O time mais rico do mundo

O time mais rico do mundo

Facebook:  73 milhões de curtidas e contando. Instagram: 17,7 milhões.
Twitter: mais de 11,2 milhões. Google +: quase sete milhões de seguidores.
São os números (em 25/05/17) das redes sociais do Manchester United, o time de futebol mais rico do mundo (Deloitte Football Money divulgado em 2017), mesmo tendo chegado apenas em quinto lugar no Inglês 2015-16. Receita de 689 milhões de euros, quase setenta milhõezinhos a mais que Barça e Real Madrid na temporada 15-16, analisada pelo relatório mais recente da Deloitte. Fruto dos grandes contratos (Chevrolet, adidas), direitos de transmissão de TV, mais a grana que Old Trafford movimenta em dias de jogos (e fora deles!).
No começo de março de 2017, tive a oportunidade de fazer o tour pelo museu do United, que fica dentro do estádio Old Trafford. Como já era um finzinho de tarde, não dava mais para acessar o campo. Era pegar ou largar.

O uniforme do Newton Heath, no começo da linha do tempo do United

A flamulinha ao lado indica o ano de fundação: 1878. Primeiro como Newton Heath, que era verde e amarelo (em 1992, a Umbro fez um terceiro uniforme com o visual verde-amarelo). Só passou a ser chamado Manchester United em 1902. Desde 1910, os Red Devils estão em Old Trafford,  investimento inicial de 40 mil libras, na grande Manchester. Infelizmente, a história do time vermelho tem uma coisa em comum com o Verdão do oeste catarinense. Em fevereiro de 1958, um acidente de avião em Munique acabou com parte de uma jovem geração promissora e já vitoriosa, os Busby Babes, comandados por Sir Matt Busby – que sobreviveu à tragédia de Munique.

Primeira página do Daily Herald, fevereiro de 1958.

Para um brasileiro, é impossível não lembrar da tragédia da Chapecoense em 2016, impossível não se emocionar na sala dedicada aos Busby Babes, que tem vários painéis e gavetas forradas de jornais de 1958.

Homenagem a Matt Busby

Sir Bobby Charlton, Denis Law e George Best, o quinto beatle, o primeiro football star na Inglaterra. 470 partidas, 179 gols pelo Manchester. Com a United Trinity dos Red Devils em campo, Busby levou o United à primeira de três Copas/Ligas dos Campeões, em 1967-68. Dez anos depois da tragédia.

Continuar lendo “O time mais rico do mundo”

Bom programa!

Revista mensal (“Inside United”) e programa oficial de jogo do ManUtd (“United Review”), março de 2017.

Na gigantesca cultura de futebol na Inglaterra, alguns dos itens altamente colecionáveis são os programas oficiais dos jogos – revistas bacanudas que os clubes mandantes vendem a cada partida, seja de Premier League, de Copa da Inglaterra ou de Champions League. Estatísticas, histórico, tabelas, recados dos torcedores (como aniversários), lista dos jogadores relacionados para a partida em foco, as cores dos uniformes, reportagens – inclusive sobre o time adversário. É de babar para o torcedor de um “país do futebol” que praticamente só publica um jornal esportivo de alcance nacional (“Lance!”) e duas revistas de futebol (“Placar”, “Corner”).

A maioria dos grandes clubes também conta com revistas mensais, como você vê aqui na fotos com publicações do Man United e do Liverpool. Sem falar nas revistinhas independentes, editadas por torcedores, praticamente fanzines.

Revista mensal do Liverpool e programa oficial (“This is Anfield”) do jogão contra o Arsenal – março de 2017.

O Chelsea foi o primeiro clube a produzir um programa oficial consistente para dias de partida, segundo um painel informativo no museu de Stamford Bridge, que o blog visitou em março. Isso, já em setembro de 1905! Chelsea FC Chronicle era o nome do programa, editado por Fred Parker. A revista da partida de Copa da Inglaterra contra o Brentford, em janeiro de 2017, fez uma homenagem ao Chronicle de Fred Parker, com uma capa retrô. Muito legal.

O programa oficial do jogo do Chelsea contra o Brentford pela Copa da Inglaterra teve capa retrô – 28 de janeiro de 2017.

Ainda segundo o museu do Chelsea, na temporada 1912-13 o clube vendeu mais de 341 mil cópias. Em 1948, o programa chegou a 16 páginas. E segundo o Chelsea as vendas na temporada 1972-73 atingiram 99 por cento dos espectadores de Stamford Bridge. E isso o que representa para um clube de futebol? Recurso$$$$$$, claro. Desde 1905! Os clubes brasileiros certamente considerariam apenas uma despesa.

Programa oficial de um jogo de Champions que o torcedor do Arsenal certamente quer esquecer.

Cada programa custa entre 3 e 3,50 libras nas megalojas dos clubes ou em stands na frente dos estádios. E claro, na era da internet é possível baixar versões digitais dos programas, por um preço mais em conta. No fim do post, publico os sites de alguns programas dos clubes mostrados aqui.

Folheando revistas inglesas, a gente descobre sites especializados em revender essas revistinhas. Como escrevi no começo do post, uma memorabilia altamente colecionável. Bela lembrança de um jogaço, de uma grande vitória, de uma campanha campeã.

Programa do jogo do City contra o Huddersfield Town pela Copa da Inglaterra – março de 2017

Alguns links:
Continuar lendo “Bom programa!”