Torcedor de carteirinha: os programas de sócio-torcedor e os uniformes do Brasileirão 2015!

O Brasileirão 2015 começa sem pompa, nem circunstância, infelizmente, uma semana depois da emoção das finais estaduais, espremido entre jogos decisivos das oitavas da Libertadores e as semifinais da Liga dos Campeões (difícil competir com a Champions…). Clubes sem muita grana pra investir, nenhum grande reforço novo por enquanto. Atletas vão sair na janela, outros vão chegar. Neste post, veja como pode ajudar o seu time, aderindo aos programas de fidelidade tipo sócio-torcedor e aproveitar descontos e até isenção nos ingressos. Na boa, na paz, ok?

Também confira que fábrica veste cada time e os últimos uniformes lançados (atualizo assim que forem surgindo novidades).

Continuar lendo “Torcedor de carteirinha: os programas de sócio-torcedor e os uniformes do Brasileirão 2015!”

É campeão! Versão 2014.

 

Post atualizado em 26/04/2014

Bahia, Ceará, Cruzeiro, Flamengo, Inter, Sampaio Corrêa, Sport ou Atlético Goianiense serem campeões estaduais não chega a ser uma novidade. Nem o CENE em MS ou o Londrina no Paraná. Agora, o Ituano ser campeão paulista num ano em que os grandes entraram no campeonato (entraram, mesmo? só se for pelo cano!)… O Galo de Itu já tinha ganho o título em 2002, quando os grandes jogaram o Rio-São Paulo e só entraram num tal de Supercampeonato Paulista, de tiro curtíssimo e regulamento tão ridículo como o Paulistão 2014. O que não tira os muitos méritos do Ituano, num ano em que os times do interior voltaram a fazer festa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continuar lendo “É campeão! Versão 2014.”

Camisa nº 3 do Figueirense

Este slideshow necessita de JavaScript.


Na rodada deste fim de semana da Série B, o Figueirense estreou seu novo terceiro uniforme, lançado no Dia Nacional do Futebol, na Coleção Raízes da Penalty. É uma homenagem à camisa de 1921, ano de fundação do Figueira. No tecido, de cor crua, se destacam o primeiro distintivo do então Figueirense Foot Ball Club e as primeiras logomarcas dos (muitos) patrocinadores. Continuar lendo “Camisa nº 3 do Figueirense”

Muricy 4.0

Arte: LAIS SOBRAL
Arte: LAIS SOBRAL para o @FutPopClube

Muricy Ramalho completa em 2013 quarenta anos de “isso aqui é trabalho, meu filho”, digo, de futebol profissional. Foi em 1973 que o jovem meia cabeludo e rebelde revelado pelo futebol social do São Paulo Futebol Clube estreou no time de cima do tricolor paulista – mais exatamente em 21 de agosto de 1973, num amistoso contra o União Bandeirante, no interior do Paraná, informa Michael Serra, do arquivo histórico do São Paulo e do site SPFCpédia.
Muricy foi campeão paulista de 1975 na belíssima campanha comandada pelo técnico José Poy. Estava no elenco campeão brasileiro de 1977, mas às voltas com contusões, não era titular de Minelli (grande e assumida influência na futura função). Acabou indo pro México, onde foi campeão e ídolo vestindo a camisa do Puebla. Lá mesmo começou a carreira de técnico… De volta ao São Paulo, trabalhou com o mestre Telê Santana treinando o chamado expressinho – campeão da Copa Conmebol 1994. O resto é história.

É o Muricy camisa 8 dos anos 70, cabeludo, que andava de macacão e tamanco (para desapontamento do querido durão José Poy), amigão de Serginho Chulapa, fã do som de Rita Lee e seu Tutti Frutti, o homenageado desta arte – a primeira colaboração para o Fut Pop Clube da artista plástica Lais SobralContinuar lendo “Muricy 4.0”

Feliz Brasileirão Novo, torcedor de carteirinha!

Sabe quando o brasileiro diz que o ano começa depois do Carnaval? Na verdade, não é bem assim, porque muita gente começa o ano ralando…

Bom, no futebol nacional, depois das decisões de Libertadores e da Copa do Brasil, a gente pode desejar: Feliz Brasileirão Novo! Agora, ninguém tem mais desculpa, o campeonato começa para valer – apesar dos desfalques olímpicos que vão afetar principalmente Internacional, Santos e São Paulo. Mas como na comparação do começo deste texto, quem trabalhou como formiguinha nas 8 primeiras rodadas tem uma boa “poupança” de pontos ganhos, que podem fazer toda a diferença na 38ª rodada.

Eu adoro o Brasileirão, e adoro o Brasileirão de pontos corridos, apesar de todos esses boicotes que ele sofre… e por isso  publico abaixo os links para os torcedores de carteirinha que querem acompanhar ‘in loco’ o máximo de jogos do seu time de coração neste ano. São os programas do tipo sócio-torcedor. De maneira geral, consumidor/torcedor paga uma mensalidade e tem acesso livre, prioridade ou bons descontos para ver os jogos, entre outras facilidades. Eu apoio. Evita filas, evita cambistas… Por outro lado, os clubes ainda tem que aprender a tratar bem este torcedor fiel, autêntico seguidor. Vamos lá, então, aos programas de sócios dos clubes da série A (quase todos têm algo do tipo).

Bom campeonato!


Ah, é Edmundo!

FOTO Marcelo Sadio / http://www.vasco.com.br

Quarta-feira, 28 de março de 2012. Edmundo, o “animal” (copyright: Osmar Santos), se despediu oficialmente do futebol, num amistoso em que o Vasco -que o revelou e onde parou- goleou o Barcelona de Guayaquil (9×1, 2 gols de Edmundo, fora a reboladinha), num “remake da final da Libertadores de 1998. Não faltaram títulos -e confusões – na carreira do genial e genioso camisa 7, que hoje foi nota 10:

  1. Campeão invicto do estadual do Rio em 1992
  2.  Campeão do Torneio Rio-São Paulo 1993, já pelo Palmeiras
  3. Campeão paulista 1993
  4. Campeão brasileiro 1993
  5. Bicampeão paulista em 1994
  6. Bicampeão brasileiro 1994
  7. Copa América 1997 – pela Seleção Brasileira
  8. Campeão Brasileiro 1997 – pelo Vasco. Edmundo fez 29 gols, recorde do campeonato que só foi batido em 2003 (Dimba, do Goiás, 31 gols)

Todo mundo tem seus defeitos. Dentro do campo -que é o que interessa aqui-, com a bola no pé, no período entre 1992 e 1997, o “animal” foi um dos melhores do mundo. Boa sorte e felicidades para Edmundo, na continuidade de sua vida.

Dentro do post, republico as lembranças de um torcedor do Vasco e do Palmeiras, e consequentemente, um superfã de Edmundo: Luiz Reginaldo Lima, “irmão do blog”. O texto de Reginaldo sobre o “animal” foi publicado no meu blog anterior, em 2008: Continuar lendo “Ah, é Edmundo!”

Bola de Prata, Prêmio Craque do Brasileirão, Ballon d´Or da Fifa

Fernando Prass, Mário Fernandes, Dedé, Paulo André, Juninho (Figueirense), Marcos Assunção, Paulinho, Ronaldinho Gaúcho, Montillo, Neymar, Fred. Essa é a seleção do campeonato de acordo com o prêmio Bola de Prata, de “Placar” e ESPN.
Neymar também é o dono da Bola de Ouro, como melhor jogador, e de uma Chuteira de Ouro.
Borges ganhou uma Bola de Prata como artilheiro do Brasileirão 2011.

Veja agora como ficou a seleção segundo outro prêmio, o Craque Brasileirão: Continuar lendo “Bola de Prata, Prêmio Craque do Brasileirão, Ballon d´Or da Fifa”

Leitura recomendada

Sabe quando você separa um artigo de jornal para ler depois, com calma? Volto ao caderno de esportes do “Estadão” de quarta-feira, 16 de novembro. Guardei a coluna do jornalista Antero Greco para ler mais tarde e valeu muito a pena. É uma educadíssima  resposta a uma crônica (brilhante, como sempre) do cineasta Ugo Giorgetti, diretor dos deliciosos filmes Boleiros, I e II, que fez uma proposta provocadora: por que não mudar de time, já que a gente muda tanto na vida? Ugo Giorgetti levantou a bola e Antero Greco cortou. Antero – que me parece ser um dos mais sensatos e educados cronistas esportivos, sem perder o bom humor, pelo que acompanho há anos na ESPN Brasil – responde que não, e argumenta porque não devemos mudar de time, independentemente se ele está bem ou não, se ganha sempre ou está há anos na fila (leia aqui a crônica de Antero e aqui a do “boleiro” Giorgetti).

Tem muito a ver com as cenas que a gente vê num fim de semana de futebol. Torcedores da Ponte e do Náutico vibrando e se emocionando – rodadas depois dos leões rubro-verdes da Lusa – não com um título, mas com a volta de seus times de coração à elite do futebol brasileiro (tema do post anterior). Tem a ver com o que vi agora há pouco: a torcida do Figueirense cantando e aplaudindo o time, depois de levar uma goleada do Fluminense. É o que motiva a jovem e grená torcida do Juventus da Mooca, há tempos longe da primeira divisão estadual, mas que mobiliza centenas para os jogos como esse que eu vi,na rua Javari, pela Copa Paulista (infelizmente, o Juve foi eliminado em fase posterior). Torcedor que é torcedor compreende tudo isso perfeitamente. Continuar lendo “Leitura recomendada”