Rio 2016: as seleções na corrida do ouro olímpico.

Já estão definidas as seleções que vão tentar uma das medalhas no torneio de futebol masculino, nos jogos do Rio 2016, a partir de agosto. Brasil, Argentina, Colômbia, Alemanha, Dinamarca, Suécia, Portugal, Fiji, México, Honduras, Nigéria, Argélia, África do Sul, Japão, Coréia do Sul e Iraque.
Para sorte de Dunga – ou quem estiver no comando da seleção olímpica do Brasil- o Uruguai não estará na final do Maracanã porque nem se classificou. Triste pro torneio. Mas tem outras seleções de tradição e é bom que Neymar e cia joguem muita bola se quiserem chegar ao pódio, quanto mais pensar na inédita medalha de ouro, ansiosamente aguardada.

O futebol olímpico vai ter jogos também em outras milionárias (e até bilionárias) obras do Mundial 2014: Arena Corinthians, Mineirão, estádio Nacional Mané Garrincha, Fonte Nova e no grande elefante branco que é a Arena da Amazônia.

Dentro do post, você confere 10 mascotinhos virtuais de seleções imaginados pela artista plástica Lais Sobral, especialmente aqui pro blog, antes da Copa de 2014.
Continuar lendo “Rio 2016: as seleções na corrida do ouro olímpico.”

O Peñarol abriu seu estádio. E Diego Forlán marcou o gol inaugural.

O Peñarol abriu seu estádio. E Diego Forlán marcou o gol inaugural.

28 de março de 2016

Camiseta do Peñarol preparada a noite de gala. IMAGEM: facebook.com/OficialCAP/
Camiseta do Peñarol preparada a noite de gala. IMAGEM: facebook.com/OficialCAP/

O River Plate atravessou o rio da Prata para participar da inauguração do estádio Campeón del Siglo, o alçapão novinho em folha do Peñarol. E que festa linda em ouro e negro fez a hinchada manya. Bola rolando, o portero millonario Barovero se machucou e o dono da casa nova foi aproveitando. Tal qual um filme de Hollywood, coube exatamente a um ídolo carbonero, o camisa 10 Diego Forlán, filho de outro ídolo do Peñarol, Pablo Forlán, inaugurou o placar, aproveitando jogada de Murillo e com uma certa colaboração do goleiro reserva do time de Buenos Aires, Julio Chiarini. Depois, Forlán retribuiu e Murillo marcou o segundo. O River descontou, mas acabou levando uma goleada. Placar final do histórico jogo de inaguração: Penãrol 4×1 River.

Talvez seja tarde demais pra influenciar na campanha da Libertadores 2016. A situação aurinegra é complicada, como a de outros grandes sul-americanos. Mas certamente pode ter uma influência nas próximas copas.

1910383_1000004143424487_6541413896621249756_n
facebook.com/OficialCAP/
  • Capacidade: 40 mil carboneros
  • Custo: 40 milhões de dólares, 146 milhões de reais (valor de março de 2016), pechincha para os padrões das “arenas” brasileiras da Copa de 2014.

O pôr do sol é grátis! Continuar lendo “O Peñarol abriu seu estádio. E Diego Forlán marcou o gol inaugural.”

Rock Flu 124: especial futebol de botão.

Rock Flu 124: especial futebol de botão.

Imagine escalar o seu ‘dream team’, o time dos sonhos do seu clube de coração, da seleção canarinho ou de outra seleção. E ainda jogar uma partida de futebol de botão com esse timaço, reencenar finais clássicas, tentar reescrever o roteiro de uma decisão. Ou então inventar um time, como os das bandas Beatles, Iron Maiden e The Who, já garantidos na 1ª Rock Flu Cup de Futebol de Botão, neste domingo, 3 de abril, num novo bar na Barra da Tijuca, o Beer Joe Rock Bar.  Toda essa brincadeira é possível com o futebol de botão, tema de uma edição especialíssima do programa Rock Flu, que está comemorando 10 anos na rede.
10153672_1755691104665549_2396657563466087275_n
O convidado dos tricolores Gustavo Valladares e Sérgio Duarte, apresentadores do . é o Luciano Araújo, que produz os Botões Clássicos e tem organizado torneios de futebol de botão em Sampa – a Rock Flu Cup é a primeira taça no Rio. O papo sobre futebol, botão e rock é intercalado com sons de bandaças como Foo Fighters, Guns N’Roses, Scorpions, o glorioso Thin Lizzy, os seminais Ramones, Clash e Nirvana, e até o brasileiro Ratos de Porão! Continuar lendo “Rock Flu 124: especial futebol de botão.”

Coluna de Música do Fut Pop Clube

Foto: The Ultimate Music
Foto: The Ultimate Music

Joey Belladona, o vocalista da banda Anthrax, que abre o show do Iron Maiden neste sábado, no Allianz Parque, ganhou uma camisa do time de futebol americano do Verdão, Palmeiras Locomotives. O pesadíssimo Anthrax é de Nova York e é contemporâneo da geração de bandas como Metallica, Slayer e Megadeth, com quem forma o Big 4 do thrash metal americano. Belladona, Scott Ian, Frank Bello, Charlie Benante e  Jon Donais estão na turnê do álbum For All Kings, o 11º da banda.

No  sábado, dia do show, o pessoal do Iron Maiden, headliner da noite de peso no estádio do Palmeiras, deve ganhar uma camisa do alviverde.

Continuar lendo “Anthrax alviverde”

Tributo a Cruyff (1947-2016)

Neste post, vamos ver a repercussão da morte de Johan Cruyff. “El Flaco”, o Holandês Voador, morreu nesta quinta-feira, 24 de março de 2016, aos 68 anos, de câncer de pulmão. A começar pelas capas de alguns jornais esportivos que vão para as bancas nesta sexta-feira.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Na página oficial de Romário no Facebook, o baixinho falou do ex-treinador:

Tive o privilégio de tê-lo como treinador quando joguei pelo Barcelona.
Ele foi, sem dúvida, o melhor treinador que tive, seus ensinamentos serão eternos na minha vida.
Costumo dizer que ele me desafiava muito como jogador e eu buscava ganhar sempre! Até porque seu objetivo era colher bons resultados para a equipe.
Ele sabia como poucos valorizar e explorar o que cada membro da sua equipe tinha de melhor e ele sabia que minha habilidade era fazer gols.
Ele também era uma pessoa justa. Lembro que eu sofria um pouco pela distância de casa. Naquela época, eu era o único jogador do Barcelona de fora da Europa. Ele, então, me concedia alguns dias a mais de folga para que eu pudesse descansar em casa.
Ele se foi precocemente, mas seu legado para o esporte fica. Hoje o futebol perde um de seus maiores ícones e eu perco um amigo.
Descanse em paz, mestre Cruyff.”

Continuar lendo “Tributo a Cruyff (1947-2016)”

Johan Cruyff. Camisa #14 do time dos sonhos de todos os tempos.

Johan Cruyff. Camisa #14 do time dos sonhos de todos os tempos.

Imagem destacada (acima): https://www.worldofjohancruyff.com/

Morreu Johan Cruyff, 68 anos de rebeldia e revolução. O franzino “El Flaco” tinha forte personalidade, a ponto de tirar uma das listras das mangas do belo uniforme cor de laranja porque o seu patrocinador não era o mesmo da seleção holandesa, que liderou na campanha do vice-campeonato mundial, em 1974, na Alemanha. Eram os tempos do Futebol Total – sua Laranja Mecânica, o Carrossel Holandês, deu um banho nas maiores seleções sul-americanas naquele Mundial.  No Ajax, já tinha sido campeão de tudo – seis vezes campeão holandês, quatro da Copa da Holanda, tricampeão europeu, campeão do mundo (Copa Intercontinental, em 1972).  No Barça, virou o holandês voador por causa deste gol aqui. contra o Atlético de Madrid, e o gigante azul e grená voltou a ser campeão espanhol depois de 14 anos! Jogou também nos EUA (LA Aztecs, Washington Diplomats), no Levante, de Valência, pertinho da Catalunha, e voltou a ser campeão holandês no Ajax e no rival Feyenoord. Retornou ao Camp Nou como técnico, tetracampeão espanhol, e pela primeira vez o Barça foi campeão europeu com o Dream Team treinado por Cruyff. Seu estilo de jogo está no DNA do Barça pra sempre. 

Pra sempre, Cruyff vai ser o camisa 14, titular do time dos sonhos de todos os tempos.

A trajetória de “El Flaco” é brilhantemente contada numa animação do canal Campeones, na série Draw My Life.

Continuar lendo “Johan Cruyff. Camisa #14 do time dos sonhos de todos os tempos.”

Fla-Flu em Sampa: clássico das multidões levou 30 mil ao Pacaembu.

Fla-Flu em Sampa: clássico das multidões levou 30 mil ao Pacaembu.

DSC07772O samba campeão de Neguinho da Beija-Flor poderia ter sido alterado neste 20 de março de 2016:

Domingo/eu vou ao … Pacaembu

IMG_20160320_180339E trinta mil pessoas foram ao Pacaembu para torcer pelo time de que são fãs, ou simpatizantes, ou ainda para testemunhar um Fla-Flu histórico. Sem Maracanã nem Engenhão, Flamengo e Fluminense jogaram pela segunda vez na história no estádio Paulo Machado de Carvalho, a mais de 400 km do Rio. Um clássico que mostrou o potencial de atração do futebol carioca. Seja no Maraca, em Brasília, Manaus ou Sampa.

IMG_20160320_212144As torcidas deram as caras, especialmente a rubro-negra. Mas sem as bandeiras que fazem a colorida festa no Maraca – os mastros são proibidos nos estádios de Sampa, o futebol ficou devendo. Verdade que tinha um sol para cada jogador, pra cada torcedor, numa tarde de Pacaembu carioca – faltou o mate e o biscoito Globo. E gols, ao menos. Um 0x0 como em 1942.

Este slideshow necessita de JavaScript.


Continuar lendo “Fla-Flu em Sampa: clássico das multidões levou 30 mil ao Pacaembu.”