Loureeeiro Neeeto!

Manoel Fernandes Loureiro, o Loureiro Neto, o português mais brasileiro do rádio (DIVULGAÇÃO Rádio Globo)
Manoel Fernandes Loureiro, Loureiro Neto, o português mais carioca do rádio (FOTO: DIVULGAÇÃO Rádio Globo)

Duas grandes perdas nesta quarta-feira.
Na música espanhola e mundial, Paco de Lucia (mais na Coluna).
No rádio brasileiro, o comunicador Loureiro Neto. Português de Palmeira, Manoel Fernandes Loureiro – nome de batismo – chegou com 5 anos ao Brasil. Trabalhou no programa “Resenha Esportiva” da TV Rio, foi repórter da Rádio Vera Cruz, do grupo Bloch. No Sistema Globo de Rádio, estreou no programa “Globo Esportivo”.

No  final dos anos 70, Loureiro Neto – nome artístico – fez parte de uma formação histórica do rádio esportivo brasileiro (até porque a rádio Globo do Rio era e é ouvida em todo o país): ao lado dos dos clássicos locutores Jorge Cury (um dos favoritos do blogueiro), Waldir Amaral (“bololô na área”), João Saldanha (“o comentarista que o Brasil inteiro consagrou”) e o ex-juiz Mario Vianna (“com dois “Ns”). Os repórteres de campo eram Kléber Leite e Loureiro Neto.

rádio globo
Anúncio publicado em 1978

Que equipe! Uma seleção! Uma espécie de Real Madrid do rádio esportivo brasileiro.

Kléber Leite depois virou empresário e foi presidente do Flamengo. Como bom português radicado no Rio, Loureiro era Vasco. Continuar lendo “Loureeeiro Neeeto!”

China Azul em tempo real.

Dez mil… dez mil e um… dezesseis mil e nove… enfim, 29.120 torcedores. O número de torcedores que ia entrando no Mineirão no fim da tarde de terça-feira era atualizado, um por um no placar eletrônico do estádio novo em folha.  Confesso que nunca vi isso em outro estádio ou ginásio. E ainda tinha uma contagem do número de Sócios do Futebol, o programa de fidelidade do Cruzeiro. O campeão brasileiro encheu os dedos de uma mão para contar os gols da partida contra a Universidad de Chile, pela Libertadores 2014. 5×1. Uma #manita, na linguagem #futbolera, #futbolês castelhano. Com direito a #hat-trick de Ricardo Goulart.

Imagem de divulgação do aplicativo
Imagem de divulgação do aplicativo

Por falar na Raposa, o Cruzeiro e a Netco Sports lançaram este mês um aplicativo chamado Fotofan. Semelhante a um #app do Paris Saint-Germain. No Fotofan do Cruzeiro, o torcedor tem uma série de filtros e padrões para incrementar suas fotos na internet, mais ou menos como no Instagram (exemplo acima). Continuar lendo “China Azul em tempo real.”

Whisky a Go Grêmio

Roupa Nova
Só o voleio de Zé Roberto e a bela defesa de Martinez já valeram ter ficado acordado até tarde, para ver a goleada do Grêmio contra o Atlético Nacional, da Colômbia, na Arena do Grêmio.
Uma vitória em ritmo de “Whisky a Go Go”, canção de Sullivan e Massadas gravada pelo Roupa Nova em 1984, que a Geral do Grêmio adaptou há alguns anos. E veio na mudança do Olímpico para a Arena.
Continuar lendo “Whisky a Go Grêmio”

“Entre os Vândalos”

Um grupo de torcedores de uma organizada espanca até a morte um torcedor de organizada (e pai de família) de outro time.
Um grupo de torcedores organizados invade o centro de treinamento do time de preferência deles para ameaçar jogadores.
Um grupo de torcedores ofende um jogador de futebol de um país amigo por causa da cor da pele dele.
2014 não começou bem, para aqueles que torcem não para uma organizada, mas pela paz dentro e fora dos estádios, para quem sabe um dia voltar a frequentar os estádios… perdão, arenas…  em dias de dérbis. Poder sair na rua com a camisa do time sem ficar com medo de um ataque covarde como o da primeira linha desse texto.
2014 não começou mesmo nada bem, como 2013… que não começou nem terminou bem, de Oruro à Arena Joinville.
E aí que entra o livro que indico neste post. “Entre os Vândalos” (Companhia de Bolso), do jornalista americano Bill Buford (Granta, The New Yorker). Subtítulo: “a multidão e a sedução da violência”.
80138_g
Bill Buford morou na Grâ-Bretanha e se “incorporou” às torcidas organizadas, especialmente do Manchester United, para tentar entender o fenômeno do hooliganismo. Faz um relato detalhado dos anos e anos que passou acompanhando os hooligans, e sofreu na pele -ele mesmo, o autor -as consequências. Escolhidas outras cores para seguir, poderia estar entre os mortos das tragédias de Heysel ou de Hillsborough. É assustador. O livro foi lançado lá fora em 1991, quando as coisas começaram a se acalmar pelo menos dentro dos estádios ingleses, com as medidas do relatório Taylor.

Que seja objeto de estudo, levado em consideração, no país da Copa. Antes, durante e depois do Mundial.

Continuar lendo ““Entre os Vândalos””

“Almanaque do São Paulo” + “Os Clássicos do Futebol Brasileiro”.

ImageProxyDois livros muito curiosos.

Este slideshow necessita de JavaScript.


O José Renato Santiago, autor do texto do post anterior sobre o #Ferrim (clique aqui), que tem a maior coleção de livros e artigos de futebol segundo o Guinness World Records, está acrescentando mais dois livros na biblioteca, e o nono e décimo de autoria dele mesmo. De interesse mais dos são-paulinos, “Almanaque do São Paulo” é um calhamaço elaborado a 4 mãos com Raul Snell, que faz um levantamento histórico de todos os jogos disputados pelo tricolor paulista, desde a estreia do São Paulo da Floresta, em 1930, até o fim de 2013. A noite de autógrafos foi em 25 de fevereiro, no sempre movimentado bar São Cristóvão, na Vila Madalena – praticamente um museu do futebol informal.

O outro livro é indicado para quem curte as curiosidades do futebol em todos os estados brasileiros. “Os Clássicos do Futebol Brasileiro“, que José  Renato Santiago escreveu com Marcelo Unti, tem mais de mil informações sobre 201 dérbis de todos os estados, de 1902 até hoje. Opa! Boa ideia! Zé Renato e Marcelo Unti autografam este livro em 13 de março, também no bar São Cristóvão. Continuar lendo ““Almanaque do São Paulo” + “Os Clássicos do Futebol Brasileiro”.”

Ferrim: um gigante que cai. O Ferroviário acaba de ser rebaixado.

Um gigante que cai…o Ferroviário acaba de ser rebaixado.

Texto de José Renato Santiago, publicado originalmente no Memória Futebol.

ferroviario

Fundada em 9 de maio de 1933, a equipe cearense do Ferroviário Atlético Clube nasceu alvinegra.
A iniciativa de criação do Ferrim partiu do Sr. Waldemar Cabral Caracas que propôs o desenvolvimento de atividades esportivas que pudessem promover a distração e a integração dos operários da linha ferroviária do estado do Ceará, que trabalhavam no setor da manutenção de trens, e que possuíam horas vagas entre um reparo e outro.
Pois bem, tive a felicidade de conhecer o Sr. Waldemar Caracas, centenário fundador, nascido em 9 de novembro de 1907.
Ele era vizinho do meu avô, Osvaldo.
Ao longo de muitas de nossas conversas, ele comentou comigo sobre a razão das cores e distintivo do Ferroviário.
Durante a década de 1940, Caracas veio para São Paulo a trabalho.
Em um dia de folga, foi ao estádio do Pacaembu assistir o Diamante Negro, Leônidas.
Se apaixonou pelo Tricolor, maior equipe brasileira daquela década.
No dia seguinte foi até uma loja de esportes e comprou um conjunto de camisas do São Paulo.
Levou os uniformes para Fortaleza e decretou que, a partir daquele dia, o Ferroviário passaria a usar as cores do São Paulo, bem como o distintivo.
Com o tempo o Ferrim, ou Ferrão, passou a fazer frente aos grandes e mais antigas equipes do estado: Maguary, Ceará e Fortaleza.
Desde então foram 9 conquistas estaduais: 1945, 1950, 1952, 1968, 1970, 1979, 1988, 1994 e 1995.
O principio dos anos 1950, sobretudo, foi dominado pelo Ferrão.
Equipes fantásticas foram montadas.
Recebeu a alcunha de o “Clube das Temporadas”.
Era a única equipe do estado a fazer frente aos grandes do sul do país que por lá excursionavam.
O Tubarão da Barra sempre foi temido.
A última equipe cearense campeã invicta foi o Ferroviário em 1968.
Os anos 1990 marcaram seus últimos grandes momentos.
Uma equipe que disputou várias edições da Primeira Divisão do Campeonato Brasileiro.
Tudo isso ficou no passado.
Más administrações.
Preferência ao interesse pessoal em detrimento da entidade.
E muuuuuuiiiitos erros.
Amadorismo irresponsável fantasiado de profissionalismo competente.
Em 2012, a salvação ao rebaixamento em campo se deveu a erros na escalação irregular de jogadores por parte da equipe do Crateús.
O susto não serviu para coisa alguma.
Um crime às cores tricolores.
Domingo o Ferroviário foi rebaixado do campeonato estadual pela primeira vez em sua história.

um grande abraço,
José Renato Santiago

A mascote da Bósnia, proposta por Lais Sobral.

Ilustração de Lais Sobral para o@FutPopClube | http://www.flickr.com/photos/lais-sobral/
Ilustração de Lais Sobral para o@FutPopClube | http://www.flickr.com/photos/lais-sobral/

Uma lebre num cenário assustadoramente psicodélico é a mascotinha bolada pela artista plástica Lais Sobral para a Bósnia-Herzegovina, na série em homenagem aos países participantes da Copa. Caçula do Mundial, a Bósnia deu azar e caiu no grupo da Argentina, que encara logo na estreia, em 15 de junho. Os bósnios vão se concentrar no Guarujá, litoral paulista, e viajam para o Rio para enfrentar Messia e cia; para Cuiabá, onde pegam a Nigéria, em 21 de junho, na Arena Pantanal; e para Salvador onde enfrentam o Irã, 25 de junho, na Fonte Nova.
Confira todos os trabalhos da artista Lais Sobral para o blog nessa série que o Fut Pop Clube orgulhosamente publica em primeira mão.

Continuar lendo “A mascote da Bósnia, proposta por Lais Sobral.”