Roberto Dias

PUBLICADO ORIGINALMENTE EM SETEMBRO DE 2009
DIAS Pontes EditoresO zagueiro e médio-volante Roberto Dias aparece na maioria das listas dos melhores jogadores da história do São Paulo, como a do livro do Arnaldo Ribeiro.  A biografia Dias – A Vida do Maior Jogador do São Paulo nos Anos 1960 (Pontes Editores),  escrita por Fábio Matos, mostra a importância do zagueiro habilidoso, considerado por Pelé seu melhor e mais leal marcador –  “era inteligente e sabia marcar sem fazer faltas”, disse o Rei ao Estadão, em 2005. Roberto Dias, esse zagueiro, é considerado o único grande craque que defendeu o Tricolor do Morumbi enquanto o estádio era concluído.

Foram anos de vacas magras. O São Paulo ficou seu ganhar títulos paulistas entre 1957 e 1970, quando jogadores como o cerebral Gérson, o canhotinha de ouro, e o artilheiro  Toninho Guerreiro foram contratados para acabar com o jejum. Nessa entressafra, o São Paulo de Roberto Dias ficou muitas vezes no “quase”, diante do timaço do Santos de Pelé ou da primeira Academia do Palmeiras. Mas no Memorial do São Paulo está a Pequena Taça do Mundo, conquistada em 1963, na Venezuela, contra Porto e Real Madrid, sob o comando de Oswaldo Brandão.

Em “Dias – A Vida do Maior Jogador do São Paulo nos Anos 1960“, Fábio Matos conta a vida de Roberto Dias (1943-2007) desde o berço, no bairro do Canindé, onde o menino “Bebé”, que torcia justamente para o time que o São Paulo enfrenta no Majestoso deste domingo, aprendeu a gostar do tricolor. Os técnicos que deram força ao jovem defensor, a seleção que foi às Olimpíadas de Roma em 1960, a consolidação como titular do São Paulo, as potentes cobranças de falta no estilo folha-seca, os grande jogos, as decepções, a conquista do Paulistão de 197o, o infarto do miocárdio aos 28 anos, no finalzinho de 1970, poucas horas depois de um jogo contra o Santos; a volta, um ano depois; as perdas na família, o desligamento do time que defendeu com tanta categoria, em 73 e, no fim da vida, o trabalho como treinador das escolinhas do departamento social do clube.
O livro de Fábio Matos termina com um desejo do biografado: “pisar no Morumbi até o último suspiro”. E foi mesmo no estádio do clube em que trabalhava, em 2007, que Roberto Dias teve a parada respiratória que o levou à morte, horas depois, no hospital, me informa texto do biógrafo, no gentil e-mail de Domingos D´Angelo.

Roberto Dias atuou 25 partidas pela Seleção principal, mas foi cortado da relação final da Copa de 66. Jogou ainda por CEUB (DF), Jalisco (México), Dom Bosco (MT) e pendurou as chuteiras no Nacional da rua Comendador de Souza.

3 comentários sobre “Roberto Dias

  1. Sua genilidade se mesclava com sua igenuidade tb!!Assinava seus contratos muitas vêzes em branco, que o levou a ser usado em muitas oportunidades de maneira enganosa.Adeus Roberto vc já está jogando na seleção do céu!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.