Premier League, Rock Edition. Designer brasileiro junta futebol e rock numa coleção imaginária de camisas.

Premier League, Rock Edition. Designer brasileiro junta futebol e rock numa coleção imaginária de camisas.
Aí, Steve Harris, o time de futebol do Iron Maiden poderia jogar com esse uniforme bolado pelo Matheus Viana…

A temporada 2017-18 do campeonato inglês começou com um jogão, sete gols, duas viradas: Arsenal 4×3 Leicester City. Aproveito a primeira rodada da Premier League da vida real para compartilhar um golaço do designer brasileiro Matheus de Souza Viana. Ele “viajou” (no bom sentido e entre aspas) criando camisas de futebol e distintivos para 20 bandas de rock inglesas, dos Beatles aos Arctic Monkeys. Saiu antes na página Idea Fixa (que me foi indicada pelo batera Vlad Rocha).

Pra começar, o designer botou uma coroa em forma de cabelo moicano, do leãozinho da Premier League, que você pode ver na imagem destacada, no alto deste post. E chegou a incluir nos “mantos sagrados” das sacrossantas bandas as marcas de fornecedores habituais de equipamento esportivo (adidas, Nike, Puma, Umbro) e até patrocinadores de peito, ligados a marcas de equipamentos musicais, como fabricantes de guitarras (Fender, Gibson, Rickenbacker, Epiphone). Demais! O campeonato de bandas imaginado pelo designer Matheus Viana tem muito classic rock entre os favoritos ao título: Beatles, Stones, Who, Queen…

Este slideshow necessita de JavaScript.

É um trabalho pessoal do Matheus Viana, um exercício criativo, sem patrocínios nem fins lucrativos, ou seja, não vão ser vendidas camisas com esse visual. Olha as ideias

A ideia é brincar com a hipótese de misturar o futebol e o rock’n’roll, pensando em como poderia ser o campeonato inglês de futebol se fosse disputado por bandas inglesas de rock”, explica o designer.

Então, vejam como seriam os visuais do triunvirato do rock pesado inglês do final dos 60 -Sabbath, Led, Purple- e o progressivo Pink Floyd, do Roger Waters, um fanático torcedor do Arsenal.

O Lemmy não estava nem aí para futebol, mas o pesado e rápido Motörhead também entra na liga virtual do Matheus Viana, além dos punk rockers do Clash (Joe Strummer é dos blues, torcedor do Chelsea) e dos Sex Pistols (John Lydon fanático gunner, Steve Jones e Paul Cook, também eram blues).

Será que nos estádios desse campeonato virtual, o fã-clube do Police adotaria “Every Breath You Take” como uma espécie de “You’ll Never Walk Alone”?

Home Kit imaginário do The Police, por Matheus Viana.

Repare nas mangas da imaginária camiseta do Joy Division – o designer Matheus Viana se inspirou na capa do discão “Unknown Pleasures”.

Mais ideias criativas dentro do post.

Continuar lendo “Premier League, Rock Edition. Designer brasileiro junta futebol e rock numa coleção imaginária de camisas.”

“Control”. Vida, obra e morte de Ian Curtis.

control2
Classificação: 14 anos

“Control”, filme biográfico sobre o vocalista Ian Curtis, tem por trás das câmeras duas pessoas muito relacionadas à curta vida do vocalista do Joy Division. O diretor holandês Anton Corbijn, aqui em seu primeiro longa, que foi fotógrafo da banda (também do jornal New Musical Express e do U2), diretor de clips (Depeche, Nirvana) e ajudou a produzir a imagem do JD. O roteiro, premiado com na Inglaterra, é atribuído a Matt Greenhalgh e à esposa de Ian, Deborah Curtis, que escreveu a biografia “Touching from a Distance”.”Control” acompanha a formação do Joy Division, com foco na vida de Ian, interpretado por Sam Riley- o casamento com Deborah, a doença (epilepsia), a paixão pela jornalista belga Annik Honoré (vivida pela bonita atriz romena Alejandra Maria Lara, que fez a jovem secretária de Hitler em “A Queda”, está em “O Leitor” exatamente como vítima do nazismo, e aqui surge com cabelos compridos) e aborda de leve o suicídio do vocalista, aos 23 anos.

Continuar lendo ““Control”. Vida, obra e morte de Ian Curtis.”

Joy Division

No ano passado, dois filmes sobre a banda Joy Division e seu cantor Ian Curtins passaram quase que simultaneamente em salas paulistanas. Eu consegui ver no cinema  “Joy Division”, que é um documentário de visual sombrio, mas muito interessante. Com bastante informação, embora curtos demais os sobe-sons musicais. No próximo texto, “Control”, uma cinebiografia sobre Ian Curtis, que acaba de sair em DVD.