Johan Cruyff. Camisa #14 do time dos sonhos de todos os tempos.

Johan Cruyff. Camisa #14 do time dos sonhos de todos os tempos.

Imagem destacada (acima): https://www.worldofjohancruyff.com/

Morreu Johan Cruyff, 68 anos de rebeldia e revolução. O franzino “El Flaco” tinha forte personalidade, a ponto de tirar uma das listras das mangas do belo uniforme cor de laranja porque o seu patrocinador não era o mesmo da seleção holandesa, que liderou na campanha do vice-campeonato mundial, em 1974, na Alemanha. Eram os tempos do Futebol Total – sua Laranja Mecânica, o Carrossel Holandês, deu um banho nas maiores seleções sul-americanas naquele Mundial.  No Ajax, já tinha sido campeão de tudo – seis vezes campeão holandês, quatro da Copa da Holanda, tricampeão europeu, campeão do mundo (Copa Intercontinental, em 1972).  No Barça, virou o holandês voador por causa deste gol aqui. contra o Atlético de Madrid, e o gigante azul e grená voltou a ser campeão espanhol depois de 14 anos! Jogou também nos EUA (LA Aztecs, Washington Diplomats), no Levante, de Valência, pertinho da Catalunha, e voltou a ser campeão holandês no Ajax e no rival Feyenoord. Retornou ao Camp Nou como técnico, tetracampeão espanhol, e pela primeira vez o Barça foi campeão europeu com o Dream Team treinado por Cruyff. Seu estilo de jogo está no DNA do Barça pra sempre. 

Pra sempre, Cruyff vai ser o camisa 14, titular do time dos sonhos de todos os tempos.

A trajetória de “El Flaco” é brilhantemente contada numa animação do canal Campeones, na série Draw My Life.

Continuar lendo “Johan Cruyff. Camisa #14 do time dos sonhos de todos os tempos.”

735239_961958323841317_6107978223815503607_n
Imagens – https://www.facebook.com/nycosmos/

O Cosmos, atual campeão da NASL, divisão do “soccer” logo abaixo da MLS, está com nova fornecedora de material esportivo. A Under Armour apresentou os novos uniformes do time de Nova York esta semana.

A camisa 1 do ex-time de Pelé na terra do Tio Sam é a branca.9874_961985167171966_3760757458813747534_n
Continuar lendo “Novas camisas do New York Cosmos, agora feitas pela Under Armour.”

O campeão voltou… nos EUA: o New York Cosmos venceu o Soccer Bowl 2013.

999404_589027374467749_2070910192_n
https://www.facebook.com/nycosmos

A nova versão do New York Cosmos conquistou o Soccer Bowl da NASL, a North American Soccer League. Na decisão, o NY Cosmos, melhor do outono, derrotou os campeões da primavera, os Silverbacks, em Atlanta: 1×0, gol de Marcos Senna. Na versão anterior (e mais galática) da NASL, o time de Nova York ganhou a liga em 1972, 77 (com Pelé), 78, 80 e 82.

A principal liga do ‘soccer’, a MLS, já tem o Red Bulls e em 2015 vai ter o NYCFC (parceria dos Yankees do beiselbol com o Manchester City). Como fã do ‘soccer’ do final dos anos 70 e súdito do Rei Pelé, espero que o novo Cosmos tenha oportunidade de chegar lá.

O New York Cosmos tem um projeto para construir um estádio para 25 mil pessoas na região de Elmont, entre o Queens e Hempstead. Continuar lendo “O campeão voltou… nos EUA: o New York Cosmos venceu o Soccer Bowl 2013.”

O Cosmos voltou!

284201_222717177765439_2035141_a
O mítico New York Cosmos (segundo e último time da carreira de Pelé, nos anos 70) está de volta ao futebol profissional, depois de 29 anos de ausência. A liga é a mesma em que o NY Cosmos ganhou cinco títulos entre 1972 e 1982, a NASL, North American Soccer League, embora hoje a Major League Soccer (MLS) seja a principal divisão do “nosso” futebol na terra do Tio Sam.  A reestreia é neste sábado, 3 de agosto, 7 da noite na costa leste (8 em BSB), contra os velhos conhecidos do Fort Laurderdale Strikers (vice-campeões em 1980 diante do Cosmos), no James M. Shuart Stadium, estádio da universidade Hofstra, em Hempstead, a leste de Manhattan. Tem capacidade para cerca de 15 mil torcedores. O Cosmos jogou nesse estádio nos anos 70, antes de usar o Giants Stadium.

ezthumb
http://www.nasl.com/

Tente ver o clássico da NASL aqui neste link.

A última partida entre NYC e FTL foi em 8/5/83, no Giants. Cosmos 3×2. Dois gols de Chinaglia, que era desafeto de Pelé, como mostra o excelente documentário “O Mundo a Seus Pés – A Extraordinária História do New York Cosmos – que já foi tema de post anterior. O Cosmos era uma espécie de Real Madrid dos anos 70, com um monte de galáticos.

O Cosmos pretende um dia disputar a Major League Soccer. Mas a criação do New York City FC, joint-venture entre o Manchester City e o time de beisebol New York Yankees, pode dificultar o sonho. O objetivo do NYCFC é entrar na MLS em 2015. Na região de N.York/New Jersey, a MLS já conta com o NY Red Bulls.   Continuar lendo “O Cosmos voltou!”

Quase um pênalti

A incrível chance de gol perdida pelo vascaíno Diego Souza, na segunda partida das quartas da Libertadores contra o Corinthians, me fez lembrar da maneira como eram decididas as partidas da North American Soccer League(NASL) nos “dancing days” do “soccer” nos Estados Unidos – e não só as finais, como o Soccer Bowl, mas outras partidas que terminavam empatadas. Os “shootouts”. Não eram pênaltis. Mas lances em que o cobrador partia com a bola de uma linha entre a grande área e o meio de campo e tinha cinco segundos para chutar. O goleiro podia não só se mexer como sair. É uma “licença poética”, claro, as situações são diferentes, no lance do Diego Souza a bola estava em jogo, com todo o peso dramático de um mata-mata da Libertadores, essa obsessão brasileira. Mas ver o vídeo abaixo (de uma decisão por “shootouts”) entre o galático NY Cosmos e os Washington Diplomats e analisar a dificuldade enfrentada por craques como o “capita” Carlos Alberto Torres e o paraguaio Romerito (que ainda seria ídolo do Fluminense) pode fazer a gente pensar se os torcedores mais irados do Vasco e demais secadores devem responsabilizar Diego Souza pela eliminação.


Os goleiros quase sempre levavam a melhor, pelos vídeos que pesquisei. Era super difícil converter o “shootout”! Não deixa de ser uma maneira interessante de decidir uma final empatada, apesar do baixo score. Curioso, porque pra as plateias americanas, mais acostumadas com basquete, NFL, beisebol, certamente um placar elevado seria mais atraente. Mas os estádios lotavam.
Que estilo do Romerito para bater, hein? Nem isso adiantou. E que catimbeiro o goleiro Irwin, dos Diplomats, hein? Waldir Perez perde… Continuar lendo “Quase um pênalti”

Giorgio Chinaglia, artilheiro da Lazio e do NY Cosmos

Chinaglia - http://www.NYCosmos.com

Quem tem idade para acompanhar pelas transmissões da antiga TV Tupi o final da campeoníssima carreira de Pelé, com as belas camisas do NY Cosmos, deve se lembrar do camisa 9 daquele galático time de “soccer”, o centroavante italiano Giorgio Chinaglia. Marcava gols à beça! Foi o maior artilheiro da história do Cosmos. O que só descobri recentemente, vendo o documentário “O Mundo a Seus Pés – A Extraordinária História do New York Cosmos“, é que o brasileiro e o italiano não se davam exatamente bem. Mas hoje é dia de saber um pouco mais sobre Chinaglia, que morreu neste domingo, de ataque cardíaco, na Flórida.  Continuar lendo “Giorgio Chinaglia, artilheiro da Lazio e do NY Cosmos”

NY Cosmos

Vi no GloboEsporte.com a notícia da volta do New York Cosmos, onde Pelé encerrou a carreira em 1977 – o anúncio foi feito neste domingo pelo próprio Rei (presidente de honra do time), ao lado de Carlos Alberto Torres (o capita da seleção de 1970 jogou com o Pelé no galático escrete nova-iorquino, como Beckenbauer). Quem torce pela popularização do soccer, o nosso futebol nos EUA, e quem acompanhou pela TV Tupi a trajetória do Cosmos na era Pelé da NASL (na época,o nome da liga americana de soccer) sempre sonhou com essa volta. Pelo que li, a primeira meta  é a formação de jogadores, na Cosmos Academy, em parceria com o BW Gottschee, clube do bairro do Queens. O texto do anúncio deixa claro que, no entanto, o objetivo maior é voltar à divisão principal do soccer – a MLS. A questão é se o Cosmos vai conseguir cavar seu espaço na metrópole que tem o NY Red Bulls, arena novinha, que já trouxe Thierry Henry para atuar com Juan Pablo Angel e acaba de contratar o mexicano Rafa Marquez (do Barcelona), que vai jogar com a camisa 4. Será que tem lugar pra todo mundo? Com certeza, os nomes de Pelé e do Cosmos abrirão portas.
Cosmos parte 2Aproveito para lembrar alguns textos sobre o ex-time americano de Pelé no blog. Há um filme bem interessante, O Mundo a Seus Pés, que documenta a Extraordinária História do New York Cosmos. Eu não sabia que o atacante italiano Chinaglia se dava mal com o Rei do Futebol!
A autobiografia ricamente ilustrada de Pelé, Minha Vida em Imagens, tem farto material iconográfico como fotos, flâmulas, jornais, programas, bilhetes etc da passagem do King of Soccer por Nova York. Também faz sucesso de público no blog a foto da camisa da despedida de Pelé, Cosmos x Santos, que pertence ao colecionador Paulo Gini.
Há um canal do Cosmos no You Tube com 4 vídeos (entre eles, o desse jogo do adeus).
Site oficial: www.nycosmos.com