“Heleno” – 30 de março nos cinemas


O que o Rodrigo Santoro está fazendo num blog de futebol? Para quem ainda não sabe, o eclético ator brasileiro “é” Heleno de Freitas, no esperadíssimo filme “Heleno”, de José Henrique Fonseca. Filme e performance de Santoro no papel do craque de Botafogo, Vasco, Boca etc  foram elogiados nos festivais onde a “pelí” passou. Estreia prevista para 30 de março.

FOTO: ROGERIO FAISSAL
O filme foi inpirado pela biografia do craque que a torcida adversária chamava de “Gilda”: “Nunca Houve um Homem como Heleno”, de Marcos Eduardo Neves (post anterior). Abaixo, imagem do cartaz do filme “Heleno” recentemente divulgada na internet.
Continuar lendo ““Heleno” – 30 de março nos cinemas”

“Nunca Houve Um Homem Como Heleno”

A base do filme “Heleno” foi a biografia escrita pelo jornalista Marcos Eduardo Neves: “Nunca Houve um Homem Como Heleno” (agora pela Jorge Zahar), que descreve muito bem não só a glamourosa, atribulada e curta vida do temperamental craque, como o Rio de Janeiro dos anos 40, então capital federal. Continuar lendo ““Nunca Houve Um Homem Como Heleno””

Heleno de Freitas

Nunca-houve-um-homemO domingo em que foram lembrados os 50 anos da morte de Heleno de Freitas, craque nascido em Minas que virou celebridade no Rio, foi muito bom para os times cariocas. Bom, o Flamengo voltou do Mineirão com maiúsculos 3 pontos e está a apenas 2 do São Paulo,  líder pela 1ª vez em 2009.

Também se deram bem no fim de semana 3 times que Heleno de Freitas defendeu: Fluminense (mais uma vitória na tentativa de sair da “zona” 1 a o: sobre o vice-líder Palmeiras), Botafogo (importante vitória sobre o Coritiba, adversário direto lá embaixo) e Vasco (garantindo a volta à elite).

Sobre Heleno de Freitas, maldosamente chamado de “Gilda” por torcedores rivais, há uma biografia: “Nunca Houve um Homem como Heleno” (Ediouro), de Marcos Eduardo Neves. A partir desse livro, deve ser escrito o roteiro de um filme, com Rodrigo Santoro no papel de Heleno de Freitas e também produtor executivo. Vamos torcer para ver em breve a história do polêmico craque nas telas.

Heleno de Freitas, Quarentinha, João Saldanha.

Nunca-houve-um-homemBiografias sobre os atacantes Heleno de Freitas e Quarentinha e sobre o jornalista e treinador João Saldanha, “o comentarista que o Brasil consagrou”. São novas dicas de Domingos D´Angelo, criador do MemoFut, o Grupo Literatura e Memória do Futebol, e colecionador de livros sobre o esporte (leia texto anterior). “Muito bem escritos e com base em pesquisas muito bem feitas”, diz ele.

Nunca Houve um Homem como Heleno, de Marcos Eduardo Neves, Ediouro, 2006, 327 páginas.João Saldanha

João Saldanha: uma vida em jogo, de André Iki Siqueira, Editora IBEP, 2007, 552 páginas.

QuarentinhaO Artilheiro que não sorria – Quarentinha, o maior goleador da história do Botafogo,deRafael Casé, Livros de Futebol, 2008, 331 páginas.

Curiosamente, as três recentes biografias recomendadas pelo criador do grupo que discute literatura e memória do futebol são de personalidades ligadas à história do Botafogo.