“Canal 100: Uma Câmera Lúdica, Explosiva e Dramática”.

Era uma vez um futebol que tinha Pelé, Garrincha, Tostão, Gerson, Jairzinho, Carlos Alberto Torres, Félix, Coutinho etc etc etc.
E ainda era filmado (e editado) com uma classe…
As câmeras do Canal 100 são o tema de um livro de arte – de futebol-arte. “Canal 100: Uma Câmera Lúdica, Explosiva e Dramática” (Dois Um Produções), organizado por Carla Niemeyer (filha de Carlos Niemeyer, criador da produtora) e Cláudia Pinheiro, tem umas 300 imagens de clássicos do futebol brasileiro, que levavam ao deleite o torcedor brasileiro que ia ao cinema entre as décadas de 60 e 80. E mais recentemente, em algumas sessões de festivais como o CINEfoot.

10452813_696792713716926_2180656043747382671_o (1)
https://www.facebook.com/pages/DOIS-UM-Produções/

Este livraço, que saiu durante a Copa, custa 45 reais e inclui um DVD, com uns 40 minutos de gols do Canal 100. Olha só o que tem neste extra:

  • Fla-Flu de 1960, onde os rubro-negros quebraram a invencibilidade dos tricolores (de uniforme branco) no campeonato carioca, que seria o último conquistado pelo América.
  • Depois de uma reportagem do Canal 100 sobre o ‘Carnaval quatrocentão’, o DVD tem outro Fla-Flu, em Maracanã lotado. O que decidiu o título carioca de 1969. Tempos em que os uniformes clássicos (Fla de rubro-negro e Flu novamente de branco) não tinham marcas de patrocinadores. E que o goleiro também era chamado de “keeper”. Félix era o “keeper” do Flu. Rodriguez, o do Fla, dá um pique “a 100 km por hora” para reclamar do segundo gol tricolor. No final, o Flu ganhou por 3×2 e deu a volta olímpica. O técnico? Um mestre Telê Santana começando sua gloriosa carreira de treinador.
  • Depois do cinejornal sobre a visita da musa Claudia Cardinale ao Rio, para filmar “Uma Rosa para Todos” (no papel de uma mulata!), tem o clássico Botafogo x Santos no Torneio Rio São Paulo de 1964, já no começo de 1965. Do lado do glorioso, tinha Manga, Gerson, Jairznho, Garrincha… Do lado do alvinegro praiano, Gylmar, Pelé, Coutinho… E o Canal 100 ainda usava a versão instrumental de “Na Cadência do Samba”, a melô do “Que Bonito É”… Covardia…
  • A seguir, uma reportagem sobre o surf, “a nova moda das praias cariocas”, e outra toda sobre a estreia da Seleção Brasileira na Copa de 1966, contra a Bulgária, no estádio do Everton, Goodison Park. Pelé e Garrincha (com a 16), garantiram a vitória, ambos em belíssimas cobranças de falta. Pelé vibrou muito com o gol de Mané – foi o último do anjo das pernas tortas com a amarelinha.
  • Tem também um curta sobre o GP do Brasil de F1, num autódromo de Interlagos ensolarado e tomado por “150 mil pessoas” em 1973. O então campeão mundial Emerson Fittipaldi venceu de ponta a ponta, com a Lotus 72 D, aquela flecha negra, o carro mais bonito da história da Fórmula 1. Mas o segundo no pódio em Interlagos, Jackie Stewart, se recuperaria e adiaria o bi de Fittipaldi.
  • O último filme do DVD é a reportagem sobre o clássico Brasil 1×0 Inglaterra, na Copa de 1970, no México. O jogo da extraordinária defesa de Gordon Banks na cabeçada do Rei Pelé. E da jogadaça de Tostão no gol decisivo, de Jairzinho, o ‘furacão da Copa’.

O livro virou exposição em 2015. “Canal 100, uma câmera lúdica, dramática e explosiva” fica até 29 de março no Galpão das Artes – Espaço Tom Jobim, no Jardim Botânico do Rio. Continuar lendo ““Canal 100: Uma Câmera Lúdica, Explosiva e Dramática”.”

Banda Bate Bola

Coluna de Música Fut Pop Clube

Saiu em 2013 o CD da Banda Bate Bola, uma seleção de dez músicas da MPB boleira, a música popular que canta o futebol. Espero que seja só o primeiro da banda formada por Afonso Machado (bandolim, arranjos instrumentais), Ruy Faria (ex-MPB-4, voz e arranjos vocais), Tiago Machado (filho de Afonso; violão, cavaquinho, arranjos instrumentais) e Chico Faria (arranjos vocais; é filho de Ruy e da Cynara, do Quarteto em Cy, outro grupo vocal que gravou um belo disco com canções de Chico Buarque). A BBB (Banda Bate Bola, no caso) conta ainda com Diego Zangado na bateria e João Faria no baixo (no CD, Pretinho da Serrinha toca percussão).

http://www.ruyfaria.com/banda-bate-bola/
http://www.ruyfaria.com/banda-bate-bola/
  • E a Banda Bate Bola é uma das atrações da série de shows inspirada pelo livro do Beto Xavier, “Futebol no País da Música”, durante três fins de semana de fevereiro, no Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio. A Banda Bate Bola vai tocar no segundo fim de semana da série, 14 e 15 de fevereiro, 21h, numa noite que ainda terá Kleiton & Kledir, na tenda externa do CCBB carioca. Ingressos a 10 reais (5 a meia).

Já que canções que falam de futebol são uma das paixões da Coluna de Música e do Fut Pop Clube, vamos fazer um faixa a faixa do CD Banda Bate Bola. Continuar lendo “Banda Bate Bola”

400 dias para a Copa

Cartaz oficial da Copa do Mundo 2014 (C) Fifa
Cartaz oficial da Copa do Mundo 2014 (C) Fifa

O governo divulgou através do Portal da Copa (copa2014.gov.br) a vinheta “A Pátria de Chuteiras”.
Animação legal, a inconfundível/inevitável “Na Cadência do Samba (Que Bonito É)” – clássico de Luiz Bandeira, tema do Canal 100 e de transmissões de rádio – e a expressão parecida com “o escrete é a pátria em chuteiras” consagrada por Nelson Rodrigues.

Que bonito é…


A terceira edição do CINEfoot terminou em São Paulo com uma sessão em homenagem ao Canal 100, à conquista da Jules Rimet e ao bi mundial do Santos em 1962 e 63 e a premiação aos vencedores do festival (mantendo o mistério neste começo do post, um filme sobre o Bahia, um sobre a democracia corintiana e outro sobre um pequeno time da Catalunha).

A primeira atração foi um curta do clássico acervo do Canal 100 sobre o Santos bicampeão do mundo, com as imagens dos jogões contra o Benfica em 1962, da final da Libertadores de 1963, contra o Boca, em plena Bombonera (os boquenses já comemoravam com avalanche, atrás do gol), e das duas partidas realizadas no Maracanã, contra o Milan em 1963 (o Santos perdeu em Milão, venceu a partida de volta no Maracanã -sem Pelé-e também o jogo-desempate, 48 horas depois). Sempre bom ver e rever os gols geniais de Pelé, em jogadas cheias de força, arte e raça (como ele vibrava, com cada gol, pulando e dando o soco no ar), e todo o timaço do Santos. E dá-lhe “Que Bonito É (Na Cadência do Samba)”.  O segundo filme da noite também foi uma produção do Canal 100, o longa “Brasil Bom de Bola”, que conta a história do futebol tricampeão em 70. Continuar lendo “Que bonito é…”

Banda Folha Seca Futebol e Música

Folha Seca no Centro Cultural Rio Verde

Estive na inauguração do projeto Mais que Bola do Centro Cultural Rio Verde (na Vila Madalena) e conferi o show da banda Folha Seca Futebol e Música. No repertório, vários gols da MPB boleira:

  • Na Cadência do Samba (Que Bonito É) – Luis Bandeira
  • A Taça do Mundo É Nossa – Maugeri, Müller, Sobrinho e Dagô
  • Pra Frente Brasil – Miguel Gustavo
  • 70 Neles- Antonio Edgard Gianullo e Vicente de Paula Sálvia
  • Um pout-pourri de Jorge Ben (Jor):  Ponta de Lança Africano (Umbabarauma)/Filho Maravilha/ Camisa 10 da Gávea / Roberto, Corta Essa/ Goleiro (Eu vou lhe avisar)/ Cadê o Pênalti? (ouça aqui)
  • Meio de Campo – Gilberto Gil
  • Camisa 10 – Luiz Vagner e Hélio Matheus
  • Aqui é País do Futebol – Milton Nascimento
  • 1×1 – Edgar Ferreira (ouça aqui a versão do Folha Seca)
  • Ziriguidum – Jair de Castro e Luiz Bittencourt

O grupo Folha Seca volta a se apresentar nesta quarta-feira, 25 de maio, no projeto Mais que Bola, que deve ser quinzenal. Confira o restante do repertório da banda. Continuar lendo “Banda Folha Seca Futebol e Música”

Arranco de Varsóvia,”Na Cadência do Samba”.


Três grandes músicas sobre futebol num disco só. O grupo carioca Arranco de Varsóvia marcou esses três golaços, um atrás do outro, no terceiro disco, “Na Cadência do Samba (gravadora Dubas):

  • “1×0 (Um a Zero)”, clássico do choro de Pixinguinha e Benedito Lacerda, versão cantada, com a letra do Nelson Angelo, que se encaixou perfeitamente no time que já estava ganhando…
  • “Na Cadência do Samba (Que Bonito É)”, clássico de Luiz Bandeira, a melô do Canal 100. Pa pa pá, pa pá…
  • e ainda a bonita “Futebol”, de Naná Vasconcelos.

Na Cadência do Samba“, o disco, capinha ao lado, ainda tem a ótima “Badêjo ou Badéjo” e sambas de Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz, Jorge Aragão etc etc etc.

Participe da enquete sobre canções de futebol, na Coluna de Música do Fut Pop Clube.

“Na Cadência do Samba (Que Bonito é)”

Neste sábado de samba e rodada de futebol nos campeonatos estaduais – tem até semifinal de Taça Guanabara! – a dica de música do blog é o volume 4 da série “Samba Social Clube – Ao Vivo” (DVD/CD da EMI). Tem Jorge Loroza num medley de “O Mundo é uma Bola”, samba-enredo da Beija-Flor vice-campeã em 1986, de Betinho e Jorge Canuto, e “O Campeão (Meu Time)”, clássico de Neguinho da Beija-Flor e das arquibancadas. O grupo Casuarina contribui com uma boa versão cantada de “Na Cadência do Samba (Que Bonito É)”, clássico absoluto de Luiz Bandeira e da MPB que fala de futebol e samba (ah, que saudade da vinheta da rádio Globo que usava trecho dessa letra logo depois dos gols, nas históricas transmissões do pai da matéria, Osmar Santos). O flamenguista Moraes Moreira toca outra cover: “Samba Rubro-Negro (O Mais Querido“), de Wilson Batista e Jorge Castro. Teresa Cristina e o ex-lateral Júnior cantam a inédita “Samba Bom de Bola”, repetida  com Moacyr Luz, autor da música junto com Paulo César Pinheiro, homenageado em roda de samba nos extras do DVD. Mas “Samba Social Clube” 4 tem tem mais clássicos. Confira:  Continuar lendo ““Na Cadência do Samba (Que Bonito é)””