Torcida única: solução pra quem?

4 de abril de 2016

Pra começo de conversa, é lamentável receber todo domingo logo cedo notícias de brigas de torcidas organizadas Brasil afora. Algo que volta à parte policial dos meios de comunicação agora que os estaduais se aproximam da reta final. Semana passada, foi em BH. Ontem, na Grande São Paulo. E olha aí, saiu esta noite a reação da Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo aos confrontos antes do dérbi Palmeiras x Corinthians: a partir de agora e até o fim de 2016, os clássicos envolvendo os quatro maiores times do estado vão ser disputados com torcida única.

Uma medida há tempos discutida (e discutível), que pode até diminuir, mas não vai acabar por si só com as brigas de torcedores longe do estádio, em estações de transporte e praças, como foram os três principais confrontos de torcedores ontem.

Pode ter clássico de torcida única, mas quem garante que quem quiser sair de casa pra brigar não vai se reunir  em outro canto?

Outra medida polêmica: já a partir desta terça-feira, em que o São Paulo vai receber o Trujillanos, as torcidas estão proibidas de entrar nos estádios paulistas com faixas, instrumentos ou outros objetos que as identifiquem. Em qualquer jogo, com qualquer time, inclusive de outro estado ou país, no estado de S.Paulo.

Fim das bilheterias – E a partir do Brasileirão, que começa em maio, venda de ingressos no estado de S.Paulo só pela internet. O objetivo das autoridades de segurança é coibir a doação de ingressos por diretorias de clubes a torcedores organizados. Radical essa medida, seu objetivo é válido, mas sempre vai ter um jeitinho de driblar. Continuar lendo “Torcida única: solução pra quem?”

“Entre os Vândalos”

Um grupo de torcedores de uma organizada espanca até a morte um torcedor de organizada (e pai de família) de outro time.
Um grupo de torcedores organizados invade o centro de treinamento do time de preferência deles para ameaçar jogadores.
Um grupo de torcedores ofende um jogador de futebol de um país amigo por causa da cor da pele dele.
2014 não começou bem, para aqueles que torcem não para uma organizada, mas pela paz dentro e fora dos estádios, para quem sabe um dia voltar a frequentar os estádios… perdão, arenas…  em dias de dérbis. Poder sair na rua com a camisa do time sem ficar com medo de um ataque covarde como o da primeira linha desse texto.
2014 não começou mesmo nada bem, como 2013… que não começou nem terminou bem, de Oruro à Arena Joinville.
E aí que entra o livro que indico neste post. “Entre os Vândalos” (Companhia de Bolso), do jornalista americano Bill Buford (Granta, The New Yorker). Subtítulo: “a multidão e a sedução da violência”.
80138_g
Bill Buford morou na Grâ-Bretanha e se “incorporou” às torcidas organizadas, especialmente do Manchester United, para tentar entender o fenômeno do hooliganismo. Faz um relato detalhado dos anos e anos que passou acompanhando os hooligans, e sofreu na pele -ele mesmo, o autor -as consequências. Escolhidas outras cores para seguir, poderia estar entre os mortos das tragédias de Heysel ou de Hillsborough. É assustador. O livro foi lançado lá fora em 1991, quando as coisas começaram a se acalmar pelo menos dentro dos estádios ingleses, com as medidas do relatório Taylor.

Que seja objeto de estudo, levado em consideração, no país da Copa. Antes, durante e depois do Mundial.

Continuar lendo ““Entre os Vândalos””

La Doce. Livro conta a “explosiva história da torcida organizada mais temida do mundo”.

Publicado em 21/11/2012

PandaBooks.com.br

La Bombonera tem uma atmosfera inacreditável para ver futebol, sem dúvida, a torcida dá show, canta sem parar.
Infelizmente, nem tudo é alegria.
O excelente livro-reportagem do jornalista argentino Gustavo Grabia, “La Doce – A Explosiva História da Torcida Organizada Mais Temida do Mundo” foi lançado pela Panda Books no Brasil. Em julho, tive a oportunidade de assistir a uma  palestra do autor Gustavo Grabia aqui em São Paulo e pude saber ainda mais sobre a organização mafiosa dessa e de outras “barras bravas” – como elas ameaçam jogadores e dirigentes que não aceitam fazer parte do esquema, lavam dinheiro, movimentam grandes orçamentos mensais e contam com a complacência de autoridades. O Grabia contou que La 12 tem até contrato com fornecedora de uniforme! Não é só torcida de um time contra a “barra” do clube rival. Tem briga – de morte – de facção contra facção – da mesma organizada!!!  Continuar lendo “La Doce. Livro conta a “explosiva história da torcida organizada mais temida do mundo”.”