Os “Belos Sonhos” de um torcedor do Torino.

Os “Belos Sonhos” de um torcedor do Torino.


Mãe e filho de 9 anos dançam um twist animadamente. A linda relação mãe e filho vai terminar bruscamente. Por quê, Deus? Por quê, pai? Massimo vai passar a vida em busca de respostas. É a história real do jornalista italiano Massimo Gramellini, torcedor do Torino por influência do pai. Não sei se é o melhor filme para ver no período de Festas (estreou às vésperas do Natal”), mas “Belos Sonhos”, dirigido por Marco Bellocchio (“Diabo no Corpo”, “Vincere”, “Bom Dia, Noite”) é, sim, um belo filme. Vi durante a Mostra de Cinema de São Paulo (2016) e quero rever.

Poster italiano de "Belos Sonhos". Classificação: 14 anos.
Poster italiano de “Belos Sonhos”. Classificação: 14 anos.

Os filmes de Bellocchio (homenageado na Mostra 2016) são assim, cheios de questões psicológicas, por cento valem ver e rever. Este aqui (que abriu a Quinzena de Realizadores em Cannes 2016) ainda tem cenas de paixão pelo futebol, especialmente relativas ao Torino, time de Massimo Gramellini, autor do livro que inspirou “Belos Sonhos” – morou ao lado do estádio Comunale e inclusive há uma cena de reencontro entre pai e filho durante uma homenagem às vitimas à tragédia de Superga, que dizimou o Grande Torino.

Dentro do post, sinopse, ficha e uma cena de futebol de “Belos Sonhos”. Quem souber em que estádio foi filmada essa cena, pode deixar comentário no post. Não acredito que seja o Comunale, de Turim, que hoje tem cobertura.
Continuar lendo “Os “Belos Sonhos” de um torcedor do Torino.”

Bola na tela: “Meninos de Kichute’.

Bola na tela: “Meninos de Kichute’.


Raro longa-metragem de ficção nacional sobre futebol. O filme de Luca Amberg inspirado no livro de mesmo nome de Márcio Américo se passa nos anos do “Eu te amo meu Brasil” e parece até feito nos anos 70, de tão cuidada a reconstituição de época. Quem está na faixa dos 40 anos vai se lembrar dos tempos de aulas de Moral e Cívica, álbuns de figurinhas, revistas de mulher pelada, Magiclik, carros Brasília, Kharman Ghia, Dodge Dart, Canal 100, sonorizado com a versão instrumental de ”Na Cadência do Samba (Que Bonito É)”, e claro, a chuteira Kichute do título – e antes que alguém identifique a primeira música do trailer e do filme com o ufanismo do “Brasil gigante”, noto que é possível identificar no papel do pai o Estado violento, repressor e mentiroso. Ótimos diálogos, ótimas atuações (especialmente de Werner Schünemann, Vivianne Pasmanter, Arlete Salles e o protagonista Lucas Alexandre, bem dirigido como todo o elenco “juvenil), boa trilha sonora da época, a cargo de Netinho, dos Incríveis: Casa das Máquinas, Secos e Molhados, Sergio Sampaio, Os Incríveis.

É certamente um dos nossos melhores filmes sobre futebol – e sobre amizade e descobertas. Uma espécie de “Conta Comigo” brasileiro. Prêmio: melhor filme do júri popular na 34ª Mostra de Cinema de São Paulo.

Continuar lendo “Bola na tela: “Meninos de Kichute’.”

Em cartaz: “Noite de Verão em Barcelona”.

Outubro de 2016

14570592_1226283970761321_255470170006869469_o
Poster brasileiro de “Noite de Verão em Barcelona” -Pandora Filmes

De uma noite para um dia de agosto de 2013, o cometa Rose atravessou o céu de Barcelona. O filme de estreia de Dani de Orden conta seis histórias de amor paralelas, com capítulos decisivos naquela noite de espera. E o que esse drama romântico está fazendo num blog sobre futebol, noves fora a paixão do blogueiro pela capital da Catalunha?

Numa das seis histórias, o par romântico é formado por  dois jogadores de futebol. Jordi e Marc, personagens fictícios, jogam no Sabadell, tradicional clube catalão que hoje disputa o grupo 3 da Segunda B, terceira divisão do futebol espanhol (no momento, está em oitavo no grupo 3, que inclui times da Catalunha e Aragão). Jordi é contratado pelo Barça e… e mais não posso contar, para não ser spoiler do filme “Noite de Verão em Barcelona”, que estreou em 13 de outubro em S.Paulo (cine Caixa Belas Artes). Em todo caso, já deu pra perceber que o roteiro toca num dos maiores tabus do futebol.

Mas que belo estádio e bela camisa tem o Sabadell!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continuar lendo “Em cartaz: “Noite de Verão em Barcelona”.”

“Oito Sobrenomes Bascos”. #8ApellidosVascos.

A comédia ficou um bom tempo em cartaz no cine Callao, centro de Madri
A comédia ficou um bom tempo em cartaz no cine Callao, centro de Madri

O comediante espanhol Dani Rovira (malagueño e malaguista como Antonio Banderas) estreou no cinema na pele de Rafa Quirós, torcedor de carteirinha do Real Betis (sócio nº  14.430), que tem 3 autógrafos do ídolo bético Gordillo (jogou dos 70 aos 90, foi lateral de seleção da Espanha), a canção “Sevilla Tiene Un Color Especial” (Los del Rio) como som do toque do celular e nunca tinha saído da Andaluzia. Até que conhece a basca Amaia (interpretada pela guapísima Claro Lago (perdão, Rovira). Na vida real, Dani e Clara formam uma “pareja” desde 2014, ano de lançamento de “Ocho Apellidos Vascos”, que bateu um bolão na bilheteria – recorde do cinema do espanhol.

DSC07210 (1)O ‘pegador’ andaluz se apaixona e vai atrás da bela basca, que tinha levado um fora do noivo Antxon- casamento e vestido já preparados – e resiste ao charme andaluz. Mas ela bola um plano pra iludir o pai (show do ator Karra Elejalde), fazendo Rafaz passar por Antxon. Carmen Machi também arrebenta se passando por mãe do falso noivo Antxon-Rafa. Aí que entram os oito “apellidos” (sobrenomes) do título. Alguns relacionados ao esporte. A saber:

  • 543110_358646797590019_999017630_nGabilondo – meio-campo que jogou na Real Sociedad e no Athletic.
  • Urdangarín – ex-jogador de handebol, ídolo do Barça (tem uma camiseta 7 no ginásio do Barça) que se casou com Cristina, filha do rei Juan Carlos, e virou pivô do maior escândalo de corrupção da monarquia
  • Zubizarreta – ex-goleiro do Athletic, Barça, Valencia e seleção espanhola. Foi diretor do Barcelona até pouco.
  • Arguiñano – sobrenome do cozinheiro e apresentador Karlos Arguiñano.
  • Igartiburu – sobrenome da apresentadora Anne Igartiburu.
  • Erentxun – cantor Mikel Erentxun
  • Otegi – sobrenome de um político independentista basco, militante do ETA, que está preso.
  • Clemente. Pressionado, Rafa olha para um poster do Athletic campeão do começo dos anos 80, com o treinador Javier Clemente junto com o elenco, na gabarra.

Jpeg

Outra referência ao futebol é o refrão “Illa, illa, illa, Euskadi maravilla”. Que Rafa improvisa lembrando da musiquinha do atacante David Villa. O Athletic e Betis apoiaram o filme. E com a volta dos béticos à primeira divisão, voltaremos a ver esse confronto em La Liga. Os atores que fazem os chapas de Rafa/Dani Rovira na película são Alberto López (torcedor do Sevilla) e Alfonso Sánchez (que é Betis).
O filme tem direção de Emilio Martínez-Lázaro – de “Las Palabras de Max” (1977), Urso de Ouro em Berlim,  e “El otro lado de la cama” (2002), entre outros. Roteiro: Borja Cobeaga y Diego San José.
Bem que “Ocho Apellidos Bascos” poderia passar por aqui. Claro, é uma comédia que pra arrancar mais risadas requer algum conhecimento da vida na Espanha, das questões regionais, da cultura pop. Mas acredito que teria bom público num festival ou em cinemas como o Caixa Belas Artes e o Reserva Cultural. [já está no Netflix, usando também o título americano, “Spanish Affair”] 

Vai ter uma continuação, “Nueve Apellidos Vascos”. Que vai se chamar… “Ocho Apellidos Catalanes”… estreou lá em novembro.

Dani Rovira (que também faz comédia stand-up e TV) já estreou seu segundo filme, “Ahora o Nunca”. Clara Lago – nova namoradinha da Espanha – também está na fita. Seria bom vê-la como chica Almodóvar. Aliás, todos desse elenco formidável.
Continuar lendo ““Oito Sobrenomes Bascos”. #8ApellidosVascos.”

Entre jogos de futebol de botão e leituras da “Placar” semanal, uma novela e uma trilha sonora inesquecíveis.

Texto publicado na semana do rock na Coluna de Música do Fut Pop Clube

Logotipo criado pela artista Lais Sobral para a Coluna de Música do Fut Pop Clube

“Hei, hei, é o fim/Oh cupido, pra longe de mim”

Você acha que o primeiro festival Hollywood Rock foi o de 1988? Não é bem assim. Está em cartaz no Canal Brasil o filme “Ritmo Alucinante – A Explosão do Rock no Brasil”, do diretor Marcelo França (também conhecido como Marcelo Pietsch França, falecido em 2011). É um documentário sobre um Hollywood Rock que rolou em 1975 no estádio do glorioso Botafogo, que ficava em General Severiano, local hoje dos treinamentos e da sede do clube da estrela solitária e de um shopping. O festival foi organizado pelo produtor Nelson Motta e reuniu grandes nomes do rock nacional, como Raul Seixas, Rita Lee (já com a banda Tutti Frutti, contando com guitarra espetacular de Luiz Carlini), Erasmo Carlos e o broto legal Celly Campello. A cantora era uma das pioneiras do rock´n´roll no Brasil e estouraria de novo na onda de uma inesquecível novela das 7: “Estúpido Cupido” (Rede Globo, 1976-77; a última em preto e branco, embora os 2 últimos capítulos tenham sido coloridos),  escrita pelo dramaturgo linense/palmeirense Mário Prata e dirigida por Régis Cardoso – trama e músicas deixaram muita saudade.  Na trilha, Celly Campello cantava o tema de abertura e outra deliciosa versão, “Banho de Lua”. O site Memória Globo informa que a trilha de “Estúpido Cupido” vendeu um milhão de LPs. A fita K7 (!!!) com a trilha nacional foi uma das primeiras coisas que este colunista comprou na vida, junto com jogos de futebol de botão, edições da revista “Placar” (então semanal) e camisas de times. Continuar lendo “Entre jogos de futebol de botão e leituras da “Placar” semanal, uma novela e uma trilha sonora inesquecíveis.”

Já viu “Meia-Noite em Paris”?

Filme saboroso, divertido, criativo do Woody Allen, de volta à boa forma. Recomendo altamente Meia-Noite em Paris(Midnight in Paris, trailer no site oficial). Lembra algo de A Rosa Púrpura do Cairo. O Owen Wilson está muito bem naquele papel que o Woody Allen gostava de interpretar, do intelectual atrapalhado, às voltas com problemas no relacionamento.
Inspirado em conversas de bar depois do filme, resolvi fazer um post em que proponho uma interação ao leitor. Se você pudesse voltar no tempo, que time/jogador/competição/década do futebol gostaria de ver, de testemunhar?
Eu começo!
Continuar lendo “Já viu “Meia-Noite em Paris”?”

Cinema e Futebol


A estreia na TV por assinatura do emocionante curta-metragem Juventus Rumo a Tóquio” abre as cortinas de mais uma semana da Mostra Cinema e Futebol, do Canal Brasil – um vasto panorama de filmes sobre futebol no país. O curta se passa numa manhã decisiva de domingo na Javari. Passa nesta segunda, 21 de junho, às 18h30, com reprise na terça, 22/6, às 12h30.

Na sequência, dois curtas sobre a torcida do América-RJ: “Unido Vencerás” e “Unido Vencerás II – Uma História Diferente”.

E às 19h09 desta segunda, o Canal Brasil exibe “Heróis de uma Nação”, sobre o Flamengo campeão de tudo (estadual, brasileiro, sul-americano e mundial) entre 1978 e 1981. Esse doc tem duração de 50 minutos e conta com depoimento de protagonistas desses anos rubro-negros, como Paulo César Carpegianni (primeiro, jogador; depois técnico campeão do mundo de clubes). Replay: terça, às 13h08, no mesmo bat canal.

Nesta terça, 22 de junho, a partir das 18h30, o Canal Brasil tem mais uma rodada dupla: “Sobrenatural de Almeida”, curta de Paulo Sérgio Almeida. Em seguida, às 18h42, o documentário “Papão de 54”, sobre o time do Renner, que superou tricolores e colorados no campeonato gaúcho daquele ano. Já ouviu falar de Valdir Joaquim de Moraes, senhor goleiro e depois preparador de arqueiros como Zetti? Ênio Andrade? Ênio seria depois um dos “11 Maiores Técnicos do Futebol Brasileiro“, como conta o livro do Noriega. Ambos jogaram no Grêmio Esportivo Renner, Papão de 54, que deixou muitos órfaos da arquibancada (título de reportagens sobre times extintos, no Globo Esporte). Reprise na quarta, 23/6, a partir de 12h30. Veja que outros filmes já passaram na Mostra.