Bate-pronto com PVC, autor de “Bola Fora”

pvc novo livroEle comenta um monte de jogos e participa de vários programas dos canais ESPN (como Loucos por Futebol) e rádio Eldorado-ESPN. Atualiza blog. Escreve duas colunas semanais na Folha de S.Paulo: uma aos domingos  e outra na segunda, essa com a prancheta do PVC. PVCO jornalista Paulo Vincius Coelho acaba de lançar o livro Bola Fora, sobre o exôdo dos jogadores brasileiros.  Prontamente, cedeu a seguinte entrevista.
FUT POP CLUBE – No final do capítulo 3 de “Bola Fora”, você escreve que a venda de Zico para a Udinese, em 83, foi o “gol com que a Europa fechou o placar do jogo contra o Brasil”. O que dizer em 2009, quando o Brasil exporta 34  jogadores e jogadoras para o Vietnã, 13 para Angola, 11 pra Tailândia e por aí vai?

Paulo Vinicius Coelho – São situações diferentes. Hoje o Brasil exporta todo mundo. Naquele tempo, não exportava. A partir do caso Zico, do caso Falcão, de Júnior, Cerezo… A situação mudou. Foi o ponto de partida para chegarmos ao nível em que estamos.

NA SEQUÊNCIA, PVC FALA DE CALENDÁRIO, COPA DO MUNDO, RIO SEM MARACA E JORNALISMO ESPORTIVO. Continuar lendo “Bate-pronto com PVC, autor de “Bola Fora””

Jogo rápido com o PVC.

Continuação da entrevista com o jornalista Paulo Vinicius Coelho, o PVC, autor dos livros Bola Fora, Os 50 Maiores Jogos das Copas do Mundo e Jornalismo Esportivo.

FUT POP CLUBE- PVC, como todo mundo que vai ao “Loucos por Futebol” participa do teste do produto com nome ligado ao futebol que o Marcelo Duarte encontra, quem visita o Fut Pop Clube tem que preencher uma fichinha. É jogo rápido.

livro do PVCAlgum jogo da Copa 2006 entraria numa nova edição do livro “Os 50 Maiores Jogos das Copas do Mundo”?

PVC –  Portugal 1 x 0 Holanda, por ser o jogo com maior número de cartões da história das Copas. E Itália 2 x 0 Alemanha, pela dramaticidade da prorrogação.

Qual o maior jogo que você já viu, ao vivo ou em vídeo?

PVC –  Puxa vida… O jogo do ladrilheiro, Flamengo 2 x 1 Vasco, em 1981, é um jogo fantástico na minha memória. Aí, revi. Foi ruim.

Acho que o maior jogo foi Itália 4 x 3 Alemanha, em 1970.

E QUAL FOI A MAIOR ATUAÇÃO DE UM JOGADOR PARA O PVC? FUTSAL OU SOCIETY, BOTÃO OU GAME, 3-5-2 OU 4-4-2, O QUE ELE PREFERE? E O FILME, A MÚSICA E O LIVRO SOBRE FUTEBOL PREFERIDOS PELO COMENTARISTA. CLIQUE AQUI>>>

Continuar lendo “Jogo rápido com o PVC.”

“Bola Fora”

Wagner, camisa 10 do Cruzeiro, é mais um talento brasileiro exportado. pvc novo livroPor pouco mais de 15 milhões de reais, o jogador de 24 anos troca a Toca da Raposa pelo Lokomotiv de Moscou. O Cruzeiro fica com apenas um terço da bolada. Das duas uma. Ou o Wagner não se adapta e em 6 meses volta, ou o jovem campeão mineiro em 2006, 08 e 09 arrebenta na Rússia e vai para um time da Europa Ocidental, o que acho mais provável – com esses 15 milhões de reais multiplicados algumas vezes.

Os atletas daqui que vão jogar lá fora são o tema do novo livro do jornalista Paulo Vinicius Coelho, o PVC:  Bola Fora – A História do Êxodo do Futebol Brasileiro (Panda Books). Tem lista dos craques exportados, maiores negócios e detalhes sobre as vendas de Falcão pra Roma, Pelé pro Cosmos, Kaká… A noite de autógrafos? Terça-feira, 18 de agosto, 19h, na livraria Cultura do Bourbon Shopping Pompéia, ao lado do estádio Palestra Itália.

Uma GALOucura…

Deu no Blog do PVC: a média de público do Atlético Mineiro jogando em casa no Brasileirão 2009 é de 41.625 torcedores.

www.lojadogalo.com.br
http://www.lojadogalo.com.br

A maior desde o Brasileirão de 99, disputado não em pontos corridos, mas na base do mata-mata: 42.322 pagantes, média do próprio Galo, que chegou à final contra o Corinthians e foi vice-campeão, no BR-99. (leia o texto original do PVC). Espetacular notícia! É assim que tem que ser, torcida brasileira. E pensar que o Mineirão deve ser fechado ano que vem para obras da Copa do Mundo 2014… Li na revista Placar: Galo e Raposa devem mandar seus jogosna… Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, município da Região Metropolitana de BH.

1954, o milagre de Berna

milagre-de-berna-poster0155 anos da grande final da Copa de 54, decidida num 4 de julho. Os alemães(ocidentais) ganharam dos húngaros, favoritos, por 3 a 2. E de virada. Bom motivo para pegar o DVD do interessante filme O Milagre de Berna (leia sobre esse docudrama aqui.

A final do Mundial disputado na Suíça aparece em 8º lugar entre Os 50 Maiores Jogos das Copas do Mundo, livro do Paulo Vinícius Coelho. Lá, PVC conta que Puskas jogou no sacrifício e publica um “campinho” – a tradicional prancheta do PVC – um gráfico com o 4-2-4 húngaro do escrete húngaro. Sim, quatro atacantes! Buda, Kocsis, Puskas e Czibor.

Alemanha versus Alemanha

logo_3935 anos de um dos jogos mais estranhos da história das Copas. Em 22 de junho de 1974, no Volksparkstadion de Hamburgo, jogaram Alemanha contra Alemanha, digo a Ocidental, dona da casa (e da Copa) e a Oriental. Na Alemanha Ocidental, Maier, Vogts, Beckenbauer, Breitner, Overath, Gerd Muller e outros jogadores que seriam campeões do mundo em 7 de julho. E não é que a irmã do lado de lá do muro, a Alemanha Oriental, com aquela linda camisa azul escura da DDR, venceu a partida? E com um golaço! Sparwasser, o nome da fera. A partida, da última rodada do grupo 1 da primeira fase do Mundial disputado na Alemanha, aparece em 39º lugar na lista de Os 50 Maiores Jogos das Copas do Mundo, livro do jornalista Paulo Vinicius Coelho, o PVC. Que lembra: “Se vencesse, a Alemanha Ocidental terminaria em primeiro lugar e cairia no grupo de Brasil, Holanda e Argentina”. Tudo que eles queriam evitar, escreve PVC no livro da Panda Books. O time de Helmut Schöen perdeu e ficou num grupo com a Iugoslávia, a Polônia do artilheiro Lato e a Suécia. A estranha partida e o uso do futebol pelas mãos de ferro do governo da DDR é um dos temas abordados no documentário Comunismo e Futebol, da BBC, que o Sportv passou no final de 2008.

Para saber mais sobre a queda do muro de Berlim (1989) e a vida dos alemães orientais no fim do comunismo, indico um excelente livro: Stasilândia-Como Funcionava a Polícia Secreta Alemã, da australiana Anna Funder.

75 anos da primeira Copa da Azzurra

Há 75 anos, a seleção italiana levantou sua primeira Copa do Mundo. O Mundial de 34 foi disputado na própria Itália, sob o fascismo de Mussolini.

Poster da Copa do Mundo de 1934
Poster da Copa do Mundo de 1934

A finalíssima, virada da Squadra Azzurra sobre a Tchecoslováquia por 2 a 1, gol decisivo de Schiavio na prorrogação, num 10 de junho como hoje, figura em 34º lugar no livro Os 50 Maiores Jogos das Copas do Mundo, do jornalista Paulo Vinícius Coelho. Segundo PVC, o técnico italiano, Vittorio Pozzo, sabia que vencer a Copa era questão de sobrevivência. Pouco antes do Mundial, o treinador contornou o pedido do ditador, que queria os jogadores num desfile militar. “Que Deus o proteja se Seleção fracassar”, ameaçou Mussolini, de acordo com o relato de PVC.

Livro do PVC
O livro do PVC

O livro do comentarista trata a semifinal com o Wunderteam (time-maravilha) da Áustria como decisão antecipada e posiciona em 23º lugar na lista dos jogões  dos Mundiais as duas partidas entre Itália e Espanha pelas quartas-de-final (como houve empate no primeiro jogo, foram necessários mais 90 minutos, no dia seguinte! E a Fúria não contou aí com o mítico goleiro Zamora, atingido por um azzurri na véspera).

A campanha italiana começou com goleada. 7 a 1 sobre os Estados Unidos. Deste “match”, participou o oriundi Amphilócchio Guarisi, que antes de se naturalizar italiano e defender a Lazio, jogou como Filó, na Lusa, Paulistano, Corinthians e Seleção Brasileira. A Azzurra contou com outros oriundiContinuar lendo “75 anos da primeira Copa da Azzurra”

Loucos pelo programa “Loucos por Futebol”

Loucos
Foto: produção do programa

Flâmulas, mascotinhos, cachecóis, figurinhas, fotos e botões por quase todas as peças do cenário, inclusive geladeira! Assim é o estúdio do divertido Loucos por Futebol, que a ESPN Brasil passa sábado sim, sábado não. Marcelo Duarte, Paulo Vinícius Coelho e Celso Unzelte – os três “loucos”, ou seria melhor dizer três enciclopédias?– recebem a cada edição uma personalidade diferente, um quarto louco por futebol. No programa desta semana, José Roberto Torero, escritor, jornalista, roteirista de Pelé Eterno e do curta Uma História de Futebol, titular do Blog do Torero e torcedor do Santos. E o programa foi cinematográfico. Fala da ligação entre  o documentário sobre Wilson Simonal e futebol. Mostra cenas do 1983, o Ano Azul (clique para ver o trailer no site do Grêmio), sobre a conquista do Mundial de Clubes de 83, contra o Hamburgo, com depoimentos de Renato Gaúcho, Hugo De León, Mário Sérgio, Espinoza, etc. Até a pé os gremistas irão para ver este filme, que estreou esta semana em cinemas de Porto Alegre. Continuar lendo “Loucos pelo programa “Loucos por Futebol””

Jogão? Jogaço!

 

Flâmula do dia: Chelsea
Flâmula do dia: Chelsea

Eu disse “Jogão” no título do último texto de segunda-feira à noite? Amigos, perdão, errei. Chelsea e Liverpool fizeram um jogaço! Que o comentarista Paulo Vinícius Coelho, o PVC, uma enciclopédia ambulante de futebol, já incluiu no Top 5 da rica história da copa europeia de clubes. O primeiro tempo foi do Liverpool. Dois gols de bola parada. Um do brasileiro Fábio Aurélio (ex-São Paulo e Valência), em cobrança de falta na meia direita. Peter Cech partiu atrasado para bola. Xavi Alonso ampliou, de pênalti. Faltava um para a classificação do Liverpool. Eis que no começo da segunda etapa, jogada pela ponta de Anelka, leve desvio de Drogba, e a bola acabou empurrada para as próprias redes pelo arqueiro Reina  (sim, os melhores goleiros do mundo também erram; não são robôs). O Chelsea empatou (Alex, de falta), e virou (Lampard, no meio da pequena área, depois de assistência de Drogba, lado esquerdo da área). Lucas chutou de fora da área e fez o 3º gol “brasileiro” da noite londrina, 3º do Liverpool. 3×3. Ainda dá, ainda dá, devem ter imaginado todos os torcedores vermelhos. E não é que Riera foi à linha de fundo e cruzou para Kuyt virar de novo o placar? Liverpool 4×3. De novo, faltava 1 só para a classificação de Fernando Torres e cia. Mas em nova descida pela ponta, desta vez pela direita, com Anelka, o capitão Lampard deu um toque de classe. A bola beijou as traves e definiu o placar. 4 a 4. Veja os gols neste link para a página da ESPN Brasil. Numa opinião de torcedor que gosta de acompanhar a bola pelo mundo, acho que hoje a diferença entre o futebol brasileiro e o europeu, no campo, é o jogo pelas pontas. Repare no número de gols em jogadas pelos lados. Repare nos grifos do texto acima. Quatro jogadas. Outros 3 foram de bola parada e um no chute do ex-gremista Lucas.

 

O Chelsea -que começou sua campanha na Champions com o brasileiro Felipão no banco – está na semifinal contra o maravilhoso ataque do Barcelona. E o time azul, agora treinado por Guus Hiddink, jogará a 2ª partida em casa. Para a posteridade, a ficha do jogaço… Continuar lendo “Jogão? Jogaço!”