“12 de Junho de 93 – O Dia da Paixão Palmeirense”.

Publicado em junho de 2013, durante o festival CINEfoot, e atualizado em novembro.

Reprises na terça, 11/11,  às 15h30, na ESPN Brasil e 22h na ESPN.
Reprises na terça, 11/11, às 15h30, na ESPN Brasil e 22h na ESPN.
https://www.facebook.com/12dejunhode93ofilme
https://www.facebook.com/12dejunhode93ofilme

Drama. Humor. Provocações. Boas histórias. Depoimentos interessantes, bem amarrados. Rico material de arquivo.
O filme “12 de Junho de 93 – O Dia da Paixão Palmeirense tem tudo o que um bom documentário de futebol deve ter. Estádios lotados. Craques. Grandes decisões. Golaços.
O filme, assinado pelo jornalista Mauro Beting, pelo cineasta Jaime Queiroz e pela produtora Canal Azul, se concentra nos 16 anos da história do Palmeiras. Do Paulistão de 1976 ao de 1993, já com o patrocínio da Parmalat, e o sofrido jejum entre essas conquistas. Destaca também que 2 anos antes de começar esse jejum, o Palmeiras deixou o rival Corinthians mais três anos na fila, ao vencer a decisão do estadual de 1974. Ainda eram os tempos de Ademir da Guia, divino camisa 10 reverenciado no começo do documentário, Dudu, Leivinha e Luís Pereira. Com a venda dos dois últimos para o Atlético de Madrid (onde viraram ídolos) e o fim da carreira de Dudu e Da Guia, o Palmeiras teve que se reformular. E teve cada elenco… que o bom humor dos entrevistados, muito bem escolhidos, não deixa escapar.

Claro que os palmeirenses vão se emocionar com as lembranças das grandes vitórias e  também dos anos de sofrimento.

Mas “12 de Junho de 93 – O Dia da Paixão Palmeirense” não deveria ser curtido só pelos alviverdes, não. Deveria ser visto por todos que gostam de futebol emoção, talvez até por alvinegros que já tenham superado as feridas de 74 e 93. Aqui está boa parte da história do nosso futebol, na década dos últimos grandes campeonatos paulistas. Palmas.

Abaixo, um teaser divulgado na página da produtora Canal Azul no You Tube.

Continuar lendo ““12 de Junho de 93 – O Dia da Paixão Palmeirense”.”

Lançamento: “Oswaldo Brandão – Libertador Corintiano, Herói Palmeirense”.

CAPA OSWALDO BRANDAO_IMPRENSA (2)
Oswaldo Brandão foi técnico da Segunda Academia alviverde, bicampeã brasileira de forma consecutiva em 1972 e 73 – já tinha sido campeão da Taça Brasil de 1960, que hoje é equiparada ao Brasileirão, paulista de 1947, 59 e 72 pelo alviverde. Era o técnico do Palmeiras quando um gol de Ronaldo (Ronaldo Gonçalves Drummond, ex-Galo, futuro cruzeirense) impediu que o Corinthians de Rivellino acabasse com o jejum, num Morumbi lotado, na final do Paulistão de 74. Três anos depois, já sofrendo com a doença do filho, Márcio (câncer no cérebro), Oswaldo Brandão levou o Corinthians ao título paulista de 1977, acabando com os 23 anos de jejum de grandes títulos, com o chorado gol de Basílio contra a Ponte Preta. Aliás, Brandão era o treinador do Corinthians no último título antes da fila, o de 1954. Também foi campeão paulista em 71 pelo São Paulo de Gerson, Pedro Rocha, Toninho Guerreiro, Forlán, Terto, Paraná, Sérgio Valentim. O primeiro e até agora único treinador a boatar no peito faixa de campeão estadual por todas as cores do “trio de ferro” (Palmeiras, Corinthians e São Paulo). Na Seleção, lançou Falcão e Cerezo. Também levantou taça na Argentina, com o Independiente (Nacional de 1967).

Libertador Corintiano, herói palmeirense, como diz o título do livro que o jornalista Maurício Noriega está lançando pela editora Contexto. Esse livro era sonhado e preparado por Noriega há anos, como contou nessa #e-entrevista aqui pro Fut Pop Clube, em 2009.

Uma figura humana admirável. Sei até porque ele era muito amigo do meu pai, Luiz Noriega, e ouvi histórias muito, mas muito tocantes dele.

Brandão é o tema do capítulo 1 do primeiro livro de Nori, “Os 11 Maiores Técnicos do Futebol Brasileiro” (também da Contexto, 2009). Leivinha, craque dessa segunda academia alviverde, depois ídolo do Atlético de Madrid, diz que o técnico Brandão foi o “nº 1” de sua carreira, um treinador quase sempre paternalista, rude quando necessário.

Continuar lendo “Lançamento: “Oswaldo Brandão – Libertador Corintiano, Herói Palmeirense”.”

Um derby de 1945 virou livro

Publicado em 9/4/2010 e atualizado em 27/10/2011

É do deputado – agora ministro do Esporte – Aldo Rebelo (PCdoB-SP) o livro Palmeiras x Corinthians 1945 – O Jogo Vermelho (editora Unesp). Se um time é alviverde e o outro, alvinegro, por que o derby de 1945 é chamado de “o jogo vermelho”? Na época, Palmeiras e Corinthians fizeram um amistoso para ajudar a campanha do Partido Comunista a favor de uma Assembleia Nacional Constituinte. O livro já foi tema de coluna do Ugo Giorgetti no Estadão. O diretor dos filmes Boleiros I e II conta que Aldo Rebelo teve a ideia de pesquisar o tema ao se deparar, na sala de troféus do Palestra Itália, com uma taça que dizia: “Homenagem do Movimento Unificado dos Trabalhadores – 13 de outubro de 1945 – Palmeiras x Corinthians”.

Em 1975, deu Brasil. Em Rosário.

selecaoEm agosto de 75, a Argentina recebeu o Brasil no mesmo estádio do derby desta noite,  Gigante de Arroyito. E a seleção brasileira treinada por Oswaldo Brandão venceu os argentinos selecionados por Menotti. Um a zero. Gol do atleticano Danival, informa o livraço Seleção Brasileira, de Antonio Carlos Napoleão e Roberto Assaf (editora Mauad;capa ao lado). Brandão convocou uma maioria de jogadores de Atlético e Cruzeiro. Contando substituição, seis jogadores do Galo e quatro da Raposa atuaram em Rosário. Só a dupla de zaga era do futebol paulista.

A seleção mineira, digo, a brasileira, venceu com Raul, Nelinho, Luiz Pereira (ainda no Palmeiras), Amaral (então no Guarani) e Getúlio (na lateral-esquerda!!!);  Wanderley Paiva, Danival e Palhinha; Roberto Batata, Campos e Romeu (depois Reinaldo).

Os hermanos perderam com Gatti, Pavoni, Mário Killer e Rebottaro; Daniel Killer, Gallego e Ardilles (depois Júlio Asad); Boveda, Luque e Kempes.

O Brasil venceu essa batalha, mas a Copa América de 1975 ficou com sabe quem? A seleção peruana, com alguns jogadores que três anos depois tomariam de 6 a 0 da Argentina, na mesma Rosário, no jogo mais comentado da Copa de 78.

Cinema STADIUM. Em cartaz, futebol.

Noite de 13 de outubro de 1977. A cidade de São Paulo mal dormiu. O Corinthians treinado por Oswaldo Brandão venceu a 3ª partida das finais do Campeoanto Paulista de 77 contra a Ponte Preta e recupera o título, esperado desde 54 (também com Brandão!). Um filme sobre o jejum de grande títulos e o fim desse período, graças ao gol de Basílio, foi lançado na sexta-feira em cinemas paulistas. 23 Anos em 7 Segundos (DVD já em pré-venda), entrou em cartaz poucos meses após a estreia do filme Fiel. A buena onda de documentários sobre futebol inclui várias produções sobre conquistas do Colorado, rival do alvinegro nesta noite em que sai o campeão da Copa do Brasil e o 1º brasileiro da Libertadores 2010. Exemplos: Gigante – Como o Inter Conquistou o Mundo e Gigantes do Deserto – Internacional Campeão da Dubai Cup 2008. (e agora, Nada Vai nos Separar, o filme do centenário). Todos da G7 Cinema, mesma produtora de Fiel – e que prepara Soberano – Seis Vezes São Paulo, Soberanosobre os seis títulos brasileiros do tricolor paulista. O mestre Telê Santana, responsável por um desses títulos (e também pelo único Brasileirão do Atlético-MG) é tema de um documentário que pode ser lançado no segundo semestre: Meio Século de Futebol-Arte(link pro blog do filme, que já tem trailers). A Ana Carla Portella e a Danielle Rosa trabalham há 4 anos no projeto sobre o Fio de Esperança, que vai ter uma trilha sonora feita especialmente para o doc. Oba! Eterno rival do Inter, o Grêmio não fica atrás nos lançamentos cinematográficos. Depois de Inacreditável – A Batalha dos Aflitos (veja trailers), também da G7, estreou há poucas semanas 1983: O Ano Azul. Acaba de sair Zico na Rede(leia mais aqui), um documentário com um monte de gols comentados do Galinho de Quintino. Ademir da Guia, Garrincha, conquistas do Flamengo, a Copa de 1958 … também são temas de filmes. PARA LER SOBRE ISSO, CLIQUE >>>

Continuar lendo “Cinema STADIUM. Em cartaz, futebol.”

11 perguntas para Maurício Noriega

Publicado em 23 de maio de 2009
Um dos textos mais lidos aqui no Fut Pop Clube é o que fala do livro Os 11 Maiores Técnicos do Futebol Brasileiro, do comentarista Maurício Noriega, do Sportv e do Bom Dia São Paulo. Antes de mais um fim de semana de transmissões do Sportv e entre um texto e outro no Blog do Nori, o cronista encontrou um tempinho para responder por e-mail 11 perguntinhas sobre treinadores.
nori

1 –Fut Pop ClubeNoriega, você acha que técnico ganha jogo, ganha Copa do Mundo? Como se diz, em evidente força de expressão, que Garrincha ganhou sozinho em 62, Maradona em 86 e Romário em 94… dá para arriscar dizer que algum técnico ganhou “sozinho” uma Copa ou título importante?
Maurício Noriega -Diria que jogadores ganham jogos e técnicos ganham títulos, fazem planejamento de trabalho a longo prazo, correção de rota, ajustes. O jogo é propriedade dos jogadores. Mas o trabalho de pensar uma temporada é do técnico.
2- Fut Pop Clube No futebol do século XXI, os técnicos são superestimados, valorizados além da conta?
Noriega – Em alguns casos, sim. Mas apenas porque os dirigentes são muito amadores, despreparados e engolem tudo que os técnicos falam, na maioria dos casos. Bons dirigentes não aceitam tudo que os técnicos pedem ou propõem. Casos do Juvenal Juvêncio [S.Paulo]e do Fernando Carvalho [Inter], por exemplo.
3 – Fut Pop ClubeQuem merece mais reconhecimento? Feola? Lula? Zagallo? Ênio Andrade?
Noriega – Todos merecem. Acho que Lula e Feola sempre foram injustiçados e injustamente ridicularizados. Espero que o livro ajude a mudar esse olhar míope sobre dois grandes treinadores. Zagallo é um mito do futebol e Ênio Andrade foi genial. Continuar lendo “11 perguntas para Maurício Noriega”

Livro: “Os 11 maiores técnicos do futebol brasileiro”

Publicado em 27 de abril de 2009
noriNori, primeiro gol, no Conjunto Nacional! Assim o locutor esportivo Luiz Noriega (que trabalhou em algumas Emissoras Associadas de Assis Chateaubriand e TV2 Cultura-SP) poderia narrar o lançamento do primeiro livro de seu filho, o comentarista esportivo Maurício Noriega (Bom Dia São Paulo, Sportv e Blog do Nori). Os 11 Maiores Técnicos do Futebol Brasileiro. Fazer listas de melhores  costuma dar sempre pano pra manga e o Maurício Noriega foi ousado ao assumir a “responsa”. Já me perguntaram quais foram os critérios. Entrevista ao GloboEsporte.com esclarece: pesquisa, 14 meses de pesquisa. Nori entrevistou mais de 80 profissionais no país e no exterior até chegar ao “time”. Continuar lendo “Livro: “Os 11 maiores técnicos do futebol brasileiro””