O filme sobre Nilton Santos, “Ídolo”, em cartaz no Now, iTunes e Google Play.

Por falar em Alzheimer, o da poltrona já pode ver em casa o sensível documentário de Ricardo Calvet que acompanhou Nilton Santos já no fim da vida. “Ídolo” pode ser alugado no Google Play, iTunes e Now – dica do Antônio Leal, do festival CINEfoot.

O filme "Ídolo" já pode ser visto na sua casa.
O filme “Ídolo” já pode ser visto na sua casa.

Com precioso arquivo, incluindo narrações de rádio, “Ídolo” conta a carreira do craque conhecido como Enciclopédia do Futebol tanto no Botafogo como na Seleção (da reserva na Copa de 50 ao bicampeonato mundial em 58 e 62, passando pela Batalha de Berna, contra a Hungria, em 1954. A equipe de Calvet acompanhou Nilton Santos na clínica onde estava internado, o documentário tem ainda depoimentos de Zico, Junior, Evaristo de Macedo, Zagallo, Amarildo, Carlos Alberto Torres, PVC, Luiz Mendes, Just Fontaine, Dino Sani, Mengálvio, Coutinho, Pepe, Gerson e da jornalista Sandra Moreyra, que era botafoguense como o pai, Sandro, amigo de Nilton Santos e de Garrincha. Continuar lendo “O filme sobre Nilton Santos, “Ídolo”, em cartaz no Now, iTunes e Google Play.”

Uma homenagem ao ataque dos sonhos do Santos

noticia29266_041013_124902
Capa do livro “Santos Futebol Clube x O Mundo”, de José Roberto Brandi dos Santos: a trajetória internacional”

Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe. No sábado 12 de outubro, o ataque dos sonhos do Santos vai ser o tema da 50ª reunião do Memofut, grupo que discute a literatura e a memória do futebol. O encontro é aberto ao público em geral, a partir de 8h30, no auditório do Museu do Futebol, à esquerda da entrada do Pacaembu.
Duas estrelas desse ataque de sonhos foram convidadas pelo Memofut para participar do bate-papo, às 9h: o ponta-direita Dorval e o goleador Coutinho.
Às 11h30, o economista Humberto Mariano, torcedor do Santos e cronista, faz a apresentação sobre os números do quinteto mágico.
ÀS 12h10, o administrador de empresas José Roberto Brandi dos Santos, que é conselheiro do Peixe, bate papo sobre o livro que acaba de lançar: “Santos Futebol Clube x O Mundo“, sobre a trajetória internacional do alvinegro praiano. A coleção do Brandi dos Santos sobre o time de coração (e sobrenome!) tem mais  de 3.000 itens.

Como o encontro é aberto ao público e grátis, torcedores santistas e do jogo bonito devem chegar com certa antecedência.

50 anos da primeira Libertadores do Santos

image

Há 50 anos, o Santos venceu a terceira partida contra o bicampeão Peñarol (3×0, no Monumental de Nuñez, em B.Aires) e conquistou sua primeira Libertadores. A foto acima mostra um dos espaços do Memorial das Conquistas do Peixe dedicado aos anos de ouro. No site do Santos, acompanhe a campanha campeã. Continuar lendo “50 anos da primeira Libertadores do Santos”

O frevo do bi (final). Há 50 anos, o “primeiro-ministro” Mauro Ramos erguia a Taça Jules Rimet.

“Não há, em toda a história das Copas, uma equipe tão bicampeã como aquela nossa. Tão gloriosa. E provo o que digo, Porque a Itália, bi em 1934 e 1938, repetiu apenas dois jogadores. Já o Brasil foi praticamente o mesmo”. Didi, bicampeão em 1958 e 1962, no livro “Didi – O Gênio da Folha-Seca”, de Péris Ribeiro.

A seleção brasileira foi bicampeã do mundo em 17 de junho de 1962 com 8 titulares da final de 1958 (“O Ano em que o Mundo Descobriu o Brasil”, belo documentário). As novidades eram: Amarildo, o “Possesso”, que substituiu Pelé a partir da terceira partida, contra a Espanha. Zózimo, reserva do zagueiro Orlando na Suécia. E seu companheiro de zaga, Mauro Ramos, reserva do capitão Bellini quatro anos antes, em 1962 virou titular na marra – e capitão do time.
Capitão, nada, primeiro-ministro, como Carlos Drummond “propôs” na deliciosa crônica “Seleção de Ouro”, publicada no extinto jornal carioca “Correio da Manhã”, em 20 de junho de 1962 (três dias depois do bicampeonato), um dos gols de letra compilados por dois netos do poeta no livro “Quando É Dia de Futebol”, editado em 2002 pela Record. Drummond também “escalou” o “velhinho sabido” Nilton Santos (o craque “enciclopédia do futebol tinha 37 anos em 1962) no ministério da Justiça. Na Fazenda, Gylmar (“defendeu a meta como o Tesouro”, justificou CDA). Carlos Drummond de Andrade definiu Zagallo como “ministro para várias pastas… dada a sua capacidade de estar em todas”. Para Garrincha, Drummond lembrou o ministério da Aeronáutica, “pois com suas fintas, dribles e arrancadas impossíveis, atravessar o mundo campo entupido de adversários é o mesmo que voar em céu desimpedido, qual passarinho”. Gol como os de Pelé, Drummond!

Brasil 3 x 1 Tchecoslováquia
Estádio Nacional – Santiago,  Chile, 17/06/1962
Público: 69.000 pessoas
Brasil – Gylmar, Djalma Santos, Mauro Ramos, Zózimo e Nilton Santos; Zito, Didi e Zagallo; Garrincha, Vavá e Amarildo.
Tchecoslováquia – Schroiff, Tichy, Popluhar, Pluskal e Novak; Masopust e Pospichal; Scherer, Kvasnak, Kadabra e Jelinek.
Gols: Masopust abriu o placar para os tcheco-eslovacos; Amarildo empatou para o Brasil logo depois; no segundo tempo, o volante Zito subiu, literalmente, e marcou de cabeça; Vavá aproveitou a bobeada de Schroiff para definir a volta olímpica.
Dentro do post, a numeração dos 22 bicampeões do mundo e o clube que defendiam em 1962.  Continuar lendo “O frevo do bi (final). Há 50 anos, o “primeiro-ministro” Mauro Ramos erguia a Taça Jules Rimet.”

A Década de Ouro do Peixe

Publicado em 14 de junho de 2011
Uma dica para quem devora tudo sobre o Santos. A Década de Ouro é um livro repleto de dados sobre os anos 60, em que o Santos foi campeão e  bicampeão de tudo – em alguns casos, até pentacampeão… Pudera: seu autor, Guilherme Gomez Guarche, é coordenador do Centro de Memória e Estatística do Santos Futebol Clube. Está lá a campanha da Libertadores de 62, decidida contra o Peñarol. Estão no livro de Guilherme Guarche os detalhes da confusa segunda partida da final, na Vila Belmiro. O Santos empatou, o que já lhe daria a taça, deu volta olímpica, no dia seguinte os jornais abriram manchete… mas o juiz botou na súmula que  tinha encerrado o jogo por falta de segurança quando o Peñarol vencia por 3×2… Continuar lendo “A Década de Ouro do Peixe”