Pacaembu

O estádio Paulo Machado de Carvalho, o Pacaembu, sede de mais uma final da Libertadores, em fotos do site World Stadiums.

http://www.WorldStadiums.com
http://www.WorldStadiums.com
Capa do livro do professor João Fernando Ferreira

O estádio municipal Paulo Machado de Carvalho foi inaugurado em 27 de abril de 1940, com a presença de Getúlio Vargas (ditador, no período do Estado Novo, 37-45), Adhemar de Barros (interventor federal em SP) e Prestes Maia (prefeito), mas a bola só rolou no dia seguinte. Rodada dupla. O Palmeiras ainda se chamava Palestra Itália. Na primeira partida, goleou o Coritiba, então campeão paranaense, por 6×2. Mas coube ao ponta Zequinha, do Coxa, a honra de marcar o 1º gol do estádio. A partida de fundo reuniu os campeões paulistas e mineiros: Corinthians 4×2 Atlético. São informações que estão no livro “A Construção do Pacaembu”, de João Fernando Ferreira (mestre em História que pesquisa futebol), lançado na Coleção São Paulo no Bolso da editora Paz e Terra. O pocket-book do professor contextualiza o nascimento do Pacaembu na história do futebol na cidade de São Paulo, com jesuítas, Charles Miller, clubes de elite x clubes populares, amadorismo x profissionalismo, uso do esporte por políticos. Para chegar à rodada dupla que inaugurou o estádio municipal. João Fernando Ferreira também dedica algumas páginas à estreia no São Paulo de Leônidas da Silva, o diamante negro, homem de borracha da Copa de 38. Foi num Majestoso contra o Corinthians, em 1942, que terminou em 3×3 e tem até hoje o recorde de público do Pacaembu: 72.018 pagantes. E olha que no lugar do horroroso tobogã de hoje, havia uma lindíssima concha acústica. Continuar lendo “Pacaembu”

A América de olho na Bombonera

Estádio Alberto J. Armando, La Bombonera, bairro de La Boca, Buenos Aires. É aqui que começa o que pode ser a maior final da Copa Libertadores. Boca Juniors x CorinthiansO time do povo da Argentina recebe o time do povo de São Paulo, com enorme torcida em muitos outros estados. O Corinthians tenta seu primeiro título da copa, justo quando não tem galáticos no time, mas jogadores experientes, com “cancha” de Libertadores, como Danilo e Alex. E logo contra um dos maiores colecionadores de copas. O Boca tem 6 Libertadores (taças que valoriza de montão no seu museu) e quer igualar o número de conquistas do Independiente, de Avellaneda, ao lado de B.Aires (para ter uma ideia da obsessão hermana por essa copa, o estádio do Independiente hoje se chama Libertadores de América).

Republico o post do rolê do blog, do comecinho do torneio Clausura 2012, que o Boca acabaria perdendo para o Arsenal de Sarandí – pela primeira vez campeão argentino (confira o post). Continuar lendo “A América de olho na Bombonera”