listas. Uma seleção de livros sobre… a Seleção Brasileirasobre times, biografias e mais biografias de feras da bola, almanaques e livros sobre competições.

Achei que também ficaram legais os posts sobre o livro A História das Camisas dos 12 Maiores Times do País. Um dos autores, o Paulo Gini, escolheu 12 uniformes mostrados no livro de que gosta mais. Paulo Gini também montou uma seleção brasileira de uniformes raros, fotografados de sua coleção. Para quem se interessar, veja a partir deste link aqui (e também posts anteriores).

– E a 1ª e-entrevista que bloguei (em novembro/08) foi com um ex-camisa 1: o goleiro Waldir Peres, titular da Seleção na Copa de 1982 e do São Paulo, no 1º título brasileiro tricolor, o de 1977, entre outros clubes.

Bate-pronto com PVC, autor de “Bola Fora”

pvc novo livroEle comenta um monte de jogos e participa de vários programas dos canais ESPN (como Loucos por Futebol) e rádio Eldorado-ESPN. Atualiza blog. Escreve duas colunas semanais na Folha de S.Paulo: uma aos domingos  e outra na segunda, essa com a prancheta do PVC. PVCO jornalista Paulo Vincius Coelho acaba de lançar o livro Bola Fora, sobre o exôdo dos jogadores brasileiros.  Prontamente, cedeu a seguinte entrevista.
FUT POP CLUBE – No final do capítulo 3 de “Bola Fora”, você escreve que a venda de Zico para a Udinese, em 83, foi o “gol com que a Europa fechou o placar do jogo contra o Brasil”. O que dizer em 2009, quando o Brasil exporta 34  jogadores e jogadoras para o Vietnã, 13 para Angola, 11 pra Tailândia e por aí vai?

Paulo Vinicius Coelho – São situações diferentes. Hoje o Brasil exporta todo mundo. Naquele tempo, não exportava. A partir do caso Zico, do caso Falcão, de Júnior, Cerezo… A situação mudou. Foi o ponto de partida para chegarmos ao nível em que estamos.

NA SEQUÊNCIA, PVC FALA DE CALENDÁRIO, COPA DO MUNDO, RIO SEM MARACA E JORNALISMO ESPORTIVO. Continuar lendo “Bate-pronto com PVC, autor de “Bola Fora””

Jogo rápido com o PVC.

Continuação da entrevista com o jornalista Paulo Vinicius Coelho, o PVC, autor dos livros Bola Fora, Os 50 Maiores Jogos das Copas do Mundo e Jornalismo Esportivo.

FUT POP CLUBE- PVC, como todo mundo que vai ao “Loucos por Futebol” participa do teste do produto com nome ligado ao futebol que o Marcelo Duarte encontra, quem visita o Fut Pop Clube tem que preencher uma fichinha. É jogo rápido.

livro do PVCAlgum jogo da Copa 2006 entraria numa nova edição do livro “Os 50 Maiores Jogos das Copas do Mundo”?

PVC –  Portugal 1 x 0 Holanda, por ser o jogo com maior número de cartões da história das Copas. E Itália 2 x 0 Alemanha, pela dramaticidade da prorrogação.

Qual o maior jogo que você já viu, ao vivo ou em vídeo?

PVC –  Puxa vida… O jogo do ladrilheiro, Flamengo 2 x 1 Vasco, em 1981, é um jogo fantástico na minha memória. Aí, revi. Foi ruim.

Acho que o maior jogo foi Itália 4 x 3 Alemanha, em 1970.

E QUAL FOI A MAIOR ATUAÇÃO DE UM JOGADOR PARA O PVC? FUTSAL OU SOCIETY, BOTÃO OU GAME, 3-5-2 OU 4-4-2, O QUE ELE PREFERE? E O FILME, A MÚSICA E O LIVRO SOBRE FUTEBOL PREFERIDOS PELO COMENTARISTA. CLIQUE AQUI>>>

Continuar lendo “Jogo rápido com o PVC.”

“Bola Fora”

Wagner, camisa 10 do Cruzeiro, é mais um talento brasileiro exportado. pvc novo livroPor pouco mais de 15 milhões de reais, o jogador de 24 anos troca a Toca da Raposa pelo Lokomotiv de Moscou. O Cruzeiro fica com apenas um terço da bolada. Das duas uma. Ou o Wagner não se adapta e em 6 meses volta, ou o jovem campeão mineiro em 2006, 08 e 09 arrebenta na Rússia e vai para um time da Europa Ocidental, o que acho mais provável – com esses 15 milhões de reais multiplicados algumas vezes.

Os atletas daqui que vão jogar lá fora são o tema do novo livro do jornalista Paulo Vinicius Coelho, o PVC:  Bola Fora – A História do Êxodo do Futebol Brasileiro (Panda Books). Tem lista dos craques exportados, maiores negócios e detalhes sobre as vendas de Falcão pra Roma, Pelé pro Cosmos, Kaká… A noite de autógrafos? Terça-feira, 18 de agosto, 19h, na livraria Cultura do Bourbon Shopping Pompéia, ao lado do estádio Palestra Itália.

Uma GALOucura…

Deu no Blog do PVC: a média de público do Atlético Mineiro jogando em casa no Brasileirão 2009 é de 41.625 torcedores.

www.lojadogalo.com.br
http://www.lojadogalo.com.br

A maior desde o Brasileirão de 99, disputado não em pontos corridos, mas na base do mata-mata: 42.322 pagantes, média do próprio Galo, que chegou à final contra o Corinthians e foi vice-campeão, no BR-99. (leia o texto original do PVC). Espetacular notícia! É assim que tem que ser, torcida brasileira. E pensar que o Mineirão deve ser fechado ano que vem para obras da Copa do Mundo 2014… Li na revista Placar: Galo e Raposa devem mandar seus jogosna… Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, município da Região Metropolitana de BH.