Dia de Beatlemania

[clearspring_widget title=”The Beatles Official Widget” wid=”4aa4cbc0d1c4b34a” pid=”4aa83b99581fa570″ width=”400″ height=”300″ domain=”widgets.clearspring.com”] Dia Mundial dos Beatles. Nas lojas gringas (por enquanto), video-game com os 4 rapazes de Liverpool animados na tela. E você pode dar uma de John, Paul, Ringo ou George, numa mistura de karaokê com guitarra aérea, digo, de brinquedo (veja o clip de abertura do game). Beatles Rock Band pode ser jogado em X-Box 360, Playstation3 ou Wii. Mas custa os olhos da cara, especialmente aqui no Brasil. Uma pena, porque dá uma senhora vontade de jogar! A aposta da já gigantesca indústria de games (uma das mais lucrativas do showbizz) é que o cartucho vai arrebentar a boca do balão. Você não curte jogos eletrônicos? Tudo bem. Toda a discografia dos Beatles foi remasterizada e está sendo relançada: uma caixa com os discos em estéreo, outra caixa em mono (ambas importadas) e ainda CDs avulsos, com novas embalagens. E se a sua Beatlemania ainda não ficar satisfeita, pode ver o espetáculo All You Need is Love

André Bighinzoli, baixista do Metalmorphose

Foto: André Smirnoff
Foto: André Smirnoff

Um baixista: Paul McCartney.

Outras influências: John Entwistle, Geezer Butler (Sabbath e Heaven & Hell), Chris Squire (Yes).
Disco de cabeceira: São tantos… Beatles, – Álbum Branco.
Hit da semana: “Get It On”, com London Bus Stop [Nota do blog: usa um sampler de “Bang A Gong(Get it on)” do T-Rex; é praticamente uma cover]
Banda de coração: Queen
Melhor banda de todos os tempos da última semana: Metalmorphose!
Time do coração: Botafogo, Botafogo! Campeão desde 1907!

LEIA TAMBÉM: depoimento de Bighinzoli sobre o The Game do Queenhttp://colunademusica.wordpress.com/2010/08/13/queen-the-game-30-anos-de-um-discao/

Um showzão no Shea Stadium

clashOuvir o show do The Clash no Shea Stadium é um belo e radical jeito de aguentar o trânsito lento de São Paulo (40 minutos para percorrer 6 km de carro, fala sério!). O concerto no histórico estádio de beisebol nova-iorquino e foi lançado em CD mais ou menos na mesma época em que o velho estádio do NY Mets foi ao chão, em outubro de 2008. O discão foi gravado durante os shows em que o Clash abriu para o The Who, em 1982. A banda punk havia lançado outro discão, Combat Rock. “Should I Stay or Should I Go” tocava muito no rádio americano. E o compacto seguinte “Rock the Casbah”, estava no Top 40 e rolava na MTV de lá, assim como em muitos programas de clips aqui. E a performance eletrizante de “Rock the Casbah” arrebata corações, mentes e corpos. CLIQUE EM MANTER A LEITURA para saber outros destaques do CD ao vivo do Clash e que outras grandes bandas tocaram no Shea Stadium (1964-2008).

Continuar lendo “Um showzão no Shea Stadium”

40 anos de um clássico

abbey road
Este sábado ensolarado é um belo dia para ouvir “Here Comes the Sun”, “Come Together”, “Something”, “I Want You (She´s So Heavy)”, “Because”, “Carry that Weight” etc etc etc.  Abbey Road, este discaço, faz aniversário em 26 de setembro (dia do lançamento, em 1969). Mas hoje o mundo lembra dos 40 anos desta imagem clássica, tão repetida à la Brian de Palma – a foto de Iain Macmillan para a capa do disco comercialmente mais bem sucedido dos quatro rapazes de Liverpool. Em 69, o clima era muito tenso no quarteto. Os caras estavam prestes a se separar. Macca queria uma coisa, Lennon outra – reclamaria que não havia conexão entre as músicas. Mas que há um monte de gemas da dupla – e também de Ringo e de George – não há dúvida. A linda “Something” foi a primeira composição de Harrison a virar lado A de compacto dos Beatles. Chegou a ser cantada por Frank Sinatra, que a considerava “a melhor canção de amor escrita” (“The Complete Guide to the Music of The Beatles”, de John Robertson, Omnibus Press). Curioso é que o verso “Something in the way she moves” foi extraído de uma canção de James Taylor.

E pra quem gosta de Beatles, um lembrete: no mês que vem, exatamente em 9 de setembro, chegam às lojas discos avulsos e caixas – relançamento dos álbuns originais, em mono e estéreo – e o esperado jogo The Beatles Rock Band. Você pode ver e ouvir a animação de abertura do game neste link. Maneiríssimo trabalho da Harmonix e Passion Pictures.

Beatles Num Céu de Diamantes

Emocionante musical com canções de Lennon/McCartney e George Harrison. Beatles Num Céu de Diamantes – espetáculo de Charles Möeller e Cláudio Botelho. No palco, nada de guitarra, baixo ou bateria. Mas piano, violoncelo, percussão e um elenco de 11 atores/cantores – algumas vozes são espetaculares. Os números musicais abordam cerca de 50 canções (Lucy in the Sky with Diamonds é “encenada” várias vezes). Gostaria de destacar especialmente as versões de Michelle, Eleanor Rigby, While My Guitar Gently Weeps, Yesterday, Yellow Submarine e All You Need is Love.

ATUALIZANDO: depois de temporadas carioca e paulista, o espetáculo voltou ao Rio. Confira aqui no site de Beatles Num Céu de Diamantes.


acrosstheuniverse– Quem ama Beatles e gostou desse musical, pode alugar também o filme Across the Universe,que passou nos cinemas e já foi lançado em DVD pela Sony Pictures. A maioria dos números é muito boa. Impressionante como as músicas dos Beatles permanecem boas em outros arranjos. De cabeça, lembro-me de um excelente disco da Rita Lee (Aqui, Ali, em Qualquer Lugar), com parte das versões em português. E o resultado ficou muito bom. Jazz? John Pizzarelli Meets The Beatles. Pensando bem, Beatles deve ficar bom até em versão elevator music.

Entrevista com Mauro Beting (final)

Seguimos com o papo via e-mail com o jornalista Mauro Beting. Abaixo, a linha atacante de raça, digo, as três últimas perguntas. Ele fala do pai, Joelmir Beting, de música -brinca de DJ!-e futebol, claro.

9 – Fut Pop Clube – Seu pai trabalhou no jornalismo esportivo antes de mudar para as páginas de economia. O estilo do Joelmir influenciou seu texto?beting

Mauro Beting – Muito. Por DNA, não por cópia. Mas, claro, sem a mesma qualidade. O que é bom é que sempre soube que eu não estava à altura dele. Nunca pretendi chegar perto. Mas, de fato, tem alguma coisa. No início de carreira, até fiz alguns textos que ele assinou. Uma baita honra. E sei que, desde o início, até sempre, as pessoas vão comparar, vão achar que ele me botou nos lugares em que trabalhei… sou tão burro que só fui trabalhar com ele depois de 17 anos de ofício. Ele é o pior nepotista que existe, embora nós façamos há 5 anos o programa mais nepotista da história da TV brasileira: “Beting & Beting” [canal Band Sports].

10 – Fut Pop ClubeVocê escrevia sobre música pop no começo dos anos 90, no jornal FT, do grupo Folha, que depois virou Agora. Que som você gosta de ouvir hoje? Que show te tiraria de casa?

Mauro Beting – Gosto desde música napolitana até rock bem alternativo. radioheadNão pude ir ao Radiohead, mas é um show que me tiraria de casa. Como Oasis[NdaR: site reformulado!]. Como REM. Como Pink Floyd. U2. Travis. Stevie Ray Vaughan (in memorian). Beatles. Kinks. João Gilberto. Tom Jobim. 10.000 Maniacs. Cowboy Junkies. Ih… tanta gente e tanto gênero. Menos breganejo e pagode, tudo eu escuto. Discothèque, blues, chorinho, hinos de clubes e de países. Nos últimos tempos, tenho até brincado de DJ, numa festa do Simoninha de MPB, e de rock lá na Funhouse, em São Paulo. É o meu maior prazer depois do futebol. por mim, tocaria todas as noites, vendo jogos antigos no telão.

11 – Fut Pop Clube -Pra terminar, uma pegadinha. Qual é o maior Palmeiras da história? O da Arrancada Heróica de 1942? O campeão da Copa Rio, em 1951? A primeira Academia que disputava com o Santos de Pelé? A segunda Academia, bicampeã brasileira? O time que saiu da fila em 93/93 e também foi bi brasileiro? O do ataque de 100 gols? Ou o campeão da América? Difícil, hein?

Mauro Beting – o que mais marcou é o de 12 de junho de 1993. Por culpa de tudo que não fizeram desde 18 de agosto de 1976, excetuando 9 de dezembro de 1979 [Nota do blog: ficou curioso? veja que jogo foi esse no Futpédia]. O futebol mais lindo que vi de verde, e dos mais lindos que vi na vida, é o do primeiro semestre de 1996. O que mais prendeu a respiração foi o de 16 de junho de 1999. Mas aquele que vi em 20 de fevereiro de 1974 ser bi brasileiro é uma rima que foi uma seleção do Brasil em 1974. Enfim, todos esses, e muito mais. Pelo futebol, o de 1996, mas durou pouco. Pela bola, fico com a segunda academia. Técnica, tática e física. E tinha Ademir. Tinha Luisão Pereira. Tinha Leivinha. Tinha Leão. Tinha Dudu. Tinha César Maluco. E tinha um moleque de seis anos que curtia o primeiro e último amor além da família. E, entre nós, tem família melhor que a do nosso time?

Fut Pop Clube -Valeu, Mauro Beting. Muito obrigado!

Carlos Lopes, da banda Mustang

CARLOS LOPES, DO MUSTANG. Foto: MICHAEL MENEZES
Carlos Lopes, guitarra e voz do Mustang. FOTO: Michael Menezes

O Carlos Lopes, líder da banda carioca Mustang, não se cansa de batalhar. Depois de anos rodando Rio e Brasil à frente da Dorsal Atlântica, chegou a ter duas bandas ao mesmo tempo. Agora, está “só” com o Mustang… mais blog/site/ revista O Martelo e livro na parada. O multi-homem parou um pouco para responder ao questionário abaixo.

Um Guitarrista: Pete Townshend (NOTA DO BLOG: veja vídeos na página do The Who).

Outras influências ou referências: Machado de Assis, Buñel, Di Cavalcanti, Jung, Cartola, Secos e Molhados, John Lennon, Paul McCartney, sei lá… tanta coisa e tão pouco espaço.

Disco de Cabeceira: Huummm, que coisa complicada. Álbum Branco, dos Beatles.

Hit da semana: “Se Fiquei Esperando Meu Amor Passar”, Legião Urbana, disco “As Quatro Estações”.

Banda do coração: Beatles.

Melhor banda de todos os tempos da última semana: Beatles.

Time do coração: “Não há outro.  FOGÃO!”

Se você quiser saber mais sobre os trabalhos do Carlos Lopes, navegue pelo My Space da banda Mustang, leia o blog,  site ou revista “O Martelo”, nas bancas.

LEIA SOBRE O QUINTO DISCO DO MUSTANG NA Coluna de Música.

Beatles Forever

10 de abril é uma data triste para quem gosta do som dos Beatles. Há 39 anos, Paul McCartney anunciou a separação da banda, uma semana antes do lançamento de seu primeiro disco-solo. 

Mas as criações dos Beatles são para sempre. Capazes de mobilizar pequenas multidões de adolescentes, para no tempo do MP3 e dos games, ver show da banda cover argentina The Beats junto com Pete Best,  1º batera dos rapazes de Liverpool. 

Por falar em jogos eletrônicos, em 9 de setembro sai o video-game Beatles Rock Band. Acho que chegou a hora de aposentar a “guitarra aérea” e aderir ao brinquedo…

09/09/09 será também a data do (re)lançamento de todo o catálogo da banda, agora remasterizado.  13 álbunss (incluindo Magical Mistery Tour), mais a coletânea Past Masters, em som estéreo, com reprodução de capinhas, informações extras e nas primeiras edições com documentários sobre cada álbum. Estes 16 discos também serão vendidos numa tentadora caixa.

Outra caixinha de música se chamará The Beatles in Mono. 10 discos em mono, mais o escambau, tudo com capinha de CD imitando vinil. Mais tentação! Comecem a economizar desde já…