Cinefoot em Sampa. E “Fla x Flu – 40 Minutos Antes do Nada” na TV.

14570453_1137933499575447_8286599378271868419_nO sétimo Cinefoot chega a São Paulo no fim de novembro. O festival vai rolar no auditório do Museu do Futebol entre 29 de novembro e 3 de dezembro, com entrada franca em todas as sessões. Enquanto isso, a Mostra Cinefoot continua no Canal Brasil, toda sexta-feira, às 22h (replay na terça, 13h30). A atração da semana já é um clássico, um clássico das multidões:  Fla x Flu – 40 Minutos Antes no Nada“.

Continuar lendo “Cinefoot em Sampa. E “Fla x Flu – 40 Minutos Antes do Nada” na TV.”

De outubro a dezembro, Mostra CINEfoot no CanalBrasil.

De outubro a dezembro, Mostra CINEfoot no CanalBrasil.

Pela galeria de cartazes acima, já dá para ter uma bela noção da abrangência da Mostra Cinefoot, um festival de filmes brasileiros (e uma coprodução com o Uruguai) sobre futebol, que o Canal Brasil exibe às sextas-feiras, de 7 de outubro a 30 de dezembro, sempre às 22h – reprises às terças, 13h30. A curadoria é do festival Cinefoot e a apresentação, do Raí. Está muito boa a seleção: do clássico “Garrincha, Alegria do Povo”, de Joaquim Pedro de Andrade, aos documentários mais recentes sobre torcedores e conquistas do Galo… do Paysandu… do Bahia… e os premiados “Geraldinos” e “O Futebol”. O Maracanã está presente nos docs “Fla x Flu – 40 Minutos Antes do Nada”, “Mario Filho – O Criador das Multidões” e um sobre o Maracanazo, “Maracaná – La Película”. Já “Campo de Jogo” (de Eryk Rocha, filho de Glauber Rocha) é sobre o oposto do novo Maraca: o futebol amador, dos campinhos de terra, das favelas. Tem ficção e da boa também: o primeiro dos “Boleiros” de Ugo Giorgetti e uma chance para ver o interessante “Meninos de Kichute”, que infelizmente passou meio batido por aí. Outro filme raro é o doc “Passe de Livre”, de Oswaldo Caldeira. O Canal Brasil está é o 150 da Net, 650 da Net HD, 55 da SKY, 67 da Claro, 66 da Oi e Via Cabo, canal 103 da GVT , 806 da Vivo TV DTH e canal 656 da Vivo IPTV.

  • Paysandú – 100 Anos de Payxão (2015) (92’) . A mostra Cinefoot no Canal Brasil começa muito bem, na sexta 7 de outubro, com “Paysandu, 100 Anos de Payxão. O filme de Gustavo Godinho e Marco André encerrou a seleção paulista do CINEfoot 2015, fora de concurso. Foi uma festa incrível da torcida bicolor no saguão do Espaço Itaú de Cinema. Durante a sessão, os gols de ídolos como Vélber, Robgol e Iarley foram comemorados quase que como se a galera estivesse na Curuzú ou no Mangueirão. Os clássicos, as decisões, as partidas mais emocionantes, a conquista da Copa dos Campeões contra o Cruzeiro, em 2002 e a bela campanha na Libertadores 2003 são alguns dos destaques do doc que prova a força do futebol no Brasil fora do Sudeste, Sul e Nordeste.
  • Bahêa Minha Vida – O Filme (2011) (100’).  Direção: Márcio Cavalcanti. É uma ópera-pop sobre a paixão do torcedor de futebol, de modo geral, e em especial, do torcedor do Bahia… Bahêa! É um filme muito musical, e vindo de Salvador não poderia ser diferente. Despertam atenção e emoção os cinematográficos clips – vários – presentes no documentário, do hino oficial do Bahia, da música “O Campeão dos Campeões”, da adaptação do sucesso dos Mamonas Assassinas que outras torcidas cantam, com outras letras, dos gritos de guerra da massa tricolor. Armandinho (de A Cor da Som, do trio elétrico) arrebenta, tocando o hino do Tricolor de Aço na guitarra baiana. É também um filme de imagens impressionantes: arquivo da primeira Taça Brasil (Bahia campeão em cima do Santos), em 1959, o reencontro dos heróis, Fonte Nova com 110 mil pessoas na reta final do Brasileirão de 1988, um Ba-Vi com 97 mil pagantes, a invasão e a tragédia no dia do acesso à Série B, a implosão do estádio para a reforma, os torcedores de mãos dadas rezando Pai-Nosso, depois que um jogador contou a imagem de um sonho. Um filme de torcedores, sobre torcedores, para torcedores. Documentário nacional mais visto em 2011. Prêmio: Taça Cinefoot de melhor longa no júri popular, em 2012. Passa em 14 de outubro de 2016, no Canal Brasil, às 22h.
  • Boleiros – Era Uma vez o Futebol (1998) (98′). Direção: Ugo Giorgetti. Não tem como não se lembrar do juiz encarnado por Otávio Augusto quando um árbitro da vida real mandar voltar pênalti até o cobrador acertar… Lima Duarte faz  técnico linha dura na concentração… parece uma mistura de Telê com Felipão… Giorgetti costura com maestria episódios sobre ex-craque na pior, menino dividido entre futebol e crime, macumba como salvação de joelho de jogador… E o elenco é maravilhoso: além de Otávio Agusto e Lima Duarte, Rogério Cardoso, Cássio Gabus Mendes, Adriano Stuart, Flávio Migliaccio, Marisa Orth, Denise Fraga! Prêmios: melhor direção no Festival Internacional de Amiens (França) e troféu APCA de melhor roteiro. Sexta, 21 de outubro, às 22h. Também pode ser comprado ou alugado no You Tube.
  • Campo de Jogo (2014) (70’). Direção: Eryk Rocha. Poucas vezes a gorduchinha foi tão bem tratada pelas câmeras do cinema como a final de campeonato anual de favelas, entre o Esporte Clube Juventude e o Geração Futebol Clube, neste “Campo de Jogo”.  O tratamento a times amadores como Juventude e Geração, seus jogadores, seus técnicos e seus torcedores é semelhante ao que as lentes do Canal 100 davam ao futebol campeão do mundo. “Campo de Jogo” tem 71 minutos sem narração, sem voz em off, sem entrevistas. Só um balé de imagens (preste atenção na cena do juiz cercado), outro show de captação de som ambiente  e ótima trilha sonora. Passa em 28 de outubro, às 10 da noite, na mostra do Cinefoot no Canal Brasil.

Continuar lendo “De outubro a dezembro, Mostra CINEfoot no CanalBrasil.”

“Geraldinos” em São Paulo

Publicado em 29 de abril de 2016


O horário é um só. 18h10. A sala 4 do Caixa Belas Artes não é assim um Maracanã dos cinemas. Mas os torcedores dos times cariocas que moram em São Paulo e todos os ‘futboleros’ interessados nas melhores décadas do futebol brasileiro precisam ver “Geraldinos”. Os diretores Pedro Asbeg e Renato Martins (que já tinham sido premiados por “Democracia em Preto e Branco”) levantaram a taça de melhor longa tanto na edição carioca como na paulista do festival CINEfoot, em 2015, com estes 73 minutos de barulho em homenagem ao Maraca das antigas e seus ricos personagens, os geraldinos.

A equipe do filme registrou os dez últimos jogos do velho Maraca com a geral, em 2005. Uma década depois, reencontrou no estádio lipoaspirado alguns geraldinos como o “Mister M”, “Índio”, Vovó Tricolor e Edgar, um tricolor que invadiu o gramado do Maracanã num Fla-Flu de 1982 em que o time de seu coração perdia por 3×0 e foi pedir pro Zico não marcar gol. Dois anos depois, Edgar batizaria seu filho com o nome do herói tricolor num Fla-Flu decisivo: Assis.

Emoção não falta no documentário “Geraldinos”. Sem falar no riquíssimo material de arquivo, cenas de outros filmes feitos, editados num ritmo brilhante – o som do grupo Bixiga 70 está na trilha sonora. Os depoimentos são muito bons, e o apolinho Washington Rodrigues, comentarista de rádio no Rio, dá a letra: “nem eu sei quem é o dono do Maracanã. Sei que não é meu”.

“Geraldinos” toma partido, escolhe o lado. O lado do povo. Belo doc!
Continuar lendo ““Geraldinos” em São Paulo”

Fla-Flu em Sampa: clássico das multidões levou 30 mil ao Pacaembu.

Fla-Flu em Sampa: clássico das multidões levou 30 mil ao Pacaembu.

DSC07772O samba campeão de Neguinho da Beija-Flor poderia ter sido alterado neste 20 de março de 2016:

Domingo/eu vou ao … Pacaembu

IMG_20160320_180339E trinta mil pessoas foram ao Pacaembu para torcer pelo time de que são fãs, ou simpatizantes, ou ainda para testemunhar um Fla-Flu histórico. Sem Maracanã nem Engenhão, Flamengo e Fluminense jogaram pela segunda vez na história no estádio Paulo Machado de Carvalho, a mais de 400 km do Rio. Um clássico que mostrou o potencial de atração do futebol carioca. Seja no Maraca, em Brasília, Manaus ou Sampa.

IMG_20160320_212144As torcidas deram as caras, especialmente a rubro-negra. Mas sem as bandeiras que fazem a colorida festa no Maraca – os mastros são proibidos nos estádios de Sampa, o futebol ficou devendo. Verdade que tinha um sol para cada jogador, pra cada torcedor, numa tarde de Pacaembu carioca – faltou o mate e o biscoito Globo. E gols, ao menos. Um 0x0 como em 1942.

Este slideshow necessita de JavaScript.


Continuar lendo “Fla-Flu em Sampa: clássico das multidões levou 30 mil ao Pacaembu.”

O gol de barriga que decidiu um Fla-Flu. E um título estadual, em 1995.

11426792_877028245702525_5481667739829354791_oMaracanã, 25 de junho de 1995. O Clássico das Multidões do futebol carioca decide o campeonato estadual. O placar eletrônico mostra 2×2, resultado que dá o título ao Flamengo. Pra ganhar o título no ano do centenário de fundação do clube, o Mengão trouxe Romário (do Barça) para fazer um ataque de sonhos com Sávio e o técnico Vanderlei Luxemburgo, bicampeão brasileiro pelo Palmeiras. Faltam quatro voltinhas pro ponteiro: 41’15” do 2º tempo. O tricolor Aílton desce pela ponta-direita, faz um fuzuê na área rubro-negra e chuta … ou cruza? De bandana na cabeça, camisa tricolor com menos listras que o normal e um espaço gigante para o patrocinador, Renato Gaúcho põe a barriga na frente e empurra a bola pro gol. 3 a 2. O Fluminense – treinado pelo “papai” Joel Santana – é campeão do Rio depois de dez anos!

Tempos em que o Maracanã poderia receber umas 120 mil pessoas, como naquela tardinha, que teve 109 mil pagantes (por aí dá para ter uma ideia de quantos entraram “de carona”, fato comum no estádio naquela época).

O “gol de barriga” de Renato Gaúcho, os 20 anos da conquista do Estadual de 1995, bem como os 30 do de 1985 e os 40 do primeiro título da Máquina Tricolor, em 1975, vão ser lembrados pela FluFest, uma programação do Fluminense que comemora os 113 anos do clube e os 110 anos da tradicional camisa tricolor.

Renato Gaúcho e o título fluminense de 1995 também são lembrados na série de cervejas que a dupla dinâmica do Rock Flu lançou. Diz o rótulo: “feita para quem aprecia gol de barriga”. Risos!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Na súmula, o juiz indicou gol do Aílton. Até o garotinho José Carlos Araújo (hoje na Super Rádio Tupi) narrou o gol na rádio Globo como sendo do Aílton., como está no CD “30 Gols Históricos do Tricolor”.

Veja o gol e ouça essa narração vibrante aqui.

É hilária a história que o torcedor tricolor conta no trecho do gol de barriga no filme “Fla x Flu – 40 Minutos Antes do Nada”.  Como quase todas desse documentário, que vale conhecer.

FICHA TÉCNICA do Fla-Flu decisivo de 1995 dentro do post: Continuar lendo “O gol de barriga que decidiu um Fla-Flu. E um título estadual, em 1995.”

(2015) Flamengo de “professor” e #MantoSagrado novos.

(2015) Flamengo de “professor” e #MantoSagrado novos.

E já tem loja rubro-negra vendendo a camisa nova com o número 9 e o nome do Guerrero, a mais nova contratação do Fla!

384604
Héctor Canteros e a nova camisa 1 do Fla.

Depois de demitir o “profexô”, o Flamengo anunciou Cristóvão Borges (ex-Vasco, Bahia e Fluminense). O novo técnico do rubro-negro estreia logo contra seu ex-time, é, no Fla-Flu, neste domingo, 31 de maio – quando o Mengo também vai lançar o novo uniforme 1.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O novo “home kit” do Fla tem a inscrição “Manto Sagrado” nas costas, perto da gola. O goleiro Paulo Victor também deve entrar no Maraca domingo de roupa nova. Veja. Continuar lendo “(2015) Flamengo de “professor” e #MantoSagrado novos.”

“Canal 100: Uma Câmera Lúdica, Explosiva e Dramática”.

Era uma vez um futebol que tinha Pelé, Garrincha, Tostão, Gerson, Jairzinho, Carlos Alberto Torres, Félix, Coutinho etc etc etc.
E ainda era filmado (e editado) com uma classe…
As câmeras do Canal 100 são o tema de um livro de arte – de futebol-arte. “Canal 100: Uma Câmera Lúdica, Explosiva e Dramática” (Dois Um Produções), organizado por Carla Niemeyer (filha de Carlos Niemeyer, criador da produtora) e Cláudia Pinheiro, tem umas 300 imagens de clássicos do futebol brasileiro, que levavam ao deleite o torcedor brasileiro que ia ao cinema entre as décadas de 60 e 80. E mais recentemente, em algumas sessões de festivais como o CINEfoot.

10452813_696792713716926_2180656043747382671_o (1)
https://www.facebook.com/pages/DOIS-UM-Produções/

Este livraço, que saiu durante a Copa, custa 45 reais e inclui um DVD, com uns 40 minutos de gols do Canal 100. Olha só o que tem neste extra:

  • Fla-Flu de 1960, onde os rubro-negros quebraram a invencibilidade dos tricolores (de uniforme branco) no campeonato carioca, que seria o último conquistado pelo América.
  • Depois de uma reportagem do Canal 100 sobre o ‘Carnaval quatrocentão’, o DVD tem outro Fla-Flu, em Maracanã lotado. O que decidiu o título carioca de 1969. Tempos em que os uniformes clássicos (Fla de rubro-negro e Flu novamente de branco) não tinham marcas de patrocinadores. E que o goleiro também era chamado de “keeper”. Félix era o “keeper” do Flu. Rodriguez, o do Fla, dá um pique “a 100 km por hora” para reclamar do segundo gol tricolor. No final, o Flu ganhou por 3×2 e deu a volta olímpica. O técnico? Um mestre Telê Santana começando sua gloriosa carreira de treinador.
  • Depois do cinejornal sobre a visita da musa Claudia Cardinale ao Rio, para filmar “Uma Rosa para Todos” (no papel de uma mulata!), tem o clássico Botafogo x Santos no Torneio Rio São Paulo de 1964, já no começo de 1965. Do lado do glorioso, tinha Manga, Gerson, Jairznho, Garrincha… Do lado do alvinegro praiano, Gylmar, Pelé, Coutinho… E o Canal 100 ainda usava a versão instrumental de “Na Cadência do Samba”, a melô do “Que Bonito É”… Covardia…
  • A seguir, uma reportagem sobre o surf, “a nova moda das praias cariocas”, e outra toda sobre a estreia da Seleção Brasileira na Copa de 1966, contra a Bulgária, no estádio do Everton, Goodison Park. Pelé e Garrincha (com a 16), garantiram a vitória, ambos em belíssimas cobranças de falta. Pelé vibrou muito com o gol de Mané – foi o último do anjo das pernas tortas com a amarelinha.
  • Tem também um curta sobre o GP do Brasil de F1, num autódromo de Interlagos ensolarado e tomado por “150 mil pessoas” em 1973. O então campeão mundial Emerson Fittipaldi venceu de ponta a ponta, com a Lotus 72 D, aquela flecha negra, o carro mais bonito da história da Fórmula 1. Mas o segundo no pódio em Interlagos, Jackie Stewart, se recuperaria e adiaria o bi de Fittipaldi.
  • O último filme do DVD é a reportagem sobre o clássico Brasil 1×0 Inglaterra, na Copa de 1970, no México. O jogo da extraordinária defesa de Gordon Banks na cabeçada do Rei Pelé. E da jogadaça de Tostão no gol decisivo, de Jairzinho, o ‘furacão da Copa’.

O livro virou exposição em 2015. “Canal 100, uma câmera lúdica, dramática e explosiva” fica até 29 de março no Galpão das Artes – Espaço Tom Jobim, no Jardim Botânico do Rio. Continuar lendo ““Canal 100: Uma Câmera Lúdica, Explosiva e Dramática”.”