Iron Maiden, Rock in Rio, 11/1/1985

No meio da insana World Slavery Tour, a excursão promocional do discão Powerslave, o Iron Maiden fez um bate e volta rapidez para o primeiro Rock in Rio. Saiu dos EUA no inverno, tocou em pleno verão na Cidade Maravilhosa em 11 de janeiro de 1985 e voltou para os EUA em seguida. Entre o Whitesnake e o Queen, headliner da primeira noite do festival, a Donzela de Ferro fez um espetáculo para ficar na memória dos fãs sul-americanos presentes. Cerca de 50 minutos do showzão histórico fazem parte  do DVD Live After Death, que o grupo lançou oficialmente com vários bônus, para combater a pirataria. 300 mil pessoas viram o grupo no auge, após uma pá de grandes discos. No documentário History of Iron Maiden – Part 2, um desses bônus, Steve Harris confirma que foi o maior público que já viu a banda. No DVD, estão presentes Aces High, 2 Minutes to Midnight, The Trooper, Revelations (com a cena em que Bruce Dickinson aparece com o rosto sangrando, após se chocar com a guitarra de Dave Murray, lembra o empresário do então quinteto, no documentário), o imortal riff de Powerslave, que acaba servindo de mote para um solo de guitarra de Murray), Iron Maiden (e a aparição da mascote Eddie, em versão mumificada – a banda havia dado um fim ao “monstro” na turnê anterior… tem essa lógica, hahaha!), Run to the Hills (Bruce grita em português: “quero-todo-mundo-louco-esta-noite”) e Running Free.

Continuar lendo “Iron Maiden, Rock in Rio, 11/1/1985”

Uma jornada pelo mundo do metal

metal_defUm antropólogo faz um filme sobre heavy metal. Se você acha que o resultado pode ser acadêmico ou cheio de estigmas, se enganou. O canadense Sam Dunn e sua turma da Banger Productions são os responsáveis por Flight 666, o documentário da recente turnê do Iron Maiden. Antes, filmaram este Metal – Uma Jornada pelo Mundo do Heavy Metal (Metal – A Headbanger´s Journey) e sua sequência Global Metal. Sam Dunn ancora o filme se revelando um fã de heavy metal “desde criancinha”. Busca as origens do som (Sabbath, claro), do termo heavy metal,dos símbolos, fala dos problemas com a censura, destrincha os subgêneros, viaja à Alemanha para curtir o festival Wacken e à Noruega para investigar o braço radical do black metal nórdico, que queima igrejas e o próprio filme.

Metal, a jornada de Sam Dunn, é um filme de fã que não deixa de documentar e tem humor. Alice Cooper (pioneiro do rock horror show) tira sarro desse pessoal do black metal nórdico (que ele compara ao filme Spinal Tap). Ronnie James Dio não perde uma chance para zoar de Gene Simmons. E num dos extras tem até uma moça que faz dança do ventre ao som de metal pesadaço. E o que mais? Continue lendo. Continuar lendo “Uma jornada pelo mundo do metal”

Metal 5.1

flight666 23 shows em 5 continentes em apenas 45 dias. O Iron Maiden parece seguir o discurso de Winston Churchill que abre Aces High e shows da tour Somewhere Back in Time. Não desiste de lutar pelo heavy metal. O DVD do filme Flight 666, exibido nos cinemas no final de abril/começo de maio, vem com um disco extra: 16 músicas, filmadas em 16 cidades diferentes. De Mumbai a Toronto, o repertório da turnê, que esteve aqui em 2008 e 09 a bordo do Ed Force One. Continuar lendo “Metal 5.1”

Maiden 9.0: “Fear of the Dark”, 11/05/92

fearofthedark Nono disco de estúdio do Maiden, Fear of the Dark chegou ao nº2 da parada inglesa. Quem poderia imaginar que quando o grupo anunciou  turnê no Brasil em 1992 – a primeira da Donzela por aqui desde o show único do Rock in Rio – aquele seria o último trabalho de Dickinson no Maiden até o ano 2000, hein?

O disco está representado na atual turnê – muito bem representado – pela música Fear of the Dark. Um dos pontos altos do show de ontem à noite no Rio, com alta interação banda e público.

E olha que Fear of the Dark, o álbum, outro nº2 nas paradas, teve outras escolhas anteriores como singles. Continuar lendo “Maiden 9.0: “Fear of the Dark”, 11/05/92″

Maiden 8.0: “No Prayer for the Dying”, 1/10/90

ironmaidennoprayerforthedying

O oitavo álbum de estúdio da Donzela de Ferro marcou a estréia do guitarrista Janick Gers, que acabara de participar do primeiro disco-solo de Bruce Dickinson, lançado meses antes. Janick está no Iron até hoje. Só que No Prayer for the the Dying não tem nenhuma canção no repertório da atual turnê. Aproveito para lançar a enquete: quero saber qual é seu álbum preferido entre os discos de estúdio do Iron fase Bruce Dickinson, representados na turnê Somewhere Back in Time. É só clicar. Pode escolher mais de um.

Curiosamente, No Prayer… rendeu o único compacto nº1 do Maiden. Continuar lendo “Maiden 8.0: “No Prayer for the Dying”, 1/10/90″

Metal na tela: “Flight 666”

666poster520No começo dos anos 90, um certo fanzine chamado Headline publicou que só faltava um filme do Iron Maiden feito para o cinema. Pronto, não falta mais. Rolou nesta tarde, no cine Odeon, na tradicional Cinelândia, centro do Rio, a pre-estreia mundial do “rockumentário” Flight 666, que acompanha a turnê do agora sexteto inglês da Índia ao Canadá, a bordo do avião Ed Force One, muitas vezes pilotado pelo vocalista Bruce Dickinson. No filme, as perfomances da banda são apresentadas praticamente na ordem dos shows de 2008, começando por Aces High. Só que entre uma música e outra, há depoimentos da banda e equipe, sobe-sons quase reality show que mostram como cada músico é, ou aparenta ser, e fãs. Fãs que falam indiano, japonês, inglês com sotaque australiano, fãs que viraram músicos (Lars Ulrich/Metallica, Tom Morello, do Rage Against the Machine/Audioslave), espanhol com vários acentos  e português do Brasil. Aliás, os documentaristas Sam Dunn e Scot McFayden (que já tinham filmado Metal:a Headbanger´s Journey e Global Metal) acharam um fã de São Paulo com 162 ou 172 tatuagens relacionadas à Eddie pelo corpo, que inventou uma religião inspirada pelo Maiden(sério, com missa, batina e tudo!). É esse festival de idiomas e sotaques que, aliados à perfeita captação das músicas (em HD), com som potente (5.1), inspirado trabalho de câmera e edição ágil que fazem de Flight 666 um programão. Um filme feito por fãs, como os diretores fizeram questão de dizer, na entrevista dada no palco, junto com Nicko McBrain, após a projeção. Que os fãs de todo o mundo vão gostar. É bom abrir o olho: agora passa nos cinemas na madrugada de 20 para 21 de abril e também nos dias 24 e 25/04. Recomendo a todos fuçar o site da Moviemobz. e Ingresso.com. Pra não ficar sem poltrona no cinema. Depois, só no DVD.  Para ler meu texto sobre o show do Maiden no Rio clique aqui. Para detalhes e curiosidades sobre o filme, clique ao lado. Continuar lendo “Metal na tela: “Flight 666””

Iron Maiden 3.0: The Number of the Beast, 29/03/1982

Foto: Robert Ellis (C) Iron Maiden Holdings 1996/38596 Fonte: EMI

numberofthebeast

A sirene de ataque aéreo – apelido do vocalista  Bruce Dickinson -começou a funcionar pra valer no terceiro disco do Iron Maiden, estreia do cantor na banda inglesa. The Number of the Beast (ouça trechos aqui) foi o primeiro álbum  nº1 do Iron (nas paradas inglesas). Primeiro Top 40 nos EUA. É aquele disco que  mesmo revistas e livros não especializados em rock pauleira elegem para falar do Maiden. Não é à toa que Number mereceu um programa da série Classic Albums, já lançado em DVD no Brasil. Aqui não tem Prodigal Son nem instrumentais. É pau puro, desde a faixa 1, Invaders, até a última, Hallowed Be Thy Name, um clássico de Steve Harris, cheio de mudanças de ritmo e clima, sobre um homem no corredor da morte.  Agora, além do apelo da capa (Derek Riggs), teve dois singles fortíssimos. Continuar lendo “Iron Maiden 3.0: The Number of the Beast, 29/03/1982”