Galo sem Ronaldinho Gaúcho.

Poucos dias depois da conquista da Recopa Sul-Americana 2014, terminou o caso de amor entre Ronaldinho Gaúcho e o Atlético Mineiro.
Uma relação que deixou frutos. Campeão mineiro (2003), da Libertadores 2003, da Recopa. 28 gols em 88 jogos.

  • Escudo<OUT<: Ronaldinho Gaúcho, Fernandinho, Richarlyson, Neto Berola, Otamendi.
  • >IN>: Maicosuel
  • Estrelas da companhia: Victor, Marcos Rocha, Réver, Leonardo Silva, Diego Tardelli, Jô, Luan, Guilherme
  • Técnico: Levir Culpi
  • Estádio: o Galo manda seus jogos geralmente no Independência e ocasionalmente no Mineirão – caso das finais da Libertadores 13 e Recopa 14.
  • Uniformes: os autuais uniformes 1 e 2 foram lançados pela Puma em março.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continuar lendo “Galo sem Ronaldinho Gaúcho.”

De 1 a 23, os números dos jogadores que tentam o hexa em casa.

ARTE Lais Sobral | www.flickr.com/photos/lais-sobral/
ARTE Lais Sobral | http://www.flickr.com/photos/lais-sobral/
  1. Jefferson (Botafogo)
  2. Daniel Alves (Barça)
  3. Thiago Silva (PSG)
  4. David Luiz (o zagueiro do Chelsea acertou com o PSG)
  5. Fernandinho (Manchester City)
  6. Marcelo (Real Madrid)
  7. Hulk (Zenit)
  8. Paulinho (Tottenham)
  9. Fred (Fluminense)
  10. Neymar (Barça)
  11. Oscar (Chelsea)
  12. Julio Cesar (Toronto)
  13. Dante (Bayern de Munique)
  14. Maxwell (PSG)
  15. Henrique (Napoli)
  16. Ramires (Chelsea)
  17. Luiz Gustavo (Wolfsburg)
  18. Hernanes (Internazionale)
  19. Willian (Chelsea)
  20. Bernard (Shakhtar)
  21. Jô (Atlético Mineiro)
  22. Victor (Atlético Mineiro)
  23. Maicon (Roma)

Continuar lendo “De 1 a 23, os números dos jogadores que tentam o hexa em casa.”

Rolê pelo Maracanã, em noite de Neymar, Fred, David Luiz e Brasil campeão!

Rolê pelo Maracanã, em noite de Neymar, Fred, David Luiz e Brasil campeão!
Hino nacional: como em quase todas as partidas do Brasil na Confederações 2013, um momento de muita emoção.
Hino nacional: como em quase todas as partidas do Brasil no torneio, um momento de muita emoção.

Um minuto e meio de jogo. Não deu nem para saída. Empurrada por 78 mil vozes, que cantaram o hino nacional à capella, a seleção brasileira voltou a usar a blitz do começo de cada tempo na campanha da Copa das Confederações. A defesa espanhola vacilou e Fred, com força, presença na área, faro de gol e ousadia marcou, caído, o primeiro. Só que o Brasil de Felipão não parou por aí. É verdade, David Luiz, tema  do post anterior, foi festejado como artilheiro ao salvar um gol certo. Seria o gol de empate da Espanha, alvo da ira de grande parte dos torcedores brasileiros. Eles têm uma bronca danada do futebol “tiki-taka”, tic-tac, o toque de bola infindável da Roja, que diga-se de passagem, foi bem usado na estreia, contra o Uruguai, e não muito mais. E esses torcedores gritaram:

Uh! Cadê? O tic-tac sumiu.

1013062_401700893284609_763310495_nMas essa linha de passe era uma velha característica do futebol brasileiro. Tabelinha entre Oscar e Neymar, golaço do novo astro do Barcelona, sem dúvida, o MVP da Copa das Confederações. Bola de Ouro e chuteira de bronze para Neymar Jr. 2×0. E aí o Maracanã- que obra nenhuma consegue enfeiar – começou a cantar “O campeão voltou”…
Começo do segundo tempo, outra blitz da seleção de Scolari. Fred, chuteira de prata, definiu o placar. 3×0. No meio do segundo tempo, o público já soltava gritos de “é campeão”.
63 anos depois que as “Touradas em Madri”, clássico de Alberto Ribeiro e João de Barro, o Braguinha, lembrado no blog do Beto Xavier, foram entoadas no Maracanã (o que dizem, enfureceu os espanhóis, que ficaram sem jogar com o Brasil até a Copa de 62)… 63 anos depois dos 6×1 sobre a Espanha, do 1×2 para o Uruguai e do Maracanazo, o (ainda) estádio Mario Filho cantou e pediu bis para “O Campeão(Meu Time)”, sucesso de Neguinho da Beija-Flor, hino do maior dos nossos estádios: “Domingo, eu vou ao Maracanã, vou torcer pro time que sou fã”… Imagina na Copa, Neguinho, que emoção! O povo também cantou o refrão de “Peguei o Ita no Norte”, samba campeão do Salgueiro, de 1993: “Explode coração, na maior felicidade…”

A Espanha tem que acertar sua defesa e ser mais efetiva na frente, quem sabe se definir um 9 melhor que “Niño” Torres. A Itália (3º lugar) mostra que pode evoluir ainda mais. O Uruguai, se vier, tem bom time e uma camisa que é sinônimo de raça, seus jogadores se superam quando a vestem.  Tem Alemanha e Argentina ainda… Mas o fator campo e torcida podem ser decisivos em 2014. E tem o fator Felipão. O campeão voltou.

DSC02434
O Rio de Janeiro é a cidade brasileira mais acostumada a receber grandes eventos. A estação Maracanã é uma das três do Metrô próximas ao estádio. Você mal sai da estação e olha só…
Tudo pronto para Brasil x Espanha
Tudo pronto para Brasil x Espanha
DSC02465
Os olhos do mundo para a taça.
DSC02453
O onze inicial da seleção Canarinho 2013.
O gol-relâmpago abalou o time campeão do mundo.
O gol-relâmpago abalou o time campeão do mundo.
O herói David Luiz e o goleiro Julio Cesar comemoram o golaço de Neymar. Brasil 2x0.
O herói David Luiz e o goleiro Julio Cesar comemoram o golaço de Neymar. Brasil 2×0.
Deu o recado!
Deu o recado!
No intervalo, o fotógrafo se divertiu com o Fuleco.
No intervalo, o fotógrafo se divertiu com o Fuleco.

Continuar lendo “Rolê pelo Maracanã, em noite de Neymar, Fred, David Luiz e Brasil campeão!”

O melhor futebol do mundo está na “conexão BH-Munique”.


Claro, o Bayern ainda vai decidir a Champions League contra o rival alemão do Borussia Dortmund e o Atlético Mineiro acaba de se classificar para as quartas de final da Libertadores.
Mas em abril/maio de 2013 o melhor futebol desses dois lados do mundo é jogado no Independência e na Allianz Arena de Munique. No Horto, em BH, o Galo parece imbatível, com o quarteto fantástico -Ronaldinho Gaúcho, Diego Tardelli, Jô e Bernard-, uma defesa segura, bons volantes, um grande técnico, outros bons valores no banco. O Super Bayern fez 7×0 no agregado contra o Barça, virtual campeão espanhol.
De novo, claro, ainda falta combinar com o Borussia e outros tantos concorrentes sul-americanos, mas neste momento seria no mínimo interessante imaginar uma final mundial entre Atlético e Bayern.
E já que estamos no reino da imaginação, como seria muito melhor se essa possível decisão do melhor time do mundo tivesse um jogo em Belo Horizonte e outro em Munique – como os Mundiais de Clubes eram decididos entre 1960 e 1979. Quem ganharia, hein?