Trilha sonora e quadrinhos para a grande final da Copa da Inglaterra

11214307_10152772550736502_4968279232694529883_n
facebook.com/TheFACup

A final da Copa da Inglaterra (FA Cup) fecha neste sábado a temporada 2014-15 do futebol inglês, já que no outro sábado a final da Champions terá Barça e Juve em Berlim. Arsenal e Aston Villa tem tudo para fazer uma decisão emocionante no imponente Wembley. O Arsenal do Nick Hornby ficou em 3º lugar na Premier League inglesa, se classificou novamente para Champions. O Aston Villa do Geezer Butler e pessoal do bom e velho Sabbath lutou bravamente para não cair – e conseguiu escapar, ufa! Como se não bastasse toda esse clima, a Football Association ainda aproveita para esquentar a final com um projeto chamado #FACupMusic. Sons novos das bandas Muse e Blur e do Leftfield vão estrear publicamente em Wembley. No sistema de som dessa catedral da bola e dos concertos, também vão rolar Noel Gallagher, Stereophonics, Mumford & Sons, Foo Fighters, Paul Weller, Imagine Dragons, The Vaccines, Simple Minds, Kaiser Chiefs etc. Calma gente, não é um festival. É só uma trilha sonora da final. E que trilha!

Lá fora, especialmente na Inglaterra, existem programas oficiais de cada jogo, revistas de diferentes formatos, tem gente que coleciona, que vende, revende, enfim, é um mercado. E a revista oficial da final Arsenal x Aston Villa tem a trajetória dos dois times para chegar à Wembley… em quadrinhos! Obra do ilustrador Stephen Gulbis (The Football Artist) que trabalha direto com futebol em HQs. Foi uma superdica da Trivela (leia aqui a reportagem). E o trabalho do Stephen Gulbis – espetacular – pode ser conhecido aqui, no site do artista.

Continuar lendo “Trilha sonora e quadrinhos para a grande final da Copa da Inglaterra”

Um poster reúne os ídolos de 85 anos de história do São Paulo.

http://pennarellodesign.com/
http://pennarellodesign.com/

Poster em homenagem ao São Paulo Futebol Clube,  num belo trabalho do designer James Campbell Taylor, da Pennarello Design. Imagens de ídolos da história do tricolor, desde o São Paulo da Floresta, fundado em 25 de janeiro de 1930, formam o mapa estilizado do estado de São Paulo (comum nas calçadas da capital).

São reverenciados no poster grandes nomes como Friedenreich, Leônidas, Zizinho, Gerson, Pablo Forlán, Pedro Rocha, Chicão, Waldir Peres, Dario Pereyra, Careca, Müller, Silas, Raí, Zetti, Kaká e, claro, Rogério Ceni. Ainda bem que de ídolos a história do São Paulo está cheia, porque os cartolas, ultimamente, dão vergonha!

O poster do São Paulo pode ser comprado neste link aqui, no site da Pennarello. O designer James Campbell Taylor é  inglês de Nottingham, viveu na Itália e hoje mora em Nova York. É fanático por futebol, sua história e coleciona uniformes “vintage” de clubes e seleções. Mantém um site muito bacana, o Shirt Tales, em que não só mostra as peças de sua coleção, como aos poucos vai acrescentando textos que contextualizam a história dos times e jogadores que vestiram os #mantos clássicos. James Taylor fez duas séries de ilustrações que já recomendamos aqui no blog: cartazes alternativos para todas as Copas e a série Long Play Football Club, onde imaginou capas super estilosas para discos imaginários de craques dos gramados.   Vale a pena conferir. Continuar lendo “Um poster reúne os ídolos de 85 anos de história do São Paulo.”

Exposição virtual: 32 seleções, na arte de Lais Sobral.

Publicado em julho de 2014

Em meados de 2013, quando as seleções visitantes começaram a garantir suas classificações para o Mundial 2014 no Brasil, o Fut Pop Clube passou a publicar as ilustrações que a artistas plástica brasileira Lais Sobral criou, em homenagem a cada país participante. De junho de 2013 até a Copa, a artista inventou mascotes virtuais para todas as seleções. Foram 33 bichos, incluindo uma ilustração extra para a Colômbia. Só o leão com uma indomável juba que ela criou para a seleção de Camarões teve mais de 1.500 cliques, durante o ano.

Gostaria de agradecer publicamente à Lais Sobral, por emprestar sua arte para o Fut Pop Clube. Como comentou um repórter amigo, merecia uma exposição. Está aqui, pelo menos virtualmente. Super obrigado! Valeu muito!

Clique em qualquer imagem da galeria para ver a ilustração num tamanho maior.
Primeiro, os semifinalistas. Alemanha, Argentina, Holanda, Brasil.


Agora, quem chegou até as quartas de final. Colômbia, França, Costa Rica e Bélgica. Continuar lendo “Exposição virtual: 32 seleções, na arte de Lais Sobral.”

Mural de craque

No elegante bairro do Sarrià, em Barcelona, são muito poucas as lembranças do velho estádio do Espanyol, que em 5 de julho de 1982 recebeu o clássico Itália 3×2 Brasil – como mostrou o rolê do Fut Pop Clube ao lado do jornalista colombiano Wilmar Cabrera, autor do livro “Los Fantasmas de Sarrià Visten de Chandal”.
Mas a uns 9 mil quilômetros deste quarteirão de Barcelona, um dos cinco gols da partida mais famosa do Mundial de 1982 – a verdadeira decisão – é retratado por um mural do artista brasileiro Eduardo Kobra. O golaço de Paulo Roberto Falcão -o segundo na derrota fatal contra a Squadra Azzurra- e alegria do camisa 15 canarinho (eternizada pelo clique de J.B.Scalco, para a “Placar”) merecem a atenção de quem passa pela esquina das avenidas Hélio Pellegrino e Santo Amaro, na zona sul de São Paulo.
Sintomático que os brasileiros guardem uma imagem de uma das derrotas mais doídas da Seleção (ao lado do Maracanazo de 1950). Aquela Seleção não ganhou a Copa. Encantou o planeta bola. Ganhou o mundo. Aquela era uma Seleção pela qual valia a pena chorar, como mostrou a célebre capa do “Jornal da Tarde” sobre a foto de Reginaldo Manente.

Mural do Studio Kobra com o gol de Falcão contra a Itália.
Mural do Studio Kobra com o gol de Falcão contra a Itália, sobre a foto de J.B. Scalco para a “Placar”

Parece que as árvores querem cumprimentar e abraçar o Falcão por seu gol”, disse o jornalista Wilmar Cabrera, colombiano radicado na Barcelona do antigo estádio Sarrià. A vitória da Azzurra de Bearzot (que não era fraca, não – longe disso!) é o tema do livro  de Wilmar Cabrera,”Los Fantasmas de Sarrià Visten de Chándal”.

Depois da Copa de 1982, não foram muitos os jogos de Mundial em que a Seleção Brasileira encantou.

Que o Brasil volte a jogar bonito.

Sem Neymar, isso vai ser um pouco mais difícil. Não impossível.

E se perder? Bola pra frente. Vamos continuar curtindo a Copa, por favor? Ela tá maneira demais.

A derrota em 1982 não foi o fim das carreiras de Telê, Sócrates, Zico, Toninho Cerezo, Junior e cia. Pelo contrário. Ganharam muitos títulos mais.

Em 2006, a Alemanha sediou o Mundial e festejou o terceiro lugar. Olha ela aí de novo…

Tenho um pressentimento que boa parte desta segunda família Scolari ainda pode dar muitas alegrias à torcida brasileira. Continuar lendo “Mural de craque”

Os cartazes alternativos que o designer James Taylor redesenhou para os Mundiais, de 1930 a 2014.

Publicado em junho de 2014

Brasil 1950, por James Taylor: http://pennarellodesign.com/
Brasil 1950, por James Taylor: http://pennarellodesign.com/
Brasil 2014, por James Taylor : http://pennarellodesign.com/
Brasil 2014, por James Taylor : http://pennarellodesign.com/

No começo deste ano de Mundial, o designer James Taylor – que já foi tema de post aqui no blog, quando desenhou capas de discos imaginários de superstars da bola – também bolou cartazes virtuais para todas as Copas do Mundo, do Uruguai 1930 ao Brasil 2014. Muito bons.

Veja no slide-show abaixo os pôsteres que James Taylor bolou para os anos em que o Brasil conquistou a taça do mundo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Também gostaria de destacar os virtuais cartazes do Mundial de 1938, na França… Continuar lendo “Os cartazes alternativos que o designer James Taylor redesenhou para os Mundiais, de 1930 a 2014.”

Astros da bola retratados como superstars da música, na série #LPFC (Long Play Football Club).

Publicado em abril de 2014

lp-12-socrates
S e n s a c i o n a l  a série LPFC do designer James Taylor, no site Pennarello Design. LP é de LP, mesmo, long play, o velho disco de vinil que virou uma coqueluche para os colecionadores, sustentando feiras, lojas e sites. Pois bem. O artista gráfico imaginou como seriam as capas de discos “gravados” por craques da bola, do doutor Sócrates ao Valderrama. Também estão na imaginária coleção de vinil de James Taylor artes sobre Pelé, Zico, Zidane, Maradona, Beckham, Ronaldo, Eusébio, Beckenbauer, George Best, Cruyff, Kempes, Jairzinho, Maradona, Platini, Bobby Charlton, Gerd Müller, Van Basten, Roger Milla, Baggio etc.

Que requinte, o detalhe dos selos. Sire no caso do “disco” do doutor… Blue Note, no caso de Ronaldo Fenômeno, um dos destaques entre os craques brasileiros retratados pelo designer (veja na galeria abaixo).

Alguns desses craques gravaram músicas realmente, de memória lembro de Pelé, Sócrates e Zico, que batucou com Raimundo Fagner. Uma lista muito mais completa está no livro “Futebol no País da Música”, de Beto Xavier.

Sem esquecer do samba gravado por Júnior para a Copa de 1982, que fez um sucesso danado com o refrão “Voa Canarinho”. Vendeu muito.

A série de ilustrações LPFC já está disponível para compra: http://society6.com/jamescampbelltaylor. Confira aqui a série toda.

 

O mascotinho virtual bolado por Lais Sobral para a seleção mexicana.

Agora, esquenta. Começou a mania do álbum de figurinhas da Copa! Todo mundo quer colecionar, trocar, completar o álbum logo. Algumas lojas estão cheias de  roupas, quinquilharias e traquitanas verde-amarelas, inclusive caxirolas.

O Fut Pop Clube está quase completando a coleção. Calma, não o álbum da Panini. Mas a série de mascotinhos virtuais inventados pela artista plástica Lais Sobral em primeira mão aqui pro blog. A ilustração da semana é uma homenagem da artista ao México. Será que a seleção mexicana morde alguns pontos no grupo A, onde está o Brasil?

https://www.flickr.com/photos/lais-sobral/
https://www.flickr.com/photos/lais-sobral/

Abaixo, uma galeria com as ilustrações que a Lais fez para o Brasil e os outros 7 campeões do mundo, reunidos pela primeira vez. Copa das Copas ou Copa do Caos?

  • A série completa pode ser vista aqui. Ou acolá.