Últimos lugares: só faltam 4 jogos do Atleti por La Liga no estádio Vicente Calderón.

Últimos lugares: só faltam 4 jogos do Atleti por La Liga no estádio Vicente Calderón.

O site oficial do Atlético de Madrid avisou, nesta primeira semana de abril: faltam só quatro jogos de La Liga no estádio Vicente Calderón, que vai pro chão quando os rojiblancos enfim mudarem para o Wanda Metropolitano.

Fiesta rojiblanca

Pelas quartas de final da Champions, o Atleti recebe o Leicester no Calderón, na quarta-feira. E em caso de classificação para as semifinais, é claro que voltará a jogar em sua casa.

Adios, Calderón.

E assim, restam pouquíssimos ingressos para este cinco jogos oficiais do Atlético confirmados na temporada de despedida do cinquentão estádio del Manzanares – a final da Copa do Rei será mais uma vez no Calderón: Barcelona e Deportivo Alavés decidem a taça em 27 de maio.

No sábado, dia 8, faltavam umas quinhentas entradas, de acordo com uma rápida pesquisa no site do Atlético.

Duzentas e cinquenta e sete para as quartas da Champions, contra o Leicester, de 70 a 650 euros.

Para a partida contra o Osasuna, no sábado, 15 de abril, 66 ingressos, de 40 a 400 euros.

Para o jogo contra o Villarreal, na terça, 25 de abril, 75 entradas, de 40 a 450.

Contra o Eibar, na antepenúltima rodada, apenas 44 bilhetes, o mais barato a 200 euros.

E para a última partida de La Liga no Calderón, na rodada 38, fim de semana de 20 e 21 de maio, por coincidência ou não entre Club Atlético de Madrid e Athletic Club, de Bilbao (clube também rojiblanco que inspirou a fundação dos colchoneros, em 1903), restam na hora da pesquisa para este post 96 entradas, de 250 à bagatela de 750 euros.

Continuar lendo “Últimos lugares: só faltam 4 jogos do Atleti por La Liga no estádio Vicente Calderón.”

Estádio Ramón Sánchez-Pizjuán, do Sevilla, a ‘bombonera de Nervión’.

Estádio Ramón Sánchez-Pizjuán, do Sevilla, a ‘bombonera de Nervión’.
20160505_215748
RSP, maio de 2016, semifinal da Liga Europa.
20160505_231216
Depois da semifinal contra o Shakhtar, Liga Europa, maio de 2016.

Como fã de futebol, lamento profundamente que o teletransporte da clássica série Jornada na Estrelas não passe de ficção científica. Porque muitas vezes me pego desejando um teletransporte rápido para algum estádio do mundo, para ver alguma partidaça como o Sevilla 2×1 Real Madrid da semana passada. O time de Jorge Sampaoli – que virou, mais do que ídolo, objeto de culto na parte vermelha de Sevilha, o ‘sampaolismo’- quebrou uma invencibilidade de 40 jogos do atual campeão da Europa e do mundo.

O Sevilla de Sampaoli fez a segunda melhor campanha do primeiro turno de La Liga 2016-17. Está nas oitavas da Champions (recebe o Leicester em 22 de fevereiro). Tem cinco títulos recentes de Liga Europa. Um clube que sabe comprar e vender bem seus atletas.

Mas uma coisa que tenho certeza é que, junto com um grande técnico, um elenco muito bom e um ótimo planejamento, joga junto uma afición (torcida) das mais fanáticas da Espanha e o estádio, Ramón Sánchez-Pizjuán, RSP, um caldeirão, tanto que é conhecido também como a “Bombonera de Nervión”, nome do bairro em que está situado. Um estádio que ferve, onde é muito difícil jogar até para dois dos três times mais ricos do mundo. O Sevilla vende caro pontos perdidos para Barça e Real Madrid, isso quando perde esses pontos, em sua casa. Que tem também uma belíssima fachada, um mosaico com um gigantesco distintivo do Sevilla e flâmulas de clubes visitantes do mundo todo, inclusive do Brasil. Obra de Santiago del Campo, para o Mundial de 82.

RSP, maio de 2016
RSP, maio de 2016
Reconhecimento da torcida de Sevilha como jogador 12 da seleção espanhola
Reconhecimento da torcida de Sevilha como jogador 12 da seleção espanhola

E a afición sevillista canta forte o hino do centenário do clube, composto por Javier Labandón, El Arrebato, em 2005. Virou grito de guerra no RSP.

Y es por eso que hoy vengo a verte,
sevillista seré hasta la muerte,
la Giralda presume orgullosa
de ver al Sevilla en el Sánchez Pizjuán

A Giralda, campanário da catedral que é um dos cartões portais de Sevilha, se orgulha de ver o Sevilla no RSP! E como brasileiro, lamento que Paulo Henrique Ganso não tenha ainda maravilhado a Giralda e o RSP. Será que vai emplacar?

O blog Fut Pop Clube fez duas visitas ao caldeirão que é o RSP, por coincidência ambas em partidas de Liga Europa. Em 2011, o dono da casa foi eliminado pelo Hannover 96. Em 2016, depois de quase um dia todo de viagem de ônibus a partir de Lisboa, vi o time de Unai Emeri bater o Shakhtar Donnetsk por 3×1 na segunda partida da semfinal e avançar rumo ao quinto título da Sevilla League, ooops, digo, Europa League.img_20160506_120004

Noite de casa cheia, chuva, tensão no ar e, por fim, festa sevillista.

  • Dos minutitos, senõres – gritava perto de mim um torcedor ansioso para o fim da partida e classificação pra final contra o Liverpool.

Continuar lendo “Estádio Ramón Sánchez-Pizjuán, do Sevilla, a ‘bombonera de Nervión’.”

Catedrais da bola: San Siro | Giuseppe Meazza.

Catedrais da bola: San Siro | Giuseppe Meazza.

1026092_512965008752288_1848091139_o
É uma das catedrais da bola, embora os dois clubes que joguem no estádio queiram casas próprias. O San Siro, que os interistas preferem chamar de Giuseppe Meazza, vai receber em 28 de maio de 2016 a sua quarta final de Liga/Copa dos Campeões da Europa. Justo num ano que nem Milan nem Inter estão na Champions!
1279058_545063065542482_1983927860_o

E quem foi Giuseppe Meazza? Um atacante revelado pela Inter, por volta de 1927, mas que também jogou no rival Milan e na Juve. E com a Squadra Azzura foi bicampeão mundial, em 1934 e 38!
Continuar lendo “Catedrais da bola: San Siro | Giuseppe Meazza.”