Álbum: “Brasil de Todas as Copas”.

CAPA_SELECAO BRASILEIRA (2)
c002587RCABREstá nas bancas um álbum de figurinhas que conta a história da Seleção Brasileira desde o primeiro jogo até os prováveis convocados da nova família Scolari para o Mundial. Brasil de Todas as Copas: 1919 – 2014″ (Panini). Como o título sugere, o álbum destaca as taças (Sul-Americano, Copa América, Jules Rimet, a Copa das Confederações…), a evolução do uniforme e do distintivo, a derrota de 1950, a conquista de 1958, o bi em 1962, a última partida de Pelé e Garrincha juntos, o tri no México, as campanhas de 74 e 78, a era Telê Santana, e em contraposição, a era Lazaroni, o tetra em 1994, o apagão na final de 1998, o penta em 2002, a queda em 2006 e 2010. Há uma página sobre o Rei do Futebol, outra para Zagallo e uma dedicada aos monstros sagrados como Domingos da Guia e Garrincha. Continuar lendo “Álbum: “Brasil de Todas as Copas”.”

Um gigante de 1m89

Maracanã, 30/06/2013. Foto: WAGNER CARMO | Vipcomm.
Maracanã, 30/06/2013. Foto: WAGNER CARMO | Vipcomm.

1013062_401700893284609_763310495_nO moço de Diadema, SP – que saiu do Vitória para virar ídolo do Benfica e, desde 2011, do Chelsea – já se destacava no primeiro tempo, na decisão da Copa das Confederações 2013. Boa colocação, luta, raça, muita raça. Aí David Luiz salvou a bola do jogo. Um chute do espanhol Pedro, que já tinha batido Julio Cesar. O Maracanã gritou o nome de um novo ídolo da seleção Canarinho. Como se ele fosse o autor de um gol.
D-a-v-i-d  L-u-i-z!
Gigante em campo, foi um dos heróis da maiúscula vitória do Brasil sobre La Roja.
Continuar lendo “Um gigante de 1m89”

Muralha verde e amarela

Muralha verde e amarela

1016582_403092136478818_558978974_n
E eu não me refiro exatamente à defesa brasileira…
muralha amarela DSC02537 (1)

Este slideshow necessita de JavaScript.


1013062_401700893284609_763310495_nNos últimos anos, a gente não costumava ver muitas camisas da seleção brasileira nas ruas, no dia a dia. Certamente em menor número do que as camisas dos clubes brasileiros.
Mas jogando Copa das Confederações em casa, foi curioso ver uma maré de amarelinhas nas ruas, avenidas e meios de transporte, como o Metrô do Rio, no domingo da final contra a Espanha.
E como o novo formato do Maracanã lembra o de uma tribuna única, do gramado ao ponto mais alto, a torcida brasileira deu a impressão de formar uma muralha amarela, verde e amarela. Muralha essa atrás do gol da rua Professor Eurico Rabelo que puxou o hino nacional no meio do segundo tempo. Isso, depois do hino normal, antes do jogo. Normal? Emocionante.muralha amarela DSC02542 (1)
Dentro do post, o batalhão de fotógrafos do mundo todo. Continuar lendo “Muralha verde e amarela”

Maracanã, 7 da noite. Noite ‘N’ de Neymar?

Ou será que vai dar “I” de Iniesta?
O torcedor e a imprensa blaugrana sorriem com a perspectiva de uma final de um torneio de seleções com quase todo um time do Barça em campo. Falta Messi, de férias na América do Sul. Descanso merecido. Ele precisa, mesmo.
Gostaria de aproveitar este post sobre um dos personagens da decisão para um desabafo que está entalado desde a venda de Neymar para o Barça. Foi emocionante a apresentação do jovem brasileiro, diante de milhares de torcedores do novo clube, mas percebi que muita gente por aí saudou a chegada do topetudo ao Camp Nou como ‘agora, sim”. Como se o ex-clube de Neymar não fosse imenso também. Já ouvi comentarista dizendo que ele já tá jogando melhor. Peraí, Neymar nem estreou pelo Barça. Só se for por ter tirado das costas o estresse de uma negociação, em que deixa a terra natal e um clube querido pelo novo Velho Mundo.

A propósito, está nas bancas o número 2 do gibi “Neymar Jr”, com o traço e a graça da grife Mauricio de Sousa. Já pensam numa versão em castelhano ou catalão?
CAPA_NJ_002.indd
Continuar lendo “Maracanã, 7 da noite. Noite ‘N’ de Neymar?”

A maior arquibancada do Brasil

O pessoal da publicidade da Fiat certamente não imaginava que o anúncio com o som da banda O Rappa emprestaria seu refrão para um protesto do tamanho do Brasil. “Vem pra rua, vem pra rua”. Pegou. O Rappa é certamente um dos grupos mais “callejeros” do país, dono de discurso e atitude de rápida comunicação com o jovem público de diferentes classes sociais. Curiosamente, a manifestação – em grande parte motivada pelos gastos vergonhosos em estádios da Copa 2014 e pela atenção internacional despertada pela Confederações 2013 –  não deixa de mostrar uma influência de  ‘gritos de guerra’ de torcidas organizadas, em muitos refrões.

O Brasil acordou, ô” (leia como ‘o campeão voltou, ô’).

S e m  v i o l ê n c i a” (leia como o ´É  … q u a r t a – f e i r a!’ dos estádios)

Eu sou brasileiro/com muito orgulho/com muito amor… ” (cantado nos estádios há mais de 15 anos).

Pena que junto com tantas manifestações imensas, bonitas e justas, a gente tenha visto outra característica de torcidas organizadas. A intolerância a quem pensa diferente. Rasgar bandeiras de partidos, agredir quem não usa as mesmas cores, não tem as mesmas crenças… provocar policiais (que também ganham mal para caramba)… destruir ou saquear patrimônio público ou particular… não tem nada a ver e não é nem um pouco democrático. Tolerância zero e vandalismo… isso não me representa! Diálogo, sim!
O gigante, que parecia “deitado eternamente em berço esplêndido”, despertou pra valer. Especialmente seu lado jovem. Mostrou para governantes brasileiros de TODOS os níveis…  parlamentares de TODOS os plenários –  e também a todos os estrangeiros que planejam lucrar muito com o mínimo de investimentos – que a farra acabou.
Viu só? Foi só sair da internet para reclamar que as passagens de transporte público caíram (por outro lado, não acredito em tarifa zero). Outros aumentos foram revogados. Governo e oposição acordaram. Voltaram a discutir temas de interesse nacional, e não só aquele Fla-Flu, aquele Gre-Nal, aquele derby PT x PSDB que enche o saco nos anos de eleições, quanto mais nas outras temporadas. O Congresso -outro alvo da fúria popular – reagiu. Caiu a absurda PEC-37 que limitava as investigações do Ministério Público. Demorou.
No domingo, vamos ter uma grande final da Copa das Confederações, no caro Maracanã, entre a seleção brasileira e uma esquadra fortíssima europeia. Respeitemos o direito de manifestação pacífica. Respeitemos o direito de ir e vir. Respeitemos o resultado. Se a nova Família Scolari ganhar, ótimo. Se perder, tudo bem. Felipão terá um ano para corrigir os erros. E posso apostar que ele saberá trazer a ‘maior arquibancada do Brasil” para o lado da seleção.

A bola está com os políticos. Claro, vamos ter que continuar a marcar forte. Pressão. Mas sem violência. Continuar lendo “A maior arquibancada do Brasil”

Jordi Alba, lateral-artilheiro. Desde criancinha.

Que golaços do lateral-esquerdo da seleção espanhola contra a Nigéria, não? Jordi Alba mostrou uma tranquilidade de dar inveja a muito camisa 9 de ofício -ao receber o lançamento de 45 metros do seu colega Villa-, na hora de driblar o goleiro e fazer o 3º gol da Espanha, no último domingo em Fortaleza. Eis que descubro no canal do Barcelona no You Tube o vídeo “o espírito de atacante de Jordi Alba”. Mostra que o  jovem catalão de L´Hospitalet de Llobregat jogava de meia-atacante, atacante ou ponta -às vezes com a 10- nos seus tempos de “canteras” do Barça. E fazia belos gols. Grande garoto!


Continuar lendo “Jordi Alba, lateral-artilheiro. Desde criancinha.”