T2 Trainspotting

16 anos

Por falar em futebol escocês, cinema e música pop, estreou no fim de março a continuação de “Trainspotting”, marco do cinema britânico na segunda metade dos anos 90, dirigido por Danny Boyle. Vinte e um anos depois, “T2 Trainspotting” chega para contar o que mudou na vida de Renton, Spud, Sick Boy e do violento Begbie, com outra excelente trilha sonora e mais referências a futebol. Especialmente ao Hibernian FC, de Edinburgo, time do coração de Irvine Welsh, autor dos livros em que se baseiam os dois filmes da “franquia” Trainspotting. Os Hibs, atualmente na segundona escocesa, tem quatro títulos da primeira divisão (o último foi em 1951-52!), três Scottish Cups (2015-16  é a conquista mais recente) e outras três copas da liga escocesa. A classificação do filme no Brasil é 16 anos. Continuar lendo “T2 Trainspotting”

Best, o “quinto beatle”… Não o Pete. Mas o George.

“Quinto beatle” era o apelido de um cracaço de futebol, George Best, ídolo da seleção da Irlanda do Norte e do Manchester United. Um jogador “star”. É considerado um dos integrantes da trindade que só não é santíssima porque o apelido do Manchester United é red devil. Old Trafford quase parou para homenagear o “quinto Beatle”, no minuto 7 da partida contra o PSV, para marcar os 10 anos da morte de Best – um mito que não se pode dizer que não viveu a vida. Veja a homenagem, primeiro no vídeo do canal FullTimeDEVILS e depois na foto da página do United no Face.

facebook.com/manchesterunited/
facebook.com/manchesterunited/

Veja o post anterior: a trindade do Manchester United.

Tem até meme de internet que Best (George, não o Pete) “aparece “atravessando Abbey Road junto com os Beatles, e uma bola.

Foram muitas as homenagens a Best, que 10 anos depois da morte ainda figura como garoto da capa da nova edição da ótima revista espanhola Panenka.

Soube que estão tentando viabilizar um filme sobre George Best via crowdfunding, a tal da vaquinha online.

Rapaz, olha só o que ele aprontava (dentro de campo)…

Continuar lendo “Best, o “quinto beatle”… Não o Pete. Mas o George.”