Entrevista com Juan Rodríguez-Briso, diretor de #Eighteam, atração do #CINEfoot.

11036802_866215093413957_5276178551288061191_nJogos Olímpicos de Seul, 1988. Zâmbia dá de 4 a 0 na seleção da Itália. Três gols de Kalusha Bwalya.

Abril de 1993. Um acidente aéreo no Gabão mata 18 Chipolopolos (balas de cobre) – apelido dos jogadores da seleção de Zâmbia. Bwalya só não morreu porque jogava no PSV Eindhoven e se juntaria à seleção depois.

1090974_542543702557620_3047208807226543228_o
facebook.com/e18hteam/

Copa Africana de Nações, 2012. Dezoito anos e 18 pênaltis depois, Zâmbia enfim conquista o primeiro título africano, no mesmo Gabão do acidente aéreo. A saga pra reerguer a seleção zambiana é o tema de E18team” (Eighteam), segundo filme de Juan Rodríguez-Briso. Uma das boas atrações do festival CINEfoot 2015, em São Paulo. Passa no domingo, às 19h, no Espaço Itaú de Cinema (da Rua Augusta). E disputa a Taça CINEfoot de melhor longa-metragem (confira os selecionados). Por e-mail, o blog Fut Pop Clube conversou com o diretor Juan Rodríguez-Briso sobre os Chipolopolos, cinema e futebol.

  • FUT POP CLUBE – Quando resolveu contar a história da seleção de Zâmbia? Na decisão por pênaltis contra a Costa do Marfim, na final da Copa Africana de Nações de 2012?

Juan Rodriguez-Brizo – Sou muito fã de futebol e geralmente vejo todas as

O diretor Juan Rodríguez-Briso
O diretor Juan Rodríguez-Briso : facebook.com/e18hteam/

grandes competições desse esporte. Estava vendo a final da Copa da África de 2012 na televisão e antes da partida se falava que Zâmbia ia jogar a final na mesma cidade onde ocorreu o acidente. Esse detalhe por si só já era muito chamativo. Mas quando a decisão por pênaltis começou a ser a ser tão estranhamente longa e finalmente foram 18 cobranças, automaticamente lembrei que 18 jogadores tinham falecido no acidente. Talvez tenha sido uma simples coincidência, mas pensei que se todas essas coincidências acontecessem num filme de ficção, as pessoas pensariam que o roteirista estava louco, mas nesse caso era uma história real e tinha que contar.

  • Onde poderia chegar aquela seleção de Zâmbia, não fosse o acidente aéreo Gabão?

Juan Rodríguez – Em geral, as apostas esportivas são uma boa referência para saber as chances de uma equipe. Se Zâmbia ganhasse esse o campeonato, se pagaria 40 por 1. Na final, a vitória de Costa de Marfim pagaria 1,5 a 1 e a de Zâmbia, 7 a 1. Zâmbia não tinha nenhum jogador entre as principais equipes da Europa, ao contrário da Costa do Marfim (Drogba, Yaya Touré, Gervinho). Pelo elenco, Zâmbia no deveria ter passado das quartas de final, mas por sorte demostraram que o futebol é um esporte coletivo e, seguramente, o fato de jogar no mesmo lugar do acidente deu uma motivação, una energia extra, que levou Zâmbia a ser a melhor equipe. Não esqueçamos que, além de ganhar da Costa do Marfim na final, também derrotaram Gana e Senegal, que dizer, ganharam de 3 das 5 melhores equipes da África, em teoria.

Nunca pensei em “Eighteam” como um documentário de futebol, mas como uma história de superação coletiva, do triunfo da força de vontade” – Juan Rodríguez

  • Quais foram as dificuldades para filmar “Eighteam”?

Juan Rodríguez – O mais difícil foi encontrar um patrocinador que ajudasse o projeto. Em Zâmbia, não existe uma grande produção audiovisual profissional e os possíveis patrocinadores que poderiam apoiar não acreditavam que seríamos capazes de realizar esse filme. Por sorte, pude entrar em contato com una produtora local, Ngosa Chungu, que foi minha mão direita lá. Durante o primeiro ano e meio, fizemos tudo de maneira independente. Até o primeiro esboço da “película”, não tivemos nenhuma ajuda. Finalmente, depois deste primeiro copião, conseguimos que a Zambeef, uma grande empresa de Zâmbia, se interessasse pelo documentário e aí conseguimos terminar.

Já estamos trabalhando para que a historia de “Eighteam” vire um filme de ficção. Desde já é uma história muito forte, com um final bem à La Hollywood – Juan Rodríguez-Briso

  • E o momento mais emocionante durante as gravações, qual foi?
  • Juan Rodríguez – As entrevistas com Beauty Lupiya, jornalista zambiana, e Simataa Simaata, ex-diretor da Federação de Futebol de Zâmbia. Ambos tinham muita relação com as pessoas que morreram no acidente. Quando fizemos a entrevista, já tinha passado quase 20 anos do acidente, mas pela maneira de contar como foi, parecia que o acidente tinha sido no dia anterior. Nas duas entrevistas, tivemos que parar porque os dois foram às lágrimas. E eu também, claro.

O Barcelona tem o melhor jogador da Argentina, o do Brasil e o do Uruguai, mais vários campeões do mundo com a Espanha em 2010. Se estivéssemos nos anos 80, seria como ter Maradona, Zico e Francescoli, mais a metade da seleção italiana de 82.

(a entrevista continua dentro do post)
Continuar lendo “Entrevista com Juan Rodríguez-Briso, diretor de #Eighteam, atração do #CINEfoot.”

Eighteam

Kalusha Bwalya jogava no PSV Eindhoven em abril de 1993 quando recebeu uma notícia terrível. A seleção de seu país, Zâmbia, saiu de Lusaka, mas não chegou ao Senegal, onde jogaria pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 1994. O avião caiu no Gabão. Morreram os 30 passageiros e tripulantes – incluindo 18 Chipolopolos (balas de cobre) – apelido dos jogadores da seleção de Zâmbia. E 18 anos depois, a Zâmbia conquistou a Copa Africana de Nações, no mesmo Gabão do acidente aéreo. Na 18ª cobrança de pênaltis, na decisão contra a Costa 11036802_866215093413957_5276178551288061191_ndo Marfim, com Drogba e tudo. Esta saga é o tema de E18team” (Eighteam), segundo filme do jornalista e diretor espanhol Juan Rodríguez-Briso. Uma das boas atrações do festival CINEfoot 2015, em São Paulo. Passa no domingo, 29/11, às 19h, Espaço Itaú de Cinema (da Rua Augusta).

Os 18 formavam uma geração promissora – mesmo assim, tinham que voar num avião militar, da força aérea. Zâmbia tinha vencido a Itália nos Jogos Olímpicos de 1988 por 4 a 0. Três gols de Kalusha Bwalya. O artilheiro sobreviveu porque viajaria direto da Holanda para o local da partida pelas Eliminatórias do Mundial 1994. Viveu para ajudar a reerguer a seleção de Zâmbia, vice-campeã já na Copa Africana de 94. Foi Chuteira de Ouro da edição de 1996, depois treinador da seleção e presidente da federação de Zâmbia. É um dos entrevistados do documentário de Rodríguez-Briso.

Veja o trailer neste link aqui. E cartaz original, dentro do post. Continuar lendo “Eighteam”

OffsideFest. Cinema Fora de Joc.

Este slideshow necessita de JavaScript.


Alguns dos filmes da programação do festival Thinking Football, em Bilbao, também vão passar em março, em Barcelona, no OffsideFest – Cinema Fora de Jogo (12 a 15/03/2015, na antiga fábrica da cervejaria Estrella Damm). Entre eles, o brasileiro “Democracia em Preto e Branco”, E mais:

  • “Eighteam”, sobre a saga pra reerguer a seleção de Zâmbia, depois que um acidente aéreo matou o escrete nacional. 18 anos e 18 cobranças de pênaltis se passaram até Zâmbia conquistar pela primeira vez a Copa Africana (CAN), em 2012.
  • Mundial. The Highest Stakes” é sobre a seleção polonesa, terceira colocada no Mundial de 82, tempos de Smolarek, Boniek e do Lato,
  • Sons of Ben” fala da campanha que os fãs do #soccer fizeram na Filadélfia até a cidade ter uma franquia, um time, na Major League Soccer.
  • “We Must Go” fala do trabalho do técnico americano Bob Bradley num Egito em polvorosa, tentando levar os faraós de volta à Copa.
  • o Offside vai exibir ainda o filme sueco “Vi är bäst andå” (algo como “Isto é Söderstadion”, o nome do estádio que Hammarby teve que abandonar.

Fora de concurso, o festival barcelonês vai passar “Os Rebeldes do Futebol”, partes 1 e a 2 (confira post anterior). Continuar lendo “OffsideFest. Cinema Fora de Joc.”