Rio 2016: o rádio esportivo brasileiro, no pódio.

20160814_135222-ANIMATIONDécimo terceiro dia de Olimpíada. Falta pouco para terminar. Vamos sentir falta do festival de grandes atletas de tantas modalidades, tudo ao mesmo tempo agora. É uma maratona de enlouquecer o torcedor que está no Rio e o “da poltrona”! “Trocentos” canais de televisão transmitindo de futebol masculino e feminino a badminton. Mas eu queria falar do rádio, grande amigo do torcedor em trânsito, seja dentro de sua cidade, seja na estrada. Foi bom demais ouvir emissoras AM e FM transmitindo na íntegra partidas de basquete ou vôlei das seleções brasileiras! Um belo esforço de várias redes, cadeias verde-amarelas e sistemas de rádio! Até AM de Porto Alegre -que há muito tempo eu não ouvia no dial- consegui sintonizar na via Dutra! O rádio salvou a sede de informação de quem viajava para ou de volta da cidade olímpica.   Continuar lendo “Rio 2016: o rádio esportivo brasileiro, no pódio.”

Este era mesmo um Escrete do Rádio

rádio globo
Anúncio publicado em 1978

Meus amigos… começaria João Saldanha, o comentarista que o Brasil inteiro consagrou…
… como seria um gol transmitido por diferentes gerações da equipe de esportes da rádio Globo do Rio?

O saudoso Jorge Curi poderia narrar, com seu vozeirão, bem de família.

Anotem… tempo e placar no maior do mundooooo!

Seu colega Waldir Amaral anunciaria um bordão clássico.

Bololô na área…

… enquanto o garotinho José Carlos Araújo poderia acrescentar

Preparou, apontou, entrou! Golão, golão, golão!

Mário Vianna, sempre com dois “N”, aprovaria.

Goool legal!

Voltaria Waldir…

Tem peixe na rede do … Indivíduo competente…

Minha homenagem às grandes equipes esportivas da Rádio Globo, que comemorou 70 anos.

O site da emissora publicou uma infográfico em forma de história em quadrinhos multimídia, maneiríssima, com áudios.

E muitos áudios históricos, como a final do Mundial de Clubes de 1981, que o Flamengo faturou em cima do Liverpool, e narrações do pai da matéria, Osmar Santos, da Rádio Globo São Paulo. Clique aqui para ouvir tudo isso. Continuar lendo “Este era mesmo um Escrete do Rádio”

Loureeeiro Neeeto!

Manoel Fernandes Loureiro, o Loureiro Neto, o português mais brasileiro do rádio (DIVULGAÇÃO Rádio Globo)
Manoel Fernandes Loureiro, Loureiro Neto, o português mais carioca do rádio (FOTO: DIVULGAÇÃO Rádio Globo)

Duas grandes perdas nesta quarta-feira.
Na música espanhola e mundial, Paco de Lucia (mais na Coluna).
No rádio brasileiro, o comunicador Loureiro Neto. Português de Palmeira, Manoel Fernandes Loureiro – nome de batismo – chegou com 5 anos ao Brasil. Trabalhou no programa “Resenha Esportiva” da TV Rio, foi repórter da Rádio Vera Cruz, do grupo Bloch. No Sistema Globo de Rádio, estreou no programa “Globo Esportivo”.

No  final dos anos 70, Loureiro Neto – nome artístico – fez parte de uma formação histórica do rádio esportivo brasileiro (até porque a rádio Globo do Rio era e é ouvida em todo o país): ao lado dos dos clássicos locutores Jorge Cury (um dos favoritos do blogueiro), Waldir Amaral (“bololô na área”), João Saldanha (“o comentarista que o Brasil inteiro consagrou”) e o ex-juiz Mario Vianna (“com dois “Ns”). Os repórteres de campo eram Kléber Leite e Loureiro Neto.

rádio globo
Anúncio publicado em 1978

Que equipe! Uma seleção! Uma espécie de Real Madrid do rádio esportivo brasileiro.

Kléber Leite depois virou empresário e foi presidente do Flamengo. Como bom português radicado no Rio, Loureiro era Vasco. Continuar lendo “Loureeeiro Neeeto!”

Luiz Mendes, o comentarista da palavra fácil

Minha gente, o rádio esportivo brasileiro está mais triste, assim como todo torcedor fissurado nas emocionantes transmissões radiofônicas de futebol, como este que vos bloga.
Morreu Luiz Mendes, o comentarista da palavra fácil.
Mas pode chamar também de Senhor Copa do Mundo. O gaúcho radicado no Rio de Janeiro trabalhou em todos os Mundiais desde o de 1950, no Brasil. Foi o único a transmitir para o Brasil a final da Copa de 1954, na Suíça. Era torcedor do Grêmio e do Botafogo, que decretou luto oficial de três dias. Que carreira! Que bela história a do casamento com Daisy Lúcidi – por quem se interessou quando ela era atriz de rádio, e ele, ouvinte.
A capinha que ilustra o post é a da biografia “Minha Gente – Luiz Mendes – O Mestre da Crônica Esportiva do Brasil”, de Ana Maria Pires (editora 7 Letras/Fuperf). Dica do colecionador Domingos D´Angelo, que listou quatro livros escritos por Luiz Mendes: Continuar lendo “Luiz Mendes, o comentarista da palavra fácil”

Gols Históricos do Fluminense

Publicado em dezembro de 2010
Um CD que não contém solos de guitarra ou refrões. Mas um monte de gol, golaço, aço, aço, aço, golão, golão, golão. Que lindo! Goool legalll! Marcados por ídolos como Rivellino, Conca, Romerito, Romário, Edinho, Doval, Renato Gaúcho, Fred, Washington Coração Valente, Assis, Mickey, Thiago Neves… Narrados por Waldir Amaral, Jorge Curi, Edson Mauro, Evaldo José, José Carlos Araújo – e referendados por Mário Vianna, comentarista de arbitragem. Com este post sobre o CD 30 Gols Históricos do Tricolor, fecho a série sobre a coleção lançada em bancas pela rádio Globo do Rio no 1º trimestre de 2010, com narrações de gols dos 4 maiores do futebol carioca. Portanto, antes da vitoriosa campanha do Fluminense no Brasileirão.
Mas o CD do tricolor tem as narrações de outras três conquistas nacionais. Se o argentino Conca foi o grande craque de 2010, no Brasileirão de 1984 o ídolo era o paraguaio Romerito (ex-Cosmos) – autor do gol do título (narração: Edson Mauro), no primeiro jogo da final contra o Vasco, Maracanã tomado por mais de 63 mil pagantes. Na segunda e última partida, 0x0, diante de 130 mil no Maraca. Romerito e o técnico Parreira chegaram durante o certame. Para o treinador, no entanto, o jogo mais perfeito taticamente do Flu 84 foi a vitória sobre o forte Corinthians de Sócrates, Zenon, Wladimir e Casagrande: 2×0 na partida de ida da semifinal, no Morumbi. “A exibição do Fluminense foi um primor” (Parreira ao Estadão, 5/12/2010 ). Os gols são narrados por Jorge Curi (o de Assis) e Edson Mauro (o de Tato). Continuar lendo “Gols Históricos do Fluminense”

“Fique de Olho no Apito”

Lembrei-me do som e letra de “Camisa Molhada” (a melô do “Fique de Olho no Apito”, clássico da MPB sobre futebol de Carlinhos Vergueiro e Toquinho, que era usada nas transmissões esportivas  da rádio Globo-SP) depois desse Brasil 3×1 Costa do Marfim. Juiz (fraco, fraco) deixando o pau cantar no gramado do Soccer City, não tirando de campo os marfinenses que deram entrada violentíssimas, e amarelando Kaká, que caiu na provocação dos “elefantes”. Isso, pra ficar no campo disciplinar. O 2º gol do Luís Fabiano (golão, embora com ajuda da “mano de Dios”) soma-se aos outros lances polêmicos do Mundial 2010. Fique de olho no apito, pra variar.

A repercussão da vitória brasileira lá fora:

Olé, da Argentina: “Uma mão de Deus”, citando Luís Fabiano.

Marca, da Espanha, manchetou: “Brasil convence e já está nas oitavas. Dobradinha de Luís Fabiano e expulsão rigorosa de Kaká”.

Four Four Two, da Inglaterra: “Kaká expulso, mas o Brasil marcha”.

BBC.com: “Brasil avança à fase de mata-mata da Copa do Mundo com uma performance eficiente em vez de efervescente diante de uma limitada Costa do Marfim

Tuttosport, da Itália: “Brasil vence e voa às oitavas“.

Gazzetta Dello Sport: “Brasil é quase Fabuloso, Drogba se rende. Kaká leva cartão vermelho”.

***** A clássica “Camisa Molhada (Fique de Olho no Apito)” está no CD “Contra-Ataque – Samba e Futebol”, de Carlinhos Vergueiro, ao lado de outras músicas sobre futebol.

LINKS:
Site de Carlinhos Vergueiro.
Página do músico no MySpace.
Qual é sua música favorita sobre futebol? Opine aqui.

“30 Gols Históricos do Glorioso”

Publicado em abril de 2010
Na coleção de CDs da rádio Globo do Rio com gols históricos dos 4 maiores times cariocas, o disquinho do Botafogo começa com um gol de Amarildo no Rio-São Paulo 62 e vai até um de Loco Abreu contra o Vasco já no Estadual de 2010, de Waldir Amaral a José Carlos Araújo. E também tem gols importantes em clássicos contra o Flamengo. Waldir Amaral narra o 2º gol de Garrincha, “o demônio da Copa”, 3º do Bota na final do Estadual de 62. Bicampeão. Na voz do mesmo locutor, aparecem gols de Gérson e Roberto nos 4×2 da final da Taça Guanabara de 68. De novo, Bota bicampeão. O CD da 1220 khz também reapresenta o gol de Jairzinho, “camisa número 10”, no 6×0 contra Flamengo, no Brasileirão de 72 (com direito a Mário Vianna Vianna berrando “gooool legal”). E ainda mais importante, o tento de Maurício contra o Fla na final do Estadual de 89, na voz de José Carlos Araújo. 1×0. O Botafogo era campeão depois de 21 anos. Ouça um teaser da coleção de CDs da Globo Rio aqui.