“O Milagre de Berna”: filme reconta a história da primeira das quatro estrelas da Alemanha.

O MILAGRE DE BERNA (Das Wunder von Bern), de Sönke Wortmann
O MILAGRE DE BERNA (Das Wunder von Bern), de Sönke Wortmann

Interessante rever “O Milagre de Berna” um dia depois do tetra da Alemanha. Essa ficção que passou rapidinho pelos cinemas brasileiros no final de 2004, começo de 2005 (foi lançada em DVD) faz um paralelo entre a situação difícil de uma família alemã depois da Segunda Guerra e a campanha campeã da seleção da Alemanha (Ocidental), na Copa da Suíça, em 1954.

E pensar que na primeira fase a seleção alemã tomou de 8×3 da invencível Hungria, de Puskas e companhia! Verdade que o técnico Sepp Herberger poupou titulares.

Na final, a favorita Hungria e a Alemanha voltaram a se enfrentar. O time vermelho chegou a abrir 2×0 no placar, mas tomou a virada (tá certo que o juiz anulou um gol húngaro). Final, 3×2, Alemanha campeã do mundo pela primeira vez. E esta simpática produção alemã ajuda  a entender porque jogadores como Fritz Walter e Rahn são lembrados até hoje nesta grande potência do futebol.

Chamam muita atenção as elogiadas cenas que recriam -em cores- lances decisivos da Copa do Mundo de 54, com ótima caracterização da época. Até o ator Henrik Benboom, que faz o papel de Puskas, usa aquele topete repartido ao meio do maior craque húngaro de todos os tempos… Bela a cena com o áudio de transmissão de rádio em cima das imagens da molecada jogando bola.

O diretor Sönke Wortmann também fez um documentário sobre a participação alemã na Copa de 2006, em casa: Deutschland. Ein Sommermärchen”.
Confira o trailer de “O Milagre da Berna”. Vale a pena procurar o DVD por aí. Continuar lendo ““O Milagre de Berna”: filme reconta a história da primeira das quatro estrelas da Alemanha.”

Super Deutschland. A campeã voltou.

https://www.facebook.com/DFBTeam
https://www.facebook.com/DFBTeam

???????????????????????????????É tetra! Pela primeira vez a Alemanha unificada é campeã. A grande campeã da melhor Copa de nossa geração. Uma Alemanha multicultural,de futebol bem jogado, de toque de bola (o tiki-taka não morreu!?!), simpatia, bom humor, sangue de poloneses, ganeses, turcos e tunisianos.

Eis a campanha da Alemanha, primeira seleção europeia a vencer um Mundial nas Américas:

  • Alemanha 4×0 Portugal, Fonte Nova
  • Alemanha 2×2 Gana – Castelão
  • Alemanha 1×0 Estados Unidos. Arena Pernambuco.
  • Alemanha 2×1 Argélia – Beira-Rio (depois do 1×1 no tempo normal)
  • Alemanha 1×0 França – Maracanã
  • Alemanha 7×1 Brasil – Mineirão
  • Alemanha 1×0 Argentina (na prorrogação) – Maracanã

Confira dentro do post a numeração da seleção campeã do mundo. Continuar lendo “Super Deutschland. A campeã voltou.”

O futebol brasileiro precisa de uma revolução, como a do #fussball.

http://www.panenka.org/
http://www.panenka.org/

É ótima a capa de abril de 2012 da revista “Panenka”, publicada em Barcelona. No texto que abre o dossiê sobre o futebol alemão na “Panenka” #7, de Raphael Honigstein e Aitor Lagunas, o alarme soou em 1999, depois da derrota de 3×0 para Croácia nas quartas de final do Mundial de 1998, na França (a seleção croata, com o artilheiro Suker, terminaria em 3º lugar).

Outras reportagens dizem que a mudança começou em 2000, depois da eliminação na primeira fase da Eurocopa. Não importa muito a data, o que importa é conhecer algumas medidas tomadas:

  • abertura de 121 centros de formação de jogadores, inspirados na academia de jogadores da França, Clairefontane
  • todos os clubes da primeira e da segunda Bundesliga foram obrigados a ter categorias de base

Hoje são 366 centros de treinamento, para 25 mil jovens alemães, com 1.000 técnicos, segundo a reportagem do correspondente do Estadão, Jamil Chade. Uma das revelações? Thomas Müller.

Um texto do “Lance!” esta semana lembrou que a Alemanha ganhou a Euro sub-21 em 2009 (4×0 na final contra a Inglaterra). No elenco, já estavam Neuer, Boateng, Hummels, Höwedes, Khedira, Özil.

Sem falar na média de público da Bundesliga, o campeonato alemão. 45 mil pessoas por jogo. Tenta comprar na internet ingresso para um jogo do St. Pauli, clube cult da segunda divisão. Tudo lotado.

O Brasil está vazio na tarde de domingo, como diz o samba de Milton Nascimento e Fernando Brant, mas aqui não é mais o país do futebol.

Há muito tempo.

Maracanã em tarde de Alemanha 1 x 0 França.

Maracanã em tarde de Alemanha 1 x 0 França.

DSC05343
Um sol para cada um dos 74.240 pagantes que viram o euroclássico França x Alemanha, no estádio do Maracanã. Exatos sessenta anos depois do primeiro dos três títulos mundiais da Alemanha, na Copa de 1954 na Suíça. “O Milagre de Berna”.
DSC05348 (1)
O zagueiro Mat Hummels (Borussia Dortmund) fez o único gol da partida, para alegria da torcida alemã, que se concentrou mais atrás do gol que o ótimo e arrojado Neuer defendeu no primeiro tempo, mas também marcou sua discreta e educada presença em outros setores.
DSC05359 (1)
DSC05374
???????????????????????????????A Alemanha está nas semifinais. Vai pegar o Brasil. Confesso que esperava mais do jogo. Mas se o calor já incomodava quem estava debaixo da nova cobertura do Maraca, imagine para os atletas. Que absurdo jogar 13h no Rio de Janeiro!
DSC05378
A França está eliminada, para tristeza da torcedora da foto abaixo, dica do Rodrigo Dias.
DSC05395 Continuar lendo “Maracanã em tarde de Alemanha 1 x 0 França.”

Fussball e metal: o Eintracht Frankfurt e o Tankard.

Coluna de Música + Fut Pop Clube
dj.hntphbmf.170x170-75O Eintracht Frankfurt (campeão alemão em 1959, vice europeu no ano seguinte) não começou nada bem a nova temporada da Bundesliga, o campeonato alemão. Perdeu feio pro Hertha Berlim (1×6) na estreia. Na rodada deste sábado, em casa, nova derrota, por 1×0 para o poderoso Bayern de Munique. Mas o Eintracht lutou muito e vendeu caro a derrota. “Forza, SGE”. É o nome de um metal pesado da banda alemã Tankard, de Frankfurt, presente num CD só com músicas sobre o SGE, sigla que vem de nome antigo do Eintracht.  Fiquei sabendo dessa pauleira num post do site Futebol Marketing no Dia do Rock. Valeu!

Depois desse peso todo, só resta desejar ao time dos caras do Tankard. Forza, SGE! Continuar lendo “Fussball e metal: o Eintracht Frankfurt e o Tankard.”

Fussball Pop Club: FC Köln, o Colônia, nos embalos de sábado à noite.

http://www.fc-koeln.de/
http://www.fc-koeln.de/

Divertido o comercial de lançamento da camisa que o Colônia, atualmente na 2. Bundesliga (a segundona alemã), vai usar na temporada 2013-14. Fiquei sabendo dessa campanha retrô, com camisa, estilão, “visu” e carrão à la anos 70 na interessante reportagem de Thiago Correia, no diário Lance! de sexta, 16/8 (‘Camisas: show business’), sobre as inovações que os clubes europeus andam fazendo em lançamentos de uniformes. No comercial, aparecem o jogador brasileiro Bruno Nascimento e os alemães Mit Sascha Bigalke e Jonas Hector curtindo os 70, onde a fornecedora do material esportivo do Colônia buscou inspiração.

O Colônia, o FC Köln, foi campeão alemão 3 vezes: 61-62, 63-64 e 77-78.

Fontes:

Continuar lendo “Fussball Pop Club: FC Köln, o Colônia, nos embalos de sábado à noite.”