Paris Saint-Germain: campeão de escudo e uniformes novos.

PSG.fr
PSG.fr

Num jogo de festa e despedida (3×1 contra o Brest), o Paris Saint-Germain apresentou o uniforme titular com que vai tentar o bi da Ligue 1 e, por que não?, a Champions League, na temporada 2013/2014. Festa por causa do título da liga francesa, o que não acontecia há 19 anos. Jogadores pintaram os cabelos de azul, branco e vermelho. Campeões franceses em 1985-86 e 1993-1994 foram convidados a participar (entre eles, Valdo, Raí, George Weah). Despedida do fut pop superstar pé-quente David Beckham (camisa 32) do Parc des Princes, hoje como capitão. E chorou.
A nova camisa do PSG já tem o escudo renovado, que valoriza o nome da cidade-luz (em post anterior, você acompanha a evolução dos distintivos dos tricolores de Paris).
50646
Continuar lendo “Paris Saint-Germain: campeão de escudo e uniformes novos.”

Álbum Oficial Histórico do São Paulo

http://saopaulofc.net/

25 de janeiro de 1930 foi data de fundação do sucessor futebolístico do vermelho e branco Paulistano e da alvinegra AA das Palmeiras, o São Paulo Futebol Clube. Era o chamado São Paulo da Floresta, com as mesmas cores, camisa e escudo do SPFC refundado em 1935, que considera 25 de janeiro sua data-magna (veja no site do tricolor). Depois de amanhã, o São Paulo lança junto com a Panini o seu Álbum Oficial Histórico. Um álbum de figurinhas para contar a história do tricolor paulista. Continuar lendo “Álbum Oficial Histórico do São Paulo”

O bi mundial do tricolor

image
Capa do livro “Saga de uma Paixão”

Estádio Nacional de Tóquio, 12 de dezembro de 1993.  O São Paulo de Telê Santana, bicampeão da Libertadores, atravessou o mundo outra vez para ganhar o bi do Mundial de Clubes (ou da Copa Intercontinental, conforme o gosto do freguês), já sem o capitão Raí, vendido para o PSG. O adversário era um multinacional Milan de Fábio Capello, vice-campeão europeu (o Olympique de Marselha, campeão europeu, estava envolvido em escândalos, e foi punido).
O livro “Saga de uma Paixão”, de Ignácio de Loyola Brandão, ganhou na época uma segunda edição (cuja capa ilustra o post) para contar mais um título.
E foi um jogo maluco maluco, carregado de emoção. Continuar lendo “O bi mundial do tricolor”

20 anos do tri tricolor no Brasileirão

O São Paulo vinha de 2 vices seguidos em Brasileiros: em 89, diante do Vasco, e em 90, já com mestre Telê Santana como técnico, diante de um arquirrival, o Corinthians. Na terceira final seguida, o tricolor enfim conseguiu seu tri do Brasileirão.”Cadê o pé-frio?”, perguntou Telê, lembra o recém-lançado livro de Orlando Duarte e Mário Vilela, São Paulo FC – o Supercampeão (Companhia Editora Nacional), que tem os detalhes dessa e muitas outras conquistas.

Primeiro jogo no Morumbi contra o Bragantino de Carlos Alberto Parreira: 1×0 magro, gol de Mário Tilico, que era opção no banco.

O segundo jogo, num 9 de junho como hoje, foi em Bragança Paulista, diante de pouco mais de 12 mil pagantes. O 0x0 deu, enfim, o tricampeonato ao  São Paulo (que no fim do ano ganharia o Paulista também). A taça das bolinhas erguida pelo capitão Raí foi o passaporte para saltos aindas maiores: a conquista da América e do mundo, com a Libertadores e o Mundial Interclubes, em 1992. E o  espetacular time de Telê Santana ainda daria bis, em 1993. Continuar lendo “20 anos do tri tricolor no Brasileirão”

“Todos os Corações do Mundo”

Cartaz original do filme da Copa de 94

Romário, Bebeto, Baggio, Stoichkov, Brolin, Bergkamp, Hagi, Taffarel, Preudhomme (considerado o melhor goleiro da Copa), o fanfarrão Ravelli, um jovem Larsson, cabeludo, Maradona (até ser suspenso por causa de exame antidoping). Craques de montão, uniformes “classe” (Brasil vestiu Umbro), estádios grandes e lotados (maior média de público das Copas até hoje!), jogos emocionantes. O filme oficial da Copa 94, “Todos os Corações do Mundo / Two Billion Hearts“, é tão bom assim ou o Mundial disputado nos Estados Unidos foi muito, muito melhor do que o de 90, na Itália? Provavelmente as duas opções. “Todos os Corações do Mundo”, dirigido pelo cineasta Murilo Salles, com muitos outros brasileiros na equipe, é o melhor dos filmes oficiais das Copas. Está no DVD da Coleção Copa do Mundo Fifa, que a Abril distribuiu em bancas, com a capinha tradicional da série (veja trailer aqui).
Em vez de contar a Copa jogo a jogo, o roteiro de “Todos os Corações do Mundo” opta por destacar Seleções e seus craques: Argentina de Maradona, a Romênia de Hagi, a Bélgica de Preudhomme, a Bulgária de Stoichkov, a Itália de Baggio, o Brasil de Romário. Ângulos diferentes, replays, trilha sonora que aumenta a dramaticidade do mata-mata, a festa do torcedor ajudam a fazer do filme da Copa de 94 um grande documentário sobre futebol.
Tem brasileiro que nem gosta de contar esse título, o do “É tetra! É Tetra”. O que chega a ser absurdo. Ok, o estilo da Seleção, num 4-4-2 caretinha, não encantou – e perde em popularidade para o “dream team” de 1982, que não voltou com a taça, infelizmente. Mas para o baixinho dar show, havia um esquema azeitado. Está na hora de valorizar essa conquista como ela merece. De modo geral, o Mundial 94 foi muito melhor do que o da Itália 90. E o resultado final foi bem melhor, não?
A CAMPANHA DO TETRA Continuar lendo ““Todos os Corações do Mundo””

Livro: “Os 11 Maiores Laterais do Futebol Brasileiro”

Nosso futebol produziu um monte de grandes jogadores pelas bordas dos gramados (hoje em dia Dunga tem até duas opções muito boas para a direita). Está chegando às livrarias Os 11 Maiores Laterais do Futebol Brasileiro. O jornalista Paulo Guilherme, editor do portal de notícias G1, escalou Djalma Santos, Nilton Santos, o capita Carlos Alberto Torres, Nelinho, Wladimir, Júnior, Leandro, Branco, Leonardo, Cafu e Roberto Carlos. Noite de autógrafos: terça-feira, 13 de abril, a partir de 18h30, na livraria Cultura do Conjunto Nacional. Dá para ler a apresentação do livro aqui, no site da editora Contexto.
A mesma editora acabou de lançar o livro Os 11 Maiores Camisas 10  do Futebol Brasileiro, escrito pelo Marcelo Barreto, do Sportv.
A série começou no ano passado, com Os 11 Maiores Técnicos do Futebol Brasileiro, de  Maurício Noriega, do Sportv e Blog do Nori.
Não demora, e lá vem os atacantes… O dos goleiros já está no prelo (leia texto anterior).

15 anos do É TETRAAA!!!!

1994Há exatos 15 anos, Dunga era capitão da Seleção e ergueu a Copa do Mundo. O Brasil enfim chegava ao tetra, 24 anos após o Mundial do México, na decisão por pênaltis contra a mesma Itália, depois de 120 minutos de um insistente zero a zero.

Onde você estava naquele 17 de julho de 1994? Eu assisti ao jogo nos Estados Unidos, não no Rose Bowl, abarrotado por 94 mil pessoas . Mas em Nova York, com uma turma de estudantes de inglês de vários cantos do mundo. Depois que Baggio mandou a cobrança pelos ares, uma galera festejou na rua dos brasileiros – italianos no meio, clima de confraternização total.

cartaz_tO Mundial na terra do soccer foi um sucesso de público. Uma excelente dica para lembrar da festa dos povos que foi aquela Copa é o excelente documentário oficial, Todos os Corações do Mundo, do brasileiro Murilo Salles, que usou 22 câmeras espalhadas pelos EUA e países participantes. Não espere um filme gol a gol sobre a Copa. Tem gol, mas também tem a alegria do torcedor, a emoção, a tensão do jogador. Tem uma cena clássica que é o olhar que Romário e Baggio (mal) trocam no túnel de acesso ao campo, antes da decisão. Vale a pena procurar.