Futebol é mais que um jogo: slogan do CINEfoot 2013, em cartaz até terça-feira em São Paulo.


Destaco aqui os filmes desta terça-feira no Espaço Itaú de Cinema | Augusta (Rua Augusta, 1.475 e 1.470 – Metrô: Consolação) – última rodada do CINEfoot em Sã Paulo este ano. Entrada grátis, sujeita à lotação da sala. Chegue bem antes.

  • 19h30
  1. Sessão extra do documentário “Os Rebeldes do Futebol”, produção francesa de 2012, dirigida por Gilles Perez e Gilles Rof. Eric Cantona é uma espécie de âncora desse filme engajado, que tem Sócrates, Drogba, Caszely, Pasic e Mekloufi entre os personagens. Não saia da sala antes de terminarem os créditos!8951279967_dbf603fce0
  • 21h30
  1. HOMENAGEM: ANA AZEVEDO E JORGE FURTADO
  2. HOMENAGEM: TOSTÃO
  3. HOMENAGEM: CORINTHIANS X SANTOS – 100 ANOS
  4. BARBOSA, sensacional curta de Jorge Furtado e Ana Luiza Azevedo sobre o lance decisivo do Mundial de 1950, no Maracanã (produção gaúcha de 1998) 

    Antonio Fagundes em cena do genial curta "Barbosa" : http://www.flickr.com/photos/cinefoot
    Antonio Fagundes em cena do genial curta “Barbosa” http://www.flickr.com/photos/cinefoot
  5. TOSTÃO, A FERA DE OURO, doc de Paulo Laender e Ricardo Gomes Leite (MG/RJ, 1970). A trilha sonora é do cruzeirense Milton Nascimento!

    http://www.flickr.com/photos/cinefoot
    http://www.flickr.com/photos/cinefoot

O festival CINEfoot começa um giro pelas seis cidades da Copa das Confederações. Acompanhe aqui neste link. É o CINEfoot Tour.
Texto completo dentro do post.

Continuar lendo “Futebol é mais que um jogo: slogan do CINEfoot 2013, em cartaz até terça-feira em São Paulo.”

O 4º festival CINEfoot começa com o lema “Futebol é mais que um jogo”.

Facebook.com/CINEfoot
Facebook.com/CINEfoot

A bola vai rolar nas telas do CINEfoot, festival de cinema de futebol, já na quarta edição. A sessão de abertura no Rio, nesta quinta-feira, 23 de maio, 20h30, no Espaço Itaú de Cinema, da Praia de Botafogo, faz uma homenagem a Sócrates. Exibe o filme “Os Rebeldes do Futebol”, ancorado por Eric Cantona, que tem o doutor como um dos cinco personagens (veja post anterior). E ainda tem o elogiado curta de Anna Azevedo sobre o extinto setor mais popular e folclórico do Maracanã: “Geral”. “The Heart of the Stadium”, o título em inglês, ajuda quem nunca ouviu falar em geral, que está sendo banida dos estádios, digo, arenas.
O festival CINEfoot segue no Rio até terça-feira, 28 de maio, no Espaço Itaú, no CCJF (Centro Cultural Justiça Federal), Ponto Cine (em Guadalupe) e no projeto Cinemão, em Manguinhos e na Cidade de Deus (confira aqui a programação carioca, dia a dia, sala por sala, sessão por sessão). Em 6 de junho, começa a seleção paulista do CINEfoot, no Museu do Futebol e no Espaço Itaú de Cinema da rua Augusta. Em Sampa, ai até dia 11 (confira aqui a programação de São Paulo). Durante a Copa das Confederações, rola um CINEfoot extraordinário em Brasília, Belo Horizonte, Salvador, Recife e Fortaleza.

O “Mundial” de 1942 tem até cartaz oficial, no filme italiano

Tem longa-metragens como o hilário “documentário” [preste atenção nas aspas] A Copa Perdida/Il Mundial Dimenticato, curtas bacanas, trailers de novos filmes, concurso de vídeos sobre clubes objetos de paixão há 100 anos, até cópia restaurada de um clássico do cinema de futebol nacional: “Tostão, a Fera de Ouro” (que teve como trilha sonora o clássico samba “Aqui É o País do Futebol”, de Milton Nascimento e Fernando Brant). Tostão é outro dos homenageados nas noites de futebol no cinema, como os 60 anos de Zico, os centenários do clássico Botafogo x Flamengo, do título carioca de 1913 do América e de clubes como o Bonsucesso, os 80 anos do profissionalismo no futebol, os radialistas esportivos, o capitão Carlos Alberto Torres, o produtor Luiz Carlos Barreto…
Quanto custa a entrada? Nada! É de graça. Você só paga o refri, a pipoca e a camisa do seu time. Bola pro mato que é filme de campeonato. A Taça CINEfoot está em jogo para 13 filmes da Mostra Competitiva de Longa-Metragem (5 brasileiros e 8 internacionais). Participam da Mostra Competitiva de Curta-Metragem 20 filmes: 12 brasileiros e 8 internacionais. Confira os “convocados” dentro do post.
Continuar lendo “O 4º festival CINEfoot começa com o lema “Futebol é mais que um jogo”.”

“O Pai do Gol” no CINEfoot

Abril de 2013

http://www.flickr.com/photos/cinefoot
http://www.flickr.com/photos/cinefoot

www.OleProducoes.com.br
http://www.OleProducoes.com.br

O filme de Luiz Ferraz sobre o locutor José Silvério, “O Pai do Gol”, que foi exibido no É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários, também vai passar no CINEfoot em Sampa e no Rio. O curta acompanha Silvério na transmissão de um São Paulo x Flamengo no Morumbi. Sem mostrar cenas do jogo – a câmera na cabine se volta para o locutor- você fica imaginando os lances (tentando se lembrar, se viu a partida), exatamente como no rádio. E conhece um pouco mais sobre o método de trabalho do locutor que narra …

EspAAAlma, Felipe

Pra fOOOra

… e completa

que golAÇO!

Tem 17 minutos e foi captado em HD.
Confira as sessões do CINEfoot no Rio e em São Paulo.

Curta documentário sobre o locutor José Silvério, “O Pai do Gol”.

Última chance para ver “O Pai do Gol” no festival É Tudo Verdade.

www.OleProducoes.com.br
http://www.OleProducoes.com.br

Fiquei sabendo na variada coluna do João Carlos Assumpção, o Janca (um dos diretores do filme “Sobre Futebol e Barreiras”), no #Lance! de hoje:  o cineasta Luiz Ferraz fez um curta-metragem sobre o locutor José Silvério, “O Pai do Gol”.  O curta-doc foi captado em HD e tem 17 minutos de duração. Acompanha Silvério na transmissão de um São Paulo x Flamengo no Morumbi. Sem mostrar cenas do jogo – a câmera na cabine se volta para o locutor- você fica imaginando os lances (tentando se lembrar, se viu a partida), exatamente como no rádio. E conhece um pouco mais sobre o método de trabalho do locutor que narra “espAAAlma, Felipe“, “Pra fOOOra” e completa “e que golAÇO“!

“O Pai do Gol” já passou em festivais de cinema como o do Rio, em 2012. Confira o trailer:


Continuar lendo “Curta documentário sobre o locutor José Silvério, “O Pai do Gol”.”

“O Gol de Letra”

Uma dica de blog. O Gol de Letra está de cara e casa novas. A página das jornalistas Janaína Lazzaretti e Fernanda Andrade começou como um desafio. Numa aula de Radiojornalismo. Mãos à obra, O Gol de Letra publica as reportagens que Janaína e Fernanda criaram para o rádio, esse veículo apaixonante. O foco do blog delas é a relação entre a gorduchinha e a música (“o jogo faz parte do nosso show”). A mais recente reportagem foi inspirada por uma visita ao Museu do Futebol. Vale a pena ouvir (link aqui).  Em breve, elas vão publicar uma entrevista com o Beto Xavier, autor do livro Futebol no País da Música.

*** Por falar em rádio,  e lances inovadores, ouvi um bom trecho da transmissão “mosaico” que o José Silvério fez na última rodada do Brasileirão. Algumas emissoras já fizeram antes a chamada narração “carrossel” – revezamento de locutores acompanhando times/jogos diferentes. Mas domingo a rádio Bandeirantes transmitiu vários jogos ao mesmo tempo. Ora um lance de Bota x Palmeiras, ora uma jogada de S.Paulo x Sport, Flá x Grêmio, Inter x S.André… Experiente e carismático locutor, José Silvério marcou um gol… “E que golaço!” (a propósito, o jornalista Erich Beting escreveu sobre essa “reinvenção da fórmula” no site Universidade do Futebol).

Gol do Grafite. E QUE GOLAÇO!

Foto do site do Wolfsburg (vflwolfsburg.de)
Foto do site do Wolfsburg (vflwolfsburg.de)

O atacante Grafite ficou muito conhecido no Brasil pelo episódio com o argentino Desabato, num São Paulo x Quilmes em 2005. Antes de se contundir, Grafite foi importantíssimo na vitoriosa campanha do tricolor naquela Libertadores, com gols e assistências. Mundial conquistado, infelizmente não deu pra ver uma dupla que prometia: Grafite e Amoroso – ambos logo deixaram o São Paulo. Grafite foi jogar no Le Mans, da França. Desde agosto de 2007, está no Wolfsburg, time que pertence à Volkswagen. Neste fim de semana, o Wolfsburg humilhou o poderoso Bayern de Munique: 5×1. Grafite fez dois. O segundo, quinto do time verde, foi antológico. Passou por 2 zagueiros, driblou o goleiro e pra arrematar, um toque de calcanhar. Ganha o imaginário troféu E QUE GOLAÇO -(C) José Silvério – da rodada.

O time de Grafite lidera a Bundesliga e o brasileiro, camisa 23, é o artilheiro, com 20 gols! Clique aqui para ler sobre o único jogo de Grafite pela Seleção Brasileira e sua participação na campanha do São Paulo, campeão da Libertadores 2005.

P.S. – Grafite é entrevistado da edição de junho da revista Trivela.