As melhores seleções de todos os tempos

Publicado em 8 de fevereiro de 2010
“As Melhores Seleções Brasileiras de Todos os Tempos” é do jornalista Milton Leite, narrador do Sportv desde 2005.  “As Melhores Seleções Estrangeiras de Todos os Tempos“, do jornalista Mauro Beting, rádio e TV Bandeirantes, diário Lance!, entre muitos outros canais.  Ambos lançamentos da editora Contexto.

As capas já mostram quais foram os escretes escolhidos pelos autores. No alto, à esquerda, os  capitães Bellini, Mauro, Carlos Alberto Torres, Sócrates, Dunga e Cafu. Cinco levaram a Taça do Mundo, que aliás está em turnê pelo Brasil; o doutor, não. Preparado para as polêmicas, Milton Leite soma na sua seleção de seleções brasileiras o time que encantou o mundo na Copa da Espanha, em 1982. Brilhou, mas não levou,infelizmente. Aquela derrota do time de Telê Santana provavelmente foi a última vez em que eu fiquei muito triste com uma derrota da Seleção em Copas (em 86, 90, 98, 2006, fiquei passado, pra não dizer outra coisa, ou indiferente). Comecei a ler agorinha e acho que pode ser uma boa leitura para quem tem interesse na história da seleção brasileira. Em cada um dos 6 capítulos, muitos bastidores das conquistas (ou da derrota), sempre um box com um jogador que ficou de fora da lista final e um verbete sobre os convocados a cada Copa abordada.
Para “As Melhores Seleções Estrangeiras de Todos os Tempos“, Mauro Beting escolheu a Hungria de 1954,a laranja mecânica da Holanda de 74 que, como o time de Telê de 82, encantaram, mas não ergueram a Copa, a Inglaterra campeã de 66, a Alemanha que dobrou o carrossel holandês em 74, a Itália de Bearzot que eliminou o Brasil de 82, a Argentina da mão e pé esquerdo de Deus e de Maradona em 86 e a França multirracial de Zidane em 98. Continuar lendo “As melhores seleções de todos os tempos”

Seleção de cabeceira

Fut Pop Clube aproveita a classificação do Brasil para a Copa do Mundo de 2010 para publicar dicas de livros sobre a Seleção, novamente feitas por Domingos D´Angelo, do MemoFut. “Dois livraços”, nas palavras do colecionador.

– “Enciclopédia da Seleção (As Seleções Brasileiras de Futebol – 1914-2002)“, de Ivan Soter, pela editora Folha Seca. 500 páginas. De 45 a 40 reais[é o da bela capa ao lado, cheia de flâmulas].

– “Todos os Jogos do Brasil”. De Ivan Soter, André Fontenelle, Mario Levi Schwartz, Dennis Woods e Valmir Storti. Editado pela Abril/Placar. [Seu Domingos avisou que o livro está “meio escondido” e realmente não encontrei na loja Abril na internet – deve estar fora de catálogo].

Domingos D´Angelo cita ainda dois livros recentes.

A 1ª Vez do Brasil– “A Primeira Vez do Brasil – Campeão Mundial de 1958“, de Francisco Michielin, editora Maneco, 2008, 352 páginas. De 42 a 50 reais.

E o outro foi bem falado nos últimos dias:

– “Brasil x Argentina – Histórias do Maior Clássico do Futebol Mundial (1908-2008), do professor Newton César de Oliveira Santos. Editado em 2009 pela Scortecci (capinha ao lado). 616 páginas. 60 reais. Newton César escreveu interessante artigo para o caderno Aliás, do Estadão deste domingo, 6 de setembro: Cenas de uma cordialidade esquecida (leia aqui). No artigo, o professor cita clássicos de 1914, 1939 e até 2005 em que houve troca de gentilezas (que como sabemos, geram gentilezas) e não um festival de pontapés.


Leia ou releia as dicas anteriores:

Biografias de craques!

E mais biografias!