17/06/1992: o São Paulo conquista sua 1ª Libertadores

O São Paulo disputou 5 Libertadores antes da Taça de 1992. Bateu na trave em 74, como bateria em 94 e 2006. Curiosamente, a campanha do bicampeonato 92/93 começou com uma derrota. Campeão Brasileiro, o Tricolor de Telê Santana foi a Santa Catarina e tomou um 3×0 do campeão da Copa do Brasil, o Criciúma  de Jairo Lenzi e de um treinador chamado… Luiz Felipe Scolari! Lembro-me que quem passou essa partida para SP foi a TV Jovem Pan, que ficava no canal 16 UHF, e tinha como narrador o Milton Leite (hoje no Sportv). Da Bolívia, o São Paulo voltou com um 3×0 sobre o San José de Oruro e um empate com o Bolívar. No Morumbi, devolveu a goleada ao time de Felipão com juros e correção: 4×0. Empatou com o San José e dobrou o Bolívar. Nas oitavas, contra o Nacional, no Uruguai, o São Paulo venceu o jogo, mas perdeu Zetti, expulso. No Morumbi, os zagueiros Antonio Carlos e Ronaldão fizeram 2 gols e o goleiro reserva Alexandre não tomou nenhum (Alexandre morreria em acidente de carro). Nas quartas, de novo o Criciúma pela frente. 1×0 no Morumbi e 1×1 no Heriberto Hulse levaram o Tricolor para a semifinal contra o Barcelona do Equador. 3×0 no Morumbi e 2×0 em Guaiaquil. Aos trancos e barrancos, o São Paulo chegou à final contra o Newell´s Old Boys, da Argentina. Em Rosario, 0x1. Segunda e última partida no Morumbi, há exatos 18 anos, num 17 de junho: tentei ir ao estádio com um amigo, mas sem ingresso, desistimos no caminho totalmente congestionado e acabamos vendo pela TV. Foi o jogo do (imagine Galvão Bueno gritando) “Zetti! Zetti! Zetti” . Muito sofrimento até um pênalti meio mandrake (como foi mandrake o pênalti para o Newell´s, em Rosário), convertido por Raí. Na decisão por pênaltis, baixou o São Waldir Peres pegador de pênaltis em Zetti. Telê acabava de vez com a pecha de pé-frio. São Paulo, enfim, campeão da Libertadores da América! O gramado do Morumbi foi tomado pela festa. Taça levantada pelo capitão Raí, num timaço que ainda tinha Cafu, Palhinha, Muller, Macedo…são paulo ediouro.com.br A noite de 17 de junho de 1992, da segunda e decisiva partida contra Newell´s, é um dos capítulos do livro de Conrado Giacomini para a coleção Camisa 13, da Ediouro: “São Paulo Dentre os Grandes, És o Primeiro”. Todos capítulos do livro destacam um ídolo tricolor. Nesse, Giacomoni escolheu Zetti. Merecido.


Um Brasileirão de livros

o alviverde imponentecapafla400o time da fielgalo ED269

SPFCcamisa13

Última rodada das dicas de livros recomendados pelo colecionador Domingos D´Angelo, criador do MemoFut, grupo que estuda memória e literatura de futebol.
Hoje, só livros sobre clubes de futebol. Muitos são das coleções Camisa 13, da Ediouro, e Ídolos Imortais, da Maquinária.
Com a palavra, Domingos D´Angelo: “Sobre clubes, temos os livros da Editora DBA que ainda consegue se encontrar”.
Corinthians, Paixão e Glória, do jornalista Juca Kfouri.

Palmeiras, a Eterna Academia, do jornalista Alberto Helena Júnior.

São Paulo- Saga de um Campeão, do escritor Ignácio de Loyola Brandão.

Santos, um Time dos Céus, de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta.

“E os dois da Editora Mercado Aberto, do Ruy Carlos Ostermann”.

Até a Pé Nós Iremos – Grêmio

Meu Coração é Vermelho – Sport Club Internacional

“Não se pode esquecer a coleção Camisa 13, inicialmente da DBA e agora da Ediouro. São 12, faltou o do Vasco.”

Corinthians – É preto no branco, de Washington Olivetto e Nirlando Beirão.

Páginas Heróicas-Onde a imagem do Cruzeiro Resplandece, de Jorge Santana.

Bora Bahêeea! – A História do Bahia Contada Por Quem a Viveu, de Bob Fernandes.

Atlético Mineiro – Raça e Amor – 2ª edição, de Ricardo Galuppo, pela Ediouro.

Botafogo – Entre o Céu e o Inferno, do jornalista Sérgio Augusto, pela Ediouro.

Flamengo-O Vermelho e O Negro – 2ª edição do jornalista e escritor Ruy Castro, Ediouro.

FluCamisa13Fluminense – A breve e gloriosa história de uma máquina de jogar bola, do jornalista e produtor musical Nelson Motta.

Grêmio – Nada pode ser maior, de Eduardo Bueno.

Internacional – Autobiografia de uma paixão, de Luis Fernando Veríssimo.

Palmeiras – Um Caso de Amor – 2ª edição, do escritor Mario Prata.

Santos – Dicionário Santista – 2ª edição, de José Roberto Torero, Ediouro.

são paulo ediouro.com.brSão Paulo-Dentre os Grandes És o Primeiro, de Conrado Giacomini [imagine se o Marco Aurélio Cunha escrevesse um livro sobre o tricolor. É mais ou menos por aí].

“Numa mistura de biografias e clubes, temos a coleção recente da editora Maquinaria, Ídolos Imortais”.

Os Dez Mais do Flamengo, de Roberto Sander.

Os Dez Mais do Corinthians, de Celso Unzelte [leia post anterior].

Os Dez Mais do Palmeiras, de Mauro Beting [leia post anterior].

Os Dez Mais do Fluminense, também de Roberto Sander. [leia mais – acaba de sair o volume sobre os craques do Internacional. Vem aí os do São Paulo e do Botafogo]

PentaTri-A história dos cinco tricampeonatos cariocas do Flamengo (leia trecho), de Paschoal Ambrósio Filho, também é da Maquinária.

“Sobre clubes, os dois mais recentes foram escritos pelo Orlando Duarte”.

Corinthians o Time da Fiel, de Orlando Duarte e João Bosco Tureta, pela Companhia Editora Nacional.

Palmeiras – O Alviverde Imponente, de Orlando Duarte, também pela Companhia Editora Nacional.

LEIA MAIS DICAS DE Domingos D´Angelo:

Copa de Livros.

Seleção de livros sobre o escrete canarinho.

Biografias e mais biografias.

O Casamento de Romeu e Julieta

No Brasil, um primo menos boleiro de “Febre de Bola” seria a comédia romântica “O Casamento de Romeu e Julieta”, dirigida pelo Bruno Barreto (2005).  A história do amor de um corintiano por uma donzela palmeirense que tem uma pai que é uma fera… digo, fanático pelo Palestra, meu. O filme é baseado no livro “Palmeiras, um Caso de Amor”, que o Mario Prata escreveu para a coleção Camisa 13, da editora DBA – Dórea Books and Art.

Continuar lendo “O Casamento de Romeu e Julieta”