Quase um pênalti

A incrível chance de gol perdida pelo vascaíno Diego Souza, na segunda partida das quartas da Libertadores contra o Corinthians, me fez lembrar da maneira como eram decididas as partidas da North American Soccer League(NASL) nos “dancing days” do “soccer” nos Estados Unidos – e não só as finais, como o Soccer Bowl, mas outras partidas que terminavam empatadas. Os “shootouts”. Não eram pênaltis. Mas lances em que o cobrador partia com a bola de uma linha entre a grande área e o meio de campo e tinha cinco segundos para chutar. O goleiro podia não só se mexer como sair. É uma “licença poética”, claro, as situações são diferentes, no lance do Diego Souza a bola estava em jogo, com todo o peso dramático de um mata-mata da Libertadores, essa obsessão brasileira. Mas ver o vídeo abaixo (de uma decisão por “shootouts”) entre o galático NY Cosmos e os Washington Diplomats e analisar a dificuldade enfrentada por craques como o “capita” Carlos Alberto Torres e o paraguaio Romerito (que ainda seria ídolo do Fluminense) pode fazer a gente pensar se os torcedores mais irados do Vasco e demais secadores devem responsabilizar Diego Souza pela eliminação.


Os goleiros quase sempre levavam a melhor, pelos vídeos que pesquisei. Era super difícil converter o “shootout”! Não deixa de ser uma maneira interessante de decidir uma final empatada, apesar do baixo score. Curioso, porque pra as plateias americanas, mais acostumadas com basquete, NFL, beisebol, certamente um placar elevado seria mais atraente. Mas os estádios lotavam.
Que estilo do Romerito para bater, hein? Nem isso adiantou. E que catimbeiro o goleiro Irwin, dos Diplomats, hein? Waldir Perez perde… Continuar lendo “Quase um pênalti”

Giorgio Chinaglia, artilheiro da Lazio e do NY Cosmos

Chinaglia - http://www.NYCosmos.com

Quem tem idade para acompanhar pelas transmissões da antiga TV Tupi o final da campeoníssima carreira de Pelé, com as belas camisas do NY Cosmos, deve se lembrar do camisa 9 daquele galático time de “soccer”, o centroavante italiano Giorgio Chinaglia. Marcava gols à beça! Foi o maior artilheiro da história do Cosmos. O que só descobri recentemente, vendo o documentário “O Mundo a Seus Pés – A Extraordinária História do New York Cosmos“, é que o brasileiro e o italiano não se davam exatamente bem. Mas hoje é dia de saber um pouco mais sobre Chinaglia, que morreu neste domingo, de ataque cardíaco, na Flórida.  Continuar lendo “Giorgio Chinaglia, artilheiro da Lazio e do NY Cosmos”

O Nome do Rei é Pelé


Na semana do 71º aniversário do maior jogador de todos os tempos, a dica de música é “O Nome do Rei é Pelé“, gravada por um camisa 10 da seleção brasileira de música: Jorge Ben Jor. A canção -usada no filme “Pelé Eterno” – saiu no CD Reactivus amor est (Turba Philosophorum)”, lançado por Ben Jor em 2004, e também na coletânea “Football & Samba Groove Association”, lotada de clássicos do artilheiro do samba-rock (como “Fio Maravilha”). Continuar lendo “O Nome do Rei é Pelé”

O dia em que Pelé disse “Love, Love, Love”

Esse dia, eternizado na música “Love, Love, Love”, de Caetano Veloso (disco “Muito”, 1978, capinha ao lado), foi também um dia em que Pelé jogou contra o seu Santos. Meio jogo, é verdade. 1º de outubro de 1977. NY Cosmos x Santos. Giants Stadium lotado por 75 mil pessoas.  Pelé (então com 37 anos) atuou o 1º tempo com a camisa verde do time de NY, como esta, do colecionador Paulo Gini. Fez um gol. No segundo tempo, vestiu a clássica camisa branca do Peixe. Placar: Cosmos 2 x1 Santos.

Ticket do jogo de despedida do Rei, encarte do livro "Pelé - Minha Vida em Imagens" (editora Cosac Naify))

O amistoso de despedida do Rei do soocer é um dos assuntos abordados na autobiografia muito bem ilustrada Pelé – Minha Vida em Imagens, lançada pela editora Cosac Naify. Além do texto de Pelé, muitas fotos e lista dos 1.283 gols, o livraço vem com encartes, como o ingresso (veja ao lado) desse jogo entre Cosmos e Santos. O Peixe contava com Clodoaldo, Aílton Lira, Juary e João Paulo, mix de veteranos e jovens de uma das muitas gerações do que se convencionou chamar Meninos da Vila. O time da Warner Communications contava ainda com  Beckenbauer, Carlos Alberto Torres e Chinaglia – atacante italiano que não se dava exatamente bem com o Rei, aprendi no documentário O Mundo A Seus Pés – A Extraordinária História do NewYork Cosmos. Hoje o Museu do Futebol tem uma tarde reservada a filmes sobre Pelé. A partir de 15h, os curtas Uma História de Futebol, bela ficção sobre a infância do Rei, mais Pelé 70 1.284 – O Último Gol de Pelé, que circula na web. Às 16h30, o doc Isto É Pelé. Leia mais sobre o filme do Cosmos neste link, ou dentro do post.

Continuar lendo “O dia em que Pelé disse “Love, Love, Love””

NY Cosmos

Vi no GloboEsporte.com a notícia da volta do New York Cosmos, onde Pelé encerrou a carreira em 1977 – o anúncio foi feito neste domingo pelo próprio Rei (presidente de honra do time), ao lado de Carlos Alberto Torres (o capita da seleção de 1970 jogou com o Pelé no galático escrete nova-iorquino, como Beckenbauer). Quem torce pela popularização do soccer, o nosso futebol nos EUA, e quem acompanhou pela TV Tupi a trajetória do Cosmos na era Pelé da NASL (na época,o nome da liga americana de soccer) sempre sonhou com essa volta. Pelo que li, a primeira meta  é a formação de jogadores, na Cosmos Academy, em parceria com o BW Gottschee, clube do bairro do Queens. O texto do anúncio deixa claro que, no entanto, o objetivo maior é voltar à divisão principal do soccer – a MLS. A questão é se o Cosmos vai conseguir cavar seu espaço na metrópole que tem o NY Red Bulls, arena novinha, que já trouxe Thierry Henry para atuar com Juan Pablo Angel e acaba de contratar o mexicano Rafa Marquez (do Barcelona), que vai jogar com a camisa 4. Será que tem lugar pra todo mundo? Com certeza, os nomes de Pelé e do Cosmos abrirão portas.
Cosmos parte 2Aproveito para lembrar alguns textos sobre o ex-time americano de Pelé no blog. Há um filme bem interessante, O Mundo a Seus Pés, que documenta a Extraordinária História do New York Cosmos. Eu não sabia que o atacante italiano Chinaglia se dava mal com o Rei do Futebol!
A autobiografia ricamente ilustrada de Pelé, Minha Vida em Imagens, tem farto material iconográfico como fotos, flâmulas, jornais, programas, bilhetes etc da passagem do King of Soccer por Nova York. Também faz sucesso de público no blog a foto da camisa da despedida de Pelé, Cosmos x Santos, que pertence ao colecionador Paulo Gini.
Há um canal do Cosmos no You Tube com 4 vídeos (entre eles, o desse jogo do adeus).
Site oficial: www.nycosmos.com

Uma casa para o “soccer” em NY-NJ

Foto da arena para futebol em NJ no excelente site WorldStadiums.com

Um amistoso entre New York Red Bull e um mistão do Santos Futebol Clube inaugurou hoje a primeira arena moderna construída especialmente na área de Nova York/Nova Jersey para o “soccer”, como os americanos chamam o “nosso” futebol. A Red Bull Arena fica em Harrison, NJ e tem capacidade para 25 mil torcedores sentados (gozado, parece comportar muito mais, vendo as imagens do Sportv e a foto acima, do interessantíssimo site WorldStadiums (navegação indicada para todos os loucos por estádios). Continuar lendo “Uma casa para o “soccer” em NY-NJ”

Pelé e o Cosmos

Camisa usada por Pelé no Cosmos. Coleção de Paulo Gini.
Camisa usada por Pelé no Cosmos. Coleção de Paulo Gini.
Camisa usada por Pelé no Cosmos. Coleção de Paulo Gini.
Camisa usada por Pelé no Cosmos. Coleção de Paulo Gini.

O administrador de empresas Paulo Gini, um dos autores do ilustradíssimo livro A História das Camisas dos 12 Maiores Times do Brasil, montou uma seleção brasileira a partir de 11 raridades de sua coleção. Eis uma das camisas usadas por Pelé em seus 3 anos de contrato com o Cosmos (leia texto abaixo). Clássica! E o Paulo ainda tem a camisa usada na despedida do Rei, em outubro de 1977. Amistoso entre Cosmos x Santos, no Giants. Pelé atuou metade do tempo em cada um dos times de sua vida. Vitória dos galáticos de NY por 2×1. Pelé marcou um. Para o Cosmos.

Leia mais:
Camisa do Santos na década de 60 e uniformes de outros 11 grandes times escolhidos pelo Paulo Gini.
Cosmos parte 2 Uma dica de filme em DVD. O Mundo A Seus Pés conta a a Extraordinária História do New York Cosmos – o time de soccer, digo, futebol, da Warner Communications, criado graças à insistência dos fundadores da gravadora Atlantic Records, irmãos Ertegün. É um documentário que conta as origens do time que disputava a North American Soccer League, antes da era Pelé, os recordes seguidos de recordes quando o Rei jogou por lá, e a decadência da liga. Com direito a muita roupa suja lavada em público. Antes dos Florenteam do Real Madrid, o NY Cosmos foi uma galáxia de celebridades da bola. Continuar lendo “Pelé e o Cosmos”

Galáticos dos anos 70: “O Mundo a Seus Pés – A Extraordinária História do New York Cosmos”.

Cosmos parte 2 Uma dica de filme em DVD. O Mundo A Seus Pés conta a a Extraordinária História do New York Cosmos – o time de “soccer”, digo, futebol, da Warner Communications, criado graças à insistência dos fundadores da gravadora Atlantic Records, irmãos Ertegün. É um documentário sobre as origens do time que disputava a North American Soccer League, antes da era Pelé, os recordes seguidos de recordes quando o Rei jogou por lá, e a decadência da liga. Com direito a muita roupa suja lavada em público. Antes do “Florenteam” do Real Madrid, o NY Cosmos foi uma galáxia de celebridades da bola. Continuar lendo “Galáticos dos anos 70: “O Mundo a Seus Pés – A Extraordinária História do New York Cosmos”.”

O que Pelé tem em comum com o Lollapalooza?

No fim de semana, rolou nos EUA o festival Lollapalooza, com inúmeras bandas de quase tudo quanto é estilo de música alternativa. O festival inventado pelo Perry Farrel (Jane´s Addiction, Porno for Pyros) voltou em 2005, mas deixou se ser itinerante. Agora,é realizado apenas no Grant Park, em Chicago. Depeche Mode, The Killers, Kings of Leon, Yeah Yeah Yeahs, Lou Reed, Ben Harper etc etc etc foram algumas das atrações (confira a imensa escalação aqui).

Em 1994, eu tive a chance de assistir ao Lollapalooza em Nova York. Olha só que line-up: Smashing Pumplinks, Beastie Boys tocando em casa, L7, Breeders, George Clinton e seus P-Funk All Stars,  A Tribe Called Quest, Nick Cave e Green Day começando a explodir. Foi demais! O que não imaginava DVD MUNDO AO SEUS PES:DVD PADRAOé que eu e milhares de roqueiros pisamos num gramado onde Pelé jogou, na sua primeira temporada no Cosmos: o velho Downing Stadium, hoje Icahn Stadium, na Randall´s Island, ilha ao lado de Manhattan. Só me toquei disso ao assistir ao documentário O Mundo a Seus Pés – A Extraordinária História do New York Cosmos.  Chegou a ser lançado em DVD pela Europa Filmes (corram, fãs brasileiros do Cosmos, corram!). Voltarei a falar do doc em breve.