Um livro sobre o Come-Fogo, o clássico de Ribeirão Preto.

Come Fogo
O jornalista Igor Ramos lançou ontem, em Ribeirão Preto, um livro sobre um dos clássicos mais tradicionais do interior paulista: “Come-Fogo – Tradição e Rivalidade no Interior do Brasil”.
Quem teve acesso aos livros anteriores de Igor Ramos, sobre o Botafogo e sobre o Comercial, já pode imaginar a qualidade do material.
Parabéns ao autor e aos torcedores da Pantera e do Leão. Viva o Come-Fogo! Continuar lendo “Um livro sobre o Come-Fogo, o clássico de Ribeirão Preto.”

Sócrates, Brasileiro

image
Capa do livro “Sócrates, Brasileiro”. Lançamento nesta terça.

“… O jogador de futebol é fundamental para o país, muitas vezes é mais ouvido do que o Presidente da República. Tem um compromisso social embutido nele e não sabe, desconhece. É um cara que poderia transformar o país mais rapidamente, até porque normalmente vem de uma condição social deprimente, porém se acomoda. Ninguém afronta o status quo. O sistema continua igual, paternalista, depressivo, minimiza o humanismo, não só do indivíduo, mas da própria sociedade”. Sócrates, em entrevista a Henrique Rodrigues, publicada na revista “Invicto”, nº 14, em 2010.

O diagnóstico do doutor Sócrates continua atual, dois anos depois da entrevista à revista “Invicto” (que também deixou saudade) e um ano após a perda desse grande Brasileiro.

Pensatas sobre futebol e política – dois assuntos que jamais se separam, infelizmente – estão no livro “Sócrates, Brasileiro”. É uma coletânea de 87 crônicas do camisa 8 que era 10 mas também arrasava como 9, na revista “Carta Capital”. O pré-lançamento será na terça-feira que vem, 11 de dezembro, às 19h30, na loja ao lado do Museu do Futebol, no estádio do Pacaembu, onde o doutor brilhou tantas tardes e noites.  O jornalista Juca Kfouri, autor do prefácio, e  o ex-lateral Wladimir, colega de democracia corintiana, vão participar de um bate-papo. O livro chegará primeiro às bancas de Sampa, Rio, Recife, Salvador, BH, Brasília, Ribeirão Preto e Campinas. Preço: R$ 19,90.

Doutor Sócrates

Capa do livro “Democracia corintiana – a utopia em jogo”, de Sócrates e Ricardo Gozzi, pela Boitempo Editorial: http://www.boitempo.com/livro_completo.php?isbn=85-7559-021-9#

Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira. “8 é o número da camisa dele”, diria Osmar Santos, o locutor que não só narrou no rádio os gols mais importantes do Doutor Sócrates, como foi companheiro do “Magrão” nos comícios da campanha pelas Diretas Já.
Quis o destino que Sócrates deixasse o planeta bola no domingo em que o Corinthians se sagrou campeão, pentacampeão brasileiro, num campeonato pra lá de emocionante.
Com o doutor, morre um pedaço da história do final dos anos 70 e dos 80, não só do futebol brasileiro, como da vida do país em geral e das Copas do Mundo.
Não dá para não se emocionar com a perda dessa figura desengonçada, que fez o improvável, brilhar em competições de ponta sem ser um atleta padrão – aliás, um jogador que lutava pelos seus direitos e os dos outros também.
Um craque singular. Como não se faz mais. Valeu, doutor, por ter vivido os seus 57 anos. Continuar lendo “Doutor Sócrates”

Botafogo FC: Pantera da Mogiana

Publicado em outubro de 2010
Aguillera (depois Leonetti), Wilson Campos, Miro, Manoel e Mineiro; Mario e Lorico; Zé Mário, Sócrates, Osmarzinho (depois João Traina) e João Carlos Motoca. Com esse time, treinado por Jorge Vieira, o Botafogo de Ribeirão Preto empatou no Morumbi com o São Paulo – de Waldir Peres, Pedro Rocha (depois Muricy), Terto, Serginho, Zé Sérgio etc – já treinado por Rubens Minelli (que seria campeão brasileiro naquela temporada). O 0x0 valeu à Pantera da Mogiana o título de campeão do primeiro turno do Paulistão de 1977 (e a Taça Cidade de São Paulo). Na volta do time à Ribeirão, a cidade parou. Um dos orgulhos da história do tricolor de Ribeirão Preto, como mostra o livroBotafogo – Uma História de Amor e Glórias, de Igor Ramos (comprei o meu exemplar na loja do Museu do Futebol, algum tempo atrás).
Os 92 anos do Botafogo Futebol Clube (comemorados esta semana, em 12 de outubro de 2010) são a deixa perfeita para falar deste belo livro sobre um clube tradicional do interior paulista, neste momento em que a gente vê times mudando de uma cidade para outr. Depois do Grêmio Barueri que foi pra Prudente, agora acompanhamos o Guaratinguetá de mudança para Americana (fico imaginando o ânimo com que moradores da simpática “Guará” vão acompanhar o restante da campanha da Garça do Vale na série B do Brasileirão. É lamentável esse troca-troca).
Mas o tema do post é o Botafogo e Uma História de Amor e Glórias. O livro de Igor Ramos dedica um capítulo a grandes jogadores que passaram pelo Botafogo (a maioria, prata da casa). Como o meia Tim (Elba de Pádua Lima), o zagueiro Baldochi (que seria campeão do mundo na Copa 70, no México), o lateral Eurico (depois do Palmeiras, Grêmio, Seleção), o zagueiro Manoel (xerife de 1977), o ponta Zé Mário (que morreu precocemente, de leucemia), Paulo César (outro bom ponta, que jogou no São Paulo), o artilheiro Geraldão Manteiga (depois, do Corinthians). Sem falar nos irmãos Raí (vice-campeão da Taça São Paulo de juniores em 1984 com o Bota) e Sócrates (há uma lista de todos os jogos e gols do doutor pela Pantera, de 1972 a 78, e no finzinho da carreira, em 1989). Entre as muitas curiosidades e estatísticas do livro, há uma lista dos gols do Rei Pelé contra o Botafogo, as excursões internacionais e uma relação (atualizada até 27/02/2008) do Come-Fogo, o clássico de Ribeirão Preto, contra o Comercial. Continuar lendo “Botafogo FC: Pantera da Mogiana”