#RefugeesWelcome: as torcidas alemãs e do Celtic deram um belo exemplo, na crise dos refugiados.

Peço perdão pelos dias de atraso, mas não posso deixar em branco essa demonstração de solidariedade. Na rodada do fim de semana, torcedores de times como Borussia Dortmund, Werder Bremen, Bayern, St.Pauli (este bravo clube da segunda divisão da Bundesliga) e do Celtic usaram faixas de apoio aos refugiados que chegam – ou tentam chegar – à Europa.

Antes, o Borussia já tinha levado 220 refugiados – na faixa! – ao Signal Iduna Park para ver a partida contra o Odds Ballklubb, pela Liga Europa.

#RefugeesWelcome : 220 ganharam ingressos para ver jogo do Borussia na Europa League: facebook.com/BVB/
#RefugeesWelcome : 220 ganharam ingressos para ver jogo do Borussia na Europa League: facebook.com/BVB/

Continuar lendo “#RefugeesWelcome: as torcidas alemãs e do Celtic deram um belo exemplo, na crise dos refugiados.”

“40 Dias com a Campeã da Mundo: Histórias e Bastidores da Alemanha no Brasil”. É o livro de Gustavo Hofman.

 

Convites_40dias-01_web (2)Este foi pé quente! O jornalista Gustavo Hofman cobriu Die Nationalmannschaft no último Mundial para os canais ESPN. Agora, Hofman está lançando “40 Dias com a Campeã da Mundo: Histórias e Bastidores da Alemanha no Brasil” (Via Escrita, 136 páginas, R$ 35).  Uma espécie de diário de bordo da seleção alemã, da concentração, em Santa Cruz Cabrália, à grande final, no Maracanã.

Pelas contas do colecionador Domingos D’Angelo, já são 290 livros sobre futebol só neste ano de Copa do Mundo por aqui.

Confira quando e onde vão ser as noites de autógrafos de “40 Dias com a Campeã da Mundo”. Continuar lendo ““40 Dias com a Campeã da Mundo: Histórias e Bastidores da Alemanha no Brasil”. É o livro de Gustavo Hofman.”

“O Milagre de Berna”: filme reconta a história da primeira das quatro estrelas da Alemanha.

O MILAGRE DE BERNA (Das Wunder von Bern), de Sönke Wortmann
O MILAGRE DE BERNA (Das Wunder von Bern), de Sönke Wortmann

Interessante rever “O Milagre de Berna” um dia depois do tetra da Alemanha. Essa ficção que passou rapidinho pelos cinemas brasileiros no final de 2004, começo de 2005 (foi lançada em DVD) faz um paralelo entre a situação difícil de uma família alemã depois da Segunda Guerra e a campanha campeã da seleção da Alemanha (Ocidental), na Copa da Suíça, em 1954.

E pensar que na primeira fase a seleção alemã tomou de 8×3 da invencível Hungria, de Puskas e companhia! Verdade que o técnico Sepp Herberger poupou titulares.

Na final, a favorita Hungria e a Alemanha voltaram a se enfrentar. O time vermelho chegou a abrir 2×0 no placar, mas tomou a virada (tá certo que o juiz anulou um gol húngaro). Final, 3×2, Alemanha campeã do mundo pela primeira vez. E esta simpática produção alemã ajuda  a entender porque jogadores como Fritz Walter e Rahn são lembrados até hoje nesta grande potência do futebol.

Chamam muita atenção as elogiadas cenas que recriam -em cores- lances decisivos da Copa do Mundo de 54, com ótima caracterização da época. Até o ator Henrik Benboom, que faz o papel de Puskas, usa aquele topete repartido ao meio do maior craque húngaro de todos os tempos… Bela a cena com o áudio de transmissão de rádio em cima das imagens da molecada jogando bola.

O diretor Sönke Wortmann também fez um documentário sobre a participação alemã na Copa de 2006, em casa: Deutschland. Ein Sommermärchen”.
Confira o trailer de “O Milagre da Berna”. Vale a pena procurar o DVD por aí. Continuar lendo ““O Milagre de Berna”: filme reconta a história da primeira das quatro estrelas da Alemanha.”

Super Deutschland. A campeã voltou.

https://www.facebook.com/DFBTeam
https://www.facebook.com/DFBTeam

???????????????????????????????É tetra! Pela primeira vez a Alemanha unificada é campeã. A grande campeã da melhor Copa de nossa geração. Uma Alemanha multicultural,de futebol bem jogado, de toque de bola (o tiki-taka não morreu!?!), simpatia, bom humor, sangue de poloneses, ganeses, turcos e tunisianos.

Eis a campanha da Alemanha, primeira seleção europeia a vencer um Mundial nas Américas:

  • Alemanha 4×0 Portugal, Fonte Nova
  • Alemanha 2×2 Gana – Castelão
  • Alemanha 1×0 Estados Unidos. Arena Pernambuco.
  • Alemanha 2×1 Argélia – Beira-Rio (depois do 1×1 no tempo normal)
  • Alemanha 1×0 França – Maracanã
  • Alemanha 7×1 Brasil – Mineirão
  • Alemanha 1×0 Argentina (na prorrogação) – Maracanã

Confira dentro do post a numeração da seleção campeã do mundo. Continuar lendo “Super Deutschland. A campeã voltou.”

O futebol brasileiro precisa de uma revolução, como a do #fussball.

http://www.panenka.org/
http://www.panenka.org/

É ótima a capa de abril de 2012 da revista “Panenka”, publicada em Barcelona. No texto que abre o dossiê sobre o futebol alemão na “Panenka” #7, de Raphael Honigstein e Aitor Lagunas, o alarme soou em 1999, depois da derrota de 3×0 para Croácia nas quartas de final do Mundial de 1998, na França (a seleção croata, com o artilheiro Suker, terminaria em 3º lugar).

Outras reportagens dizem que a mudança começou em 2000, depois da eliminação na primeira fase da Eurocopa. Não importa muito a data, o que importa é conhecer algumas medidas tomadas:

  • abertura de 121 centros de formação de jogadores, inspirados na academia de jogadores da França, Clairefontane
  • todos os clubes da primeira e da segunda Bundesliga foram obrigados a ter categorias de base

Hoje são 366 centros de treinamento, para 25 mil jovens alemães, com 1.000 técnicos, segundo a reportagem do correspondente do Estadão, Jamil Chade. Uma das revelações? Thomas Müller.

Um texto do “Lance!” esta semana lembrou que a Alemanha ganhou a Euro sub-21 em 2009 (4×0 na final contra a Inglaterra). No elenco, já estavam Neuer, Boateng, Hummels, Höwedes, Khedira, Özil.

Sem falar na média de público da Bundesliga, o campeonato alemão. 45 mil pessoas por jogo. Tenta comprar na internet ingresso para um jogo do St. Pauli, clube cult da segunda divisão. Tudo lotado.

O Brasil está vazio na tarde de domingo, como diz o samba de Milton Nascimento e Fernando Brant, mas aqui não é mais o país do futebol.

Há muito tempo.

Brasil 1, Alemanha 7. Perdemos feio. Para uma máquina de jogar bola.

Mineirão, Belo Horizonte, 8 de julho de 2014. Nesta  tarde/noite de semifinal da melhor Copa dos últimos anos – uma Copa cheia de surpresas- o  futebol brasileiro que já vinha dando sinais de agonia há muito tempo, morreu um pouco. Ele precisa ser refundado, precisa ser completamente reformulado. Das categorias de base dos clubes ao comando maior da CBF, passando pelos bancos dos treinadores e cartolas dos clubes.

Perdemos para uma máquina de jogar futebol, que tem um elenco espetacular. #Alemáquina, já batizaram. #SuperDeutschland.

Perdemos para o verdadeiro país do futebol. Onde os estádios estão quase sempre 100% cheios, da primeira à 34ª rodada da Bundesliga. Em alguns casos, até na segunda divisão, a 2.Bundesliga. Um país onde o povo ainda tem lugar nas “arenas”. E não joga a bandeira no chão ou pisa na camisa ao primeiro revés. Onde os torcedores gostam de seus times como gostam de bandas de rock, ou seja, não tem disco ruim.

Que o Brasil aprenda algo com a Alemanha e reencontre seu futebol. Se for o caso, que seja com um técnico estrangeiro, que nos ensine a fazer o que deixamos de fazer. Jogar.

Construímos tantos belos estádios para o Mundial, esquecemos de construir uma seleção. Claro, mais uma vez iludidos pelo resultado da Copa das Confederações. Definimos os 11 titulares e seus reservas com um ano de antecedência, sem levar em consideração o momento. 

Mas não adianta procurar culpados entre os jogadores. Do fundo do meu coração boleiro, dilacerado pela maior humilhação da Seleção em 100 anos de história, espero que esses jovens jogadores consigam a volta por cima e voltem a brilhar.

Pra quem é maluco por futebol, como você que me lê, resta continuar curtindo esta Copa sensacional. Não é porque o Brasil caiu que o Mundial deixa de ser maravilhoso. E no meio da semana que vem, recomeça o Brasileirão – dividido ao meio por um calendário absurdo, é verdade. Mas não vamos desistir de gostar do nosso futebol.

Mosaico sobre as artes originais de Lais Sobral.  Confira a série toda aqui: https://www.flickr.com/photos/lais-sobral/
Mosaico sobre as artes originais de Lais Sobral. Confira a série toda aqui: https://www.flickr.com/photos/lais-sobral/

Continuar lendo “Brasil 1, Alemanha 7. Perdemos feio. Para uma máquina de jogar bola.”

A semifinal das semifinais. 2002 contra 1978. Para não dar 1974 ou 1990 na cabeça.

10532561_603743519747011_5788764897780275249_n (2)Sessenta anos e um dia depois do Milagre de Berna, a vitória da Alemanha contra a Hungria favoritaça, no Mundial de 1964, na Suíça, por muito pouco não tivemos um Milagre de Salvador. A brava Costa Rica defendida por Navas resistiu 120 minutos à Laranja Mecânica de Robben, Van Persie, Sneijder e… Van Gaal! No finalzinho da prorrogação, o técnico Van Gaal substitui um goleiro por outro, só para a cobrança de pênaltis. Krul (goleiro do Newcastle), que já estava se aquecendo há um bom tempo, acertou os cantos e defendeu dois pênaltis. Van Gênio! Cillessen, goleiro do Ajax, parecia abatido. Mas saiu correndo para festejar quando a Costa Rica desperdiçou o pênalti decisivo.

Brasil x Alemanha, terça-feira, às 17h, no Mineirão. Um RT da final de 2002? Neymar fora. Mas, sim, nós podemos.

Argentina x Holanda, quarta-feira, às 17h, na Arena Corinthians. Revanche da final do polêmico Mundial de 1978? A Argentina não deve ter Di María, mas tem Messi, Higuaín (que fez uma partidaça hoje em Brasília), o papa Francisco e uma invasão azul e branca ao estádio alvinegro. E a Holanda terá o apoio da massa brasileira e o louco do Van Gaal no banco. Hoje ele ganhou.
A Alemanha já decidiu tanto contra a Holanda (1974) como contra a Argentina (1990, a pior de todas as Copas).
Tanto Brasil x Holanda como Brasil x Argentina seriam finais inéditas.
Gramde finais.
Por Neymar, vamos lá, vamos lá.

Ilustrações: Lais Sobral.

ARTE Lais Sobral | www.flickr.com/photos/lais-sobral/
ARTE Lais Sobral | http://www.flickr.com/photos/lais-sobral/
Ilustração: LAIS SOBRAL www.flickr.com/photos/lais-sobral/
Ilustração: LAIS SOBRAL http://www.flickr.com/photos/lais-sobral/

Continuar lendo “A semifinal das semifinais. 2002 contra 1978. Para não dar 1974 ou 1990 na cabeça.”

Maracanã em tarde de Alemanha 1 x 0 França.

Maracanã em tarde de Alemanha 1 x 0 França.

DSC05343
Um sol para cada um dos 74.240 pagantes que viram o euroclássico França x Alemanha, no estádio do Maracanã. Exatos sessenta anos depois do primeiro dos três títulos mundiais da Alemanha, na Copa de 1954 na Suíça. “O Milagre de Berna”.
DSC05348 (1)
O zagueiro Mat Hummels (Borussia Dortmund) fez o único gol da partida, para alegria da torcida alemã, que se concentrou mais atrás do gol que o ótimo e arrojado Neuer defendeu no primeiro tempo, mas também marcou sua discreta e educada presença em outros setores.
DSC05359 (1)
DSC05374
???????????????????????????????A Alemanha está nas semifinais. Vai pegar o Brasil. Confesso que esperava mais do jogo. Mas se o calor já incomodava quem estava debaixo da nova cobertura do Maraca, imagine para os atletas. Que absurdo jogar 13h no Rio de Janeiro!
DSC05378
A França está eliminada, para tristeza da torcedora da foto abaixo, dica do Rodrigo Dias.
DSC05395 Continuar lendo “Maracanã em tarde de Alemanha 1 x 0 França.”

C l a s s i f i c a d o s !

Argentina e Bélgica garantiram as últimas vagas no clube dos 8 melhores do Mundial 2014.
Mas que luta dos EUA!
Tarde de partidaças dos goleiros Howard e Benaglio, dos Estados Unidos e da Suíça, de Messi, Di María e Lukaku.

Continuar lendo “C l a s s i f i c a d o s !”

Não tá fácil pra ninguém.

Raïs M’Bolhi, Mandi, Mostefa, Belkalem, Halliche (depois Bougherra),Ghoulam, Lacen, Feghouli, Taïder (depois Brahimi), Soudani (depois Djabou), Slimani. Esses argelinos seguraram a a toda poderosa Alemanha de Lahm, Schweinsteiger, Özil, Götze, Thomas Müller etc por pouco mais de 90 minutos. Se o goleiro Raïs M’Bolhi (que joga no CSKA Moscou) foi uma das ‘figuras’ da partidaça desta segunda-feira, o último da Copa no Beira-Rio, o “keeper” alemão, Manuel Neuer, só não fez defesa-escorpião. Porque jogar com os pés e com a cabeça o goleiro do Bayern jogou. Como um líbero de luvas. Goleiro-líbero! O 2×1 não diz o que foi esse jogo histórico, em que a Algéria poderia ter perfeitamente despachado a Alemanha.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Na galeria dos mascotinhos (copyright Lais Sobral) garantidos nas quartas de final, está o galo da França. Les Bleus tiveram dificuldades para romper a barreira Enyeama. A Nigéria só cedeu o segundo gol no finalzinho.

Vai ser um jogaço o de sexta-feira no Maracanã! Alemanha x França!

Quem sobreviver ao duelo europeu, enfrenta numa das semifinais o vencedor do confronto sul-americano, entre o Brasil, dono da casa que ainda precisa convencer, e a melhor Colômbia das Copas. Complicadíssimo.

Na outra chave, a Holanda que suou horrores para virar contra o México, pegará nas quartas de final a heroica Costa Rica. Sábado, em Salvador. Pelo menos é às 17h.

Argentina, Suíça, Bélgica e Estados Unidos disputam nesta terça-feira as últimas vagas nas quartas.

O blog aqui já achava que as oitavas seriam de enfartar, só não imaginava quanto… Continuar lendo “Não tá fácil pra ninguém.”