O frevo do bi (final). Há 50 anos, o “primeiro-ministro” Mauro Ramos erguia a Taça Jules Rimet.

“Não há, em toda a história das Copas, uma equipe tão bicampeã como aquela nossa. Tão gloriosa. E provo o que digo, Porque a Itália, bi em 1934 e 1938, repetiu apenas dois jogadores. Já o Brasil foi praticamente o mesmo”. Didi, bicampeão em 1958 e 1962, no livro “Didi – O Gênio da Folha-Seca”, de Péris Ribeiro.

A seleção brasileira foi bicampeã do mundo em 17 de junho de 1962 com 8 titulares da final de 1958 (“O Ano em que o Mundo Descobriu o Brasil”, belo documentário). As novidades eram: Amarildo, o “Possesso”, que substituiu Pelé a partir da terceira partida, contra a Espanha. Zózimo, reserva do zagueiro Orlando na Suécia. E seu companheiro de zaga, Mauro Ramos, reserva do capitão Bellini quatro anos antes, em 1962 virou titular na marra – e capitão do time.
Capitão, nada, primeiro-ministro, como Carlos Drummond “propôs” na deliciosa crônica “Seleção de Ouro”, publicada no extinto jornal carioca “Correio da Manhã”, em 20 de junho de 1962 (três dias depois do bicampeonato), um dos gols de letra compilados por dois netos do poeta no livro “Quando É Dia de Futebol”, editado em 2002 pela Record. Drummond também “escalou” o “velhinho sabido” Nilton Santos (o craque “enciclopédia do futebol tinha 37 anos em 1962) no ministério da Justiça. Na Fazenda, Gylmar (“defendeu a meta como o Tesouro”, justificou CDA). Carlos Drummond de Andrade definiu Zagallo como “ministro para várias pastas… dada a sua capacidade de estar em todas”. Para Garrincha, Drummond lembrou o ministério da Aeronáutica, “pois com suas fintas, dribles e arrancadas impossíveis, atravessar o mundo campo entupido de adversários é o mesmo que voar em céu desimpedido, qual passarinho”. Gol como os de Pelé, Drummond!

Brasil 3 x 1 Tchecoslováquia
Estádio Nacional – Santiago,  Chile, 17/06/1962
Público: 69.000 pessoas
Brasil – Gylmar, Djalma Santos, Mauro Ramos, Zózimo e Nilton Santos; Zito, Didi e Zagallo; Garrincha, Vavá e Amarildo.
Tchecoslováquia – Schroiff, Tichy, Popluhar, Pluskal e Novak; Masopust e Pospichal; Scherer, Kvasnak, Kadabra e Jelinek.
Gols: Masopust abriu o placar para os tcheco-eslovacos; Amarildo empatou para o Brasil logo depois; no segundo tempo, o volante Zito subiu, literalmente, e marcou de cabeça; Vavá aproveitou a bobeada de Schroiff para definir a volta olímpica.
Dentro do post, a numeração dos 22 bicampeões do mundo e o clube que defendiam em 1962.  Continuar lendo “O frevo do bi (final). Há 50 anos, o “primeiro-ministro” Mauro Ramos erguia a Taça Jules Rimet.”

Frevo do Bi

Ao som – imaginário – de Frevo do Bi, sucesso arretado na voz de Jackson do Pandeiro, depois regravado por Tom Zé e Gereba e ainda por Silvério Pessoa, vamos lembrar também neste 17 de junho da finalíssima da Copa do Mundo de 62, disputada no Chile. Brasil 3, Tchecoslováquia 1. O tchecos abriram o marcador, com Masopust. Os canarinhos viraram com Amarildo, Zito e Vavá, diante de 69 mil pagantes. Brasil bicampeão mundial. Sem Pelé, machucado, Garrincha comandou o show. Taí uma conquista verde-amarela que poderia ser ainda mais documentada. 1958 já tem até filme. Bem, Garrincha, Alegria do Povo, primeiro filme de Joaquim Pedro de Andrade, que acaba de sair numa caixa de DVDs com a obra do diretor, mostra algo. Ambos filmes já foram abordados aqui no Fut Pop Clube.
cbf
us
Nesta quinta-feira, 11 da manhã, tem Brasil contra Estados Unidos, segunda rodada do grupo B da Confederations Cup. As duas seleções já se enfrentaram 11 vezes (veja a lista na página da CBF), com 10 vitórias brazucas e uma ianque. A partida mais importante entre Brasil x EUA sem dúvida foi a de 4 de julho de 94. Polêmico 1×0 pra Seleção, no caminho do tetra. Ah, para quem não sabe, o portal globoesporte.com está transmitindo os jogos dessa Copa ao vivo pela internet!

P.S. – peço desculpas pela falta de links e imagens dos textos abaixo, mas a provedora de internet me deu um cano hoje e estou num cyber.