Neroazzurri

HO14_FB_Flash_Flood_InterMilan_Crest_originalDica do ótimo site espanhol Kaiser Football: a Internazionale de Milão publicou um vídeo de 95 segundos para comemorar os seus 107 anos, completados em 9 de março de 2015. Estão aí a primeira Copa (hoje Liga) dos Campeões, conquistada em 63-64 pela Inter de Giacinto Facchetti, de Mazzola, do brasileiro Jair e do técnico Helenio Herrera contra o poderoso Real Madrid, que já tinha cinco títulos europeus (3-1, em Viena) e o bi, na temporada seguinte (1-0 sobre o Benfica, gol de Jair, em San Siro!) e o Mourinho festejando os 2-0 contra o Bayern, no Bernabéu, na final da Champions 2009-10 – temporada em que a Inter do “Special Mou” fez barba, cabelo e bigode. Ganhou a tríplice coroa: Série A, Coppa Itália e LIga dos Campeões com o ótimo holandês Sneijder, muitos brasileiros (Julio Cesar, Maicon, Lucio) e argentinos (o capitão Zanetti, Samuel, Cambiasso, o decisivo Milito, também ídolo do Racing) – já com Rafa Benítez, faturou o Mundial de Clubes contra o Mazembe. E mais: alguns dos 18 scudettos, o atual técnico Roberto Mancini (de volta ao clube) e o novo manda-chuva, o empresário indonésio Erick Thohir, que pode tirar a Inter do Stadio Giuseppe Meazza e levar os nerazzurri para uma casa própria.


Por sinal, o capitão que levantou a Champions de 2009-10 ganhou um filme, exibido em cinemas italianos em fevereiro: Zanetti Story – Capitano da Buenos Aires. Dica do Futebol Marketing. Abaixo, poster e trailer desse doc sobre o capitano Javier Zanetti.10955757_933900503287349_1226832304549372501_n
Continuar lendo “Neroazzurri”

O frevo do bi (III). A dupla Mané e “Possesso” funcionou.


Naquele 6 de junho, o Brasil entrou com a campeã camisa Canarinho, de mangas longas, calção e meiões brancos, contra La Roja, a Espanha, numa partida crucial do grupo 3 da Copa do Mundo de 1962, no Sausalito, em Viña del Mar. Por causa do empate contra os tcheco-eslovacos, a Seleção Brasileira não podia perder para continuar a luta pelo bi. Aymoré Moreira mandou o escrete a campo com Gylmar, Djalma, Mauro Ramos, Zózimo e Nilton Santos; Zito, Didi e Zagallo; Garrincha, Vavá e a novidade: Amarildo, “o possesso”. O jovem jogador do Botafogo, de 21 anos, entrou no lugar de outro jovem. Um jovem que já era Rei Pelé – que sentiu uma contusão n0 0x0 contra a Tchecoeslováquia. Continuar lendo “O frevo do bi (III). A dupla Mané e “Possesso” funcionou.”