Banda Bate Bola

Coluna de Música Fut Pop Clube

Saiu em 2013 o CD da Banda Bate Bola, uma seleção de dez músicas da MPB boleira, a música popular que canta o futebol. Espero que seja só o primeiro da banda formada por Afonso Machado (bandolim, arranjos instrumentais), Ruy Faria (ex-MPB-4, voz e arranjos vocais), Tiago Machado (filho de Afonso; violão, cavaquinho, arranjos instrumentais) e Chico Faria (arranjos vocais; é filho de Ruy e da Cynara, do Quarteto em Cy, outro grupo vocal que gravou um belo disco com canções de Chico Buarque). A BBB (Banda Bate Bola, no caso) conta ainda com Diego Zangado na bateria e João Faria no baixo (no CD, Pretinho da Serrinha toca percussão).

http://www.ruyfaria.com/banda-bate-bola/
http://www.ruyfaria.com/banda-bate-bola/
  • E a Banda Bate Bola é uma das atrações da série de shows inspirada pelo livro do Beto Xavier, “Futebol no País da Música”, durante três fins de semana de fevereiro, no Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio. A Banda Bate Bola vai tocar no segundo fim de semana da série, 14 e 15 de fevereiro, 21h, numa noite que ainda terá Kleiton & Kledir, na tenda externa do CCBB carioca. Ingressos a 10 reais (5 a meia).

Já que canções que falam de futebol são uma das paixões da Coluna de Música e do Fut Pop Clube, vamos fazer um faixa a faixa do CD Banda Bate Bola. Continuar lendo “Banda Bate Bola”

Há 94 anos, Friedenreich marcou um gol que virou clássico – da música.

Dica do Facebook do Museu do Futebol

FutPopClube.com
FutPopClube.com

Estádio das Laranjeiras, 29 de maio de 1919. Decisão do Sul-Americano. Brasil x Uruguai.

Numa jogada emocionante, o nosso time venceu por um a zero e a torcida vibrou.

O gol de Friedenreich, que 7 décadas depois inspirou a linda letra de Nelson Angelo para “1×0”, o chorinho já clássico de Pixinguinha e Benedito Lacerda, saiu na 3ª prorrogação. 122 minutos de clássico. O Sul-Americano de 1919 é tido como o primeiro grande título da Seleção – que ainda não era Canarinho. Usava camisas brancas, só abandonadas após o vice na Copa de 1950, diante do mesmo Uruguai.
Aproveito a efeméride para recomendar algumas versões de “Um a Zero”: a do próprio Nelson Angelo, a do grupo vocal Arranco de Varsóvia, a de Pedro Lima e a instrumental do grupo Choro das 3.
E livros. “Friedenreich – A Saga de um Craque nos Primeiros Tempos do Futebol Brasileiro”, recém-lançado,  “Sul-Americano de 1919 – Quando o Brasil descobriu o Futebol”, de Roberto Sander. “Futebol no País da Música”, de Beto Xavier”. de “A Presença do Futebol na Música Popular Brasileira”, de Assis Angelo.
Para saber mais sobre a história do estádio das Laranjeiras, a primeira casa da Seleção, vale a pena dar um rolê pela Sala de Troféus do Fluminense. É um museu sensacional, muito interativo.

Projeto Mais que Bola na Vila Madalena

Publicado em 23 de março de 2011

1ª formação da Folha Seca Futebol e Música FOTO: Sofia Mattos/divulgação

Um show do grupo Folha Seca Futebol e Música abre esta noite o projeto Mais que Bola, do Centro Cultural Rio Verde (Vila Madalena, SP). Música, debates, projeções, performances e até futebol no telão! Quarta-feira sim, quarta não. Hoje é de graça, a partir de 18h. Na próxima, a entrada custa 15 reais.

O show começa um pouco depois. No repertório da banda Folha Seca, fundada em 2009,  clássicos da MPB boleira, de Um a Zero (Pixinguinha/Benedito Lacerda) a Skank, passando por Jorge Ben Jor, Novos Baianos, Milton Nascimento, Chico Buarque… Continuar lendo “Projeto Mais que Bola na Vila Madalena”

Choro das 3. “Um a Zero”, de goleada.

No meio de um grande 2010 para shows de rock, o post mais lido do ano até agora da Coluna de Música do FutPopClube é sobre chorinho: um perfil do grupo Choro das 3. Sempre com o pai no pandeiro, as meninas estarão nesta quinta-feira na universidade Anhembi-Morumbi, em São Paulo. São dois horários: às 20h30, um workshop; e às 21h30, um pocket-show. Tudo de graça, no campus Roque Petroni Júnior da universidade. Confira abaixo o texto  da Coluna de Música publicado no começo do ano.

Eduardo, o pai, no pandeiro; Corina, Elisa e Lia. O grupo Choro das 3. FOTO: Cristina Meyer/divulgação

Feijoada tradicional no verão. De repente, escuto uma sensacional versão de “Um a Zero“, clássico do choro, de Pixinguinha e Benedito Lacerda. Tão boa que mentalmente fui cantando a letra feita pelo Nelson Angelo. Era um show do grupo Choro das 3que toca clássicos do gênero e chorinhos de própria lavra, como no CD de estreia pela Som Livre, “Meu Brasil Brasileiro“. Convidei o conjunto para preencher uma fichinha tipo consumidor cultural. E as irmãs Corina (flauta), Lia (violão) e Elisa Meyer (bandolim), mais o pai, Eduardo Roque, no pandeiro, deram uma goleada de conhecimento musical. Família afinada, aponta com quase unanimidade que o melhor show do grupo foi na Virada Cultural Paulista, em 2009. Também gostei de saber que o pai guarda na memória o show do Queen no estádio do Morumbi, começo dos 80, como o melhor que já viu. Abaixo, as respostas de cada um dos integrantes. Continuar lendo “Choro das 3. “Um a Zero”, de goleada.”

Um dos muitos gols de Paulo Moura

Gostaria de prestar uma homenagem ainda que tardia ao clarinetista e saxofonista Paulo Moura. 1997. Nome do CD: Pixinguinha – Paulo Moura & Os Batutas, gravado ao vivo no Rio de Janeiro. Pixinguinha… blog sobre futebol… não tem outra. “Um a zero”. Choro clássico. Golaço de Paulo Moura, em disco tributo ao centenário de Pixinguinha, revivendo o octeto, formação dos Batutas.