“Barba, Cabelo & Bigode”: 24 de janeiro, 13h30, Canal Brasil.

“Barba, Cabelo & Bigode”: 24 de janeiro, 13h30, Canal Brasil.

Afonsinho, Paulo César Caju e Nei Conceição começaram as suas carreiras em meados dos anos 1960, num momento histórico de forte repressão política no país. Originalmente na condição de companheiros de uma consagrada geração de craques do Botafogo, não abriram mão da liberdade, justo quando a ditadura militar decidiu convocar a si própria para também entrar em campo. “Barba, Cabelo & Bigode”, vencedor da Taça CineFoot no Rio, abriu a edição paulista do festival Cinefoot 2016 e passa no Canal Brasil nesta terça, 24 de janeiro, 13h30, no Canal Brasil.

14991391_1460011347377255_7275535782103572982_o
BARBA, CABELO & BIGODE. O filme de Lucio Branco abre o Cinefoot 2016 em Sampa, nesta terça, 20h, auditório do Museu do Futebol.

Deixa falar! Como pede o clássico samba de Nelson Petersen eternizado por Carmen Miranda, o documentário “Barba, Cabelo & Bigode”, de Lucio Branco, deixa Afonsinho, Paulo César Caju e Nei Conceição falarem à vontade. Deixa o trio falar e também deixa jogar… em preciosas imagens de arquivo, muitas fotos e até batendo uma bola.  Eram anos gloriosos para o Botafogo, embora Afonsinho e Caju nem sempre tenham sido tratados como deveriam pelo clube. Acabaram saindo.

O filme de Lucio Branco é mais uma produção a demonstrar a amorosa relação entre música e futebol. Por exemplo, ficamos sabendo da paixão de Paulo César Caju pela música negra e pelo discos – chegou a ter mais de 2 mil LPs de vinil. Tem Gilberto Gil e sua “Meio de Campo”, em forma de carta a Afonsinho… Bob Marley louco para jogar bola com os craques brasileiros… e os Novos Baianos que jogaram muitas peladas ao lado de Afonsinho e Nei Conceição. Inclusive o Moraes Moreira se define como uma mistura de Dario (Dadá Maravilha, Dadá Peito de Aço) e Roberto Dinamite !!! Veja o trailer:  Continuar lendo ““Barba, Cabelo & Bigode”: 24 de janeiro, 13h30, Canal Brasil.”

Cento e vinte e uma vezes Flamengo

O Flamengo faz aniversário em 15 de novembro. Em 2016, o rubro-negro está completando 121 anos de praia. O Fla é um dos clubes mais cantados pelo timaço da MPB FC, juntamente como o Corinthians, como já mostraram pesquisadores como Beto Xavier. São centenas de canções sobre o clube, jogadores, torcida. Em mensagem pro blog, o pesquisador Paulo Tinoco fala em 550 músicas, incluindo regravações. Separamos quatro discos de nossa coleção que fazem homenagens ao mais querido.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continuar lendo “Cento e vinte e uma vezes Flamengo”

#Futebol no País da #Música. Leia o livro e curta o blog do Beto Xavier, agora em novo endereço.

#Futebol no País da #Música. Leia o livro e curta o blog do Beto Xavier, agora em novo endereço.

O vizinho de blogosfera está em novo endereço. “Futebol no País da Música”, blog do jornalista e radialista Beto Xavier, autor do livro de mesmo nome: clique em http://brazilianmusik.blogspot.com.br/.  beto xavier

O pesquisador da ligação afetiva entre a bola e a música tem também uma paixão pelo futebol internacional, em especial pela seleção holandesa e pelo campeonato alemão. E a Bundesliga – que começa nesta sexta-feira – é o tema do segundo post do brazilianmusik.blogspot.com.br, depois do relato entusiasmado sobre a “manita” que o Grêmio deu no rival, no histórico Gre-Nal 407. Beto Xavier destaca os quatro brasileiros que já foram artilheiros da liga cada vez mais rica. Amoroso, Elber, Aílton e Grafite – pelo Borussia Dortmund, Bayern, Werder Bremen e Wolfsburg, respectivamente (Grafite acaba de voltar ao futebol brasileiro, reestreando no Santa Cruz).

Vale a pena acompanhar o blog de Beto Xavier:  “Futebol no País da Música”.

http://brazilianmusik.blogspot.com.br/
http://brazilianmusik.blogspot.com.br/

Dentro do post, a entrevista que Beto Xavier deu aqui pro Fut Pop Clube na época do lançamento do livro, “Futebol no País da Música”, em 2009. Continuar lendo “#Futebol no País da #Música. Leia o livro e curta o blog do Beto Xavier, agora em novo endereço.”

Hino do Bahia #trieletrizado

Armandinho

… Vamos conquistar mais um tento… Bahêa, Bahêa, Bahêa!

É o jeito como a torcida do tricolor de aço canta o hino do Bahia, de autoria de Adroaldo Ribeiro Costa.
Arrasa-quarteirão que abre este LP, o terceiro disco do trio elétrico Armandinho, Dodô & Osmar, lançado em 1977, um achado recente em vinil num sebo de Pinheiros, em São Paulo (saca o filme “Durval Discos”? É por ali…).

Armandinho, filho de Osmar, criador dos trios elétricos com Dodô, é Bahia, como Moraes Moreira, que canta, compõe e também toca guitarra no disco.

Que delícia de som dessa guitarrinha baiana!Ainda tem clássicos do frevo de Jabob Bittencourt, Nelson Ferreira, Levino Ferreira…  Continuar lendo “Hino do Bahia #trieletrizado”

“Sangue, Swingue e Cintura” / “Milagre da Alegria”

Moraes
“Sangue, Swingue e Cintura” / “Milagre da Alegria” são os lados A e B de um compacto de vinil, que o flamenguista Moraes Moreira lançou pouco antes da Copa de 1982, pela gravadora Ariola. “Sangue, Swingue e Cintura” fala da seleção de Telê, o “fio de esperança”, canta os craques Zico e Sócrates (“só craque doutor!”), lembra de Pelé e Garrincha. A canção citada em livros como o do Beto Xavier e do Marcelo Mora é uma das muitas de Moraes sobre futebol – confira comigo no replay como foi o show Jogando por Música, feito muito por conta do Mundial de 2010. Continuar lendo ““Sangue, Swingue e Cintura” / “Milagre da Alegria””

Coluna de Música | J.R. Lima


Quando você gosta de uma banda, de um cantor, de um músico, é mais ou menos como a relação com o time de coração: você não vai a um jogo só do seu time e se conforma. Você quer ir ao máximo de jogos. O Moraes Moreira virou esse tipo de músico pra mim. Tem show, tá na área? Quero ver!
O desta noite foi um maravilhoso concerto como convidado da Jazz Sinfônica, que faz a série “Jazz +”, no Auditório Ibirapuera.
No começo do programa, três músicas só com a orquestra, valorizando a ‘prata da casa’ -ou seja, um músico da Jazz Sinfônica compõe, faz o arranjo ou o solo. Depois de “Festa em Nevoeiro”, de Rodrigo Morte, a Jazz tocou “Choro Negro”, de Paulinho da Viola, num arranjo de Nelson Ayres, como solo de flauta (Cássia Carrascoza) e clarinete (Michael Moraes). E um medley de “Lamento Sertanejo” (Gil/Dominguinhos)…

Ver o post original 250 mais palavras