Lançamento: “Maracanazo. E Outras Histórias.”

O lançamento da nova camiseta de La Roja, a seleção da Espanha (veja post anterior), é um bom gancho para falar do livro de contos do jornalista Arthur Dapieve, “Maracanazo – E Outras Histórias” (Alfaguara, também disponível como e-book).
maracanazo
A camisa vermelha da Fúria – bem como a camisa também vermelha da seleção chilena, também conhecida como La Roja – são importantes no quinto e último conto, “Maracanazo”, que dá nome ao livro de Dapieve.  Ele não trata da final da Copa de 50, fatídica para os brasileiros e heroica para os uruguaios. Mas de um jogo que foi de vida ou morte para a seleção espanhola na Copa de 2014, contra o Chile, logo depois daquela derrota de goleada para a Holanda, na Fonte Nova, a partir daquele gol espetacular do RVP, o Van Persie. O narrador do conto, Victor, um torcedor espanhol (e do Real Madrid, que nem pronuncia o nome do Barça e não quer nem saber de independência catalã), um sujeito católico e bem de direita, conhece na arquibancada agora colorida do new Maraca uma gatinha com a camisa – vermelha – do Chile. Só que no espectro político, a garota está do lado totalmente oposto ao de Victor.

Em meio a muitas referências aos fatos que antecederam o Mundial de 2014, como os protestos da época da Copa das Confederações – quem já esqueceu o “não vai ter Copa!”? – a ficção de Dapieve é cheia de referências a política, futebol e música, como uma espécie de Nick Hornby dos trópicos, com cenas tórridas. E um final violento e chocante. Alta fidelidade, alta voltagem.

“Maracanazo”, o conto, foi lançado primeiro na França, em março de 2015, como novela independente, a convite de Jean-Marie Ozanne, da editora Folies d’Encre. Ficou em segundo lugar no prêmio Jules Rimet, dedicado à literatura sobre futebol.

Em outros contos, Dapieve fala de pegar “jacaré” em Copacabana (dá pra ler um trecho aqui); de nazismo e música clássica, em Viena, 1939, antes da anexação da Áustria; e do finzinho da era Syd Barrett no Pink Floyd, 1968. Antes das crônicas semanais no Globo e dos contos, Dapieve se destacou como um dos melhores críticos de música do Brasil.
Continuar lendo “Lançamento: “Maracanazo. E Outras Histórias.””

Exposição virtual: 32 seleções, na arte de Lais Sobral.

Publicado em julho de 2014

Em meados de 2013, quando as seleções visitantes começaram a garantir suas classificações para o Mundial 2014 no Brasil, o Fut Pop Clube passou a publicar as ilustrações que a artistas plástica brasileira Lais Sobral criou, em homenagem a cada país participante. De junho de 2013 até a Copa, a artista inventou mascotes virtuais para todas as seleções. Foram 33 bichos, incluindo uma ilustração extra para a Colômbia. Só o leão com uma indomável juba que ela criou para a seleção de Camarões teve mais de 1.500 cliques, durante o ano.

Gostaria de agradecer publicamente à Lais Sobral, por emprestar sua arte para o Fut Pop Clube. Como comentou um repórter amigo, merecia uma exposição. Está aqui, pelo menos virtualmente. Super obrigado! Valeu muito!

Clique em qualquer imagem da galeria para ver a ilustração num tamanho maior.
Primeiro, os semifinalistas. Alemanha, Argentina, Holanda, Brasil.


Agora, quem chegou até as quartas de final. Colômbia, França, Costa Rica e Bélgica. Continuar lendo “Exposição virtual: 32 seleções, na arte de Lais Sobral.”

Super Deutschland. A campeã voltou.

https://www.facebook.com/DFBTeam
https://www.facebook.com/DFBTeam

???????????????????????????????É tetra! Pela primeira vez a Alemanha unificada é campeã. A grande campeã da melhor Copa de nossa geração. Uma Alemanha multicultural,de futebol bem jogado, de toque de bola (o tiki-taka não morreu!?!), simpatia, bom humor, sangue de poloneses, ganeses, turcos e tunisianos.

Eis a campanha da Alemanha, primeira seleção europeia a vencer um Mundial nas Américas:

  • Alemanha 4×0 Portugal, Fonte Nova
  • Alemanha 2×2 Gana – Castelão
  • Alemanha 1×0 Estados Unidos. Arena Pernambuco.
  • Alemanha 2×1 Argélia – Beira-Rio (depois do 1×1 no tempo normal)
  • Alemanha 1×0 França – Maracanã
  • Alemanha 7×1 Brasil – Mineirão
  • Alemanha 1×0 Argentina (na prorrogação) – Maracanã

Confira dentro do post a numeração da seleção campeã do mundo. Continuar lendo “Super Deutschland. A campeã voltou.”

E os indicados são…

Pena que a lista dos indicados para melhor goleiro da Copa tenha só 3 nomes. Tim Howard e Oshoa mereciam ao menos uma menção.

Continuar lendo “E os indicados são…”

Brasil 1, Alemanha 7. Perdemos feio. Para uma máquina de jogar bola.

Mineirão, Belo Horizonte, 8 de julho de 2014. Nesta  tarde/noite de semifinal da melhor Copa dos últimos anos – uma Copa cheia de surpresas- o  futebol brasileiro que já vinha dando sinais de agonia há muito tempo, morreu um pouco. Ele precisa ser refundado, precisa ser completamente reformulado. Das categorias de base dos clubes ao comando maior da CBF, passando pelos bancos dos treinadores e cartolas dos clubes.

Perdemos para uma máquina de jogar futebol, que tem um elenco espetacular. #Alemáquina, já batizaram. #SuperDeutschland.

Perdemos para o verdadeiro país do futebol. Onde os estádios estão quase sempre 100% cheios, da primeira à 34ª rodada da Bundesliga. Em alguns casos, até na segunda divisão, a 2.Bundesliga. Um país onde o povo ainda tem lugar nas “arenas”. E não joga a bandeira no chão ou pisa na camisa ao primeiro revés. Onde os torcedores gostam de seus times como gostam de bandas de rock, ou seja, não tem disco ruim.

Que o Brasil aprenda algo com a Alemanha e reencontre seu futebol. Se for o caso, que seja com um técnico estrangeiro, que nos ensine a fazer o que deixamos de fazer. Jogar.

Construímos tantos belos estádios para o Mundial, esquecemos de construir uma seleção. Claro, mais uma vez iludidos pelo resultado da Copa das Confederações. Definimos os 11 titulares e seus reservas com um ano de antecedência, sem levar em consideração o momento. 

Mas não adianta procurar culpados entre os jogadores. Do fundo do meu coração boleiro, dilacerado pela maior humilhação da Seleção em 100 anos de história, espero que esses jovens jogadores consigam a volta por cima e voltem a brilhar.

Pra quem é maluco por futebol, como você que me lê, resta continuar curtindo esta Copa sensacional. Não é porque o Brasil caiu que o Mundial deixa de ser maravilhoso. E no meio da semana que vem, recomeça o Brasileirão – dividido ao meio por um calendário absurdo, é verdade. Mas não vamos desistir de gostar do nosso futebol.

Mosaico sobre as artes originais de Lais Sobral.  Confira a série toda aqui: https://www.flickr.com/photos/lais-sobral/
Mosaico sobre as artes originais de Lais Sobral. Confira a série toda aqui: https://www.flickr.com/photos/lais-sobral/

Continuar lendo “Brasil 1, Alemanha 7. Perdemos feio. Para uma máquina de jogar bola.”

A semifinal das semifinais. 2002 contra 1978. Para não dar 1974 ou 1990 na cabeça.

10532561_603743519747011_5788764897780275249_n (2)Sessenta anos e um dia depois do Milagre de Berna, a vitória da Alemanha contra a Hungria favoritaça, no Mundial de 1964, na Suíça, por muito pouco não tivemos um Milagre de Salvador. A brava Costa Rica defendida por Navas resistiu 120 minutos à Laranja Mecânica de Robben, Van Persie, Sneijder e… Van Gaal! No finalzinho da prorrogação, o técnico Van Gaal substitui um goleiro por outro, só para a cobrança de pênaltis. Krul (goleiro do Newcastle), que já estava se aquecendo há um bom tempo, acertou os cantos e defendeu dois pênaltis. Van Gênio! Cillessen, goleiro do Ajax, parecia abatido. Mas saiu correndo para festejar quando a Costa Rica desperdiçou o pênalti decisivo.

Brasil x Alemanha, terça-feira, às 17h, no Mineirão. Um RT da final de 2002? Neymar fora. Mas, sim, nós podemos.

Argentina x Holanda, quarta-feira, às 17h, na Arena Corinthians. Revanche da final do polêmico Mundial de 1978? A Argentina não deve ter Di María, mas tem Messi, Higuaín (que fez uma partidaça hoje em Brasília), o papa Francisco e uma invasão azul e branca ao estádio alvinegro. E a Holanda terá o apoio da massa brasileira e o louco do Van Gaal no banco. Hoje ele ganhou.
A Alemanha já decidiu tanto contra a Holanda (1974) como contra a Argentina (1990, a pior de todas as Copas).
Tanto Brasil x Holanda como Brasil x Argentina seriam finais inéditas.
Gramde finais.
Por Neymar, vamos lá, vamos lá.

Ilustrações: Lais Sobral.

ARTE Lais Sobral | www.flickr.com/photos/lais-sobral/
ARTE Lais Sobral | http://www.flickr.com/photos/lais-sobral/
Ilustração: LAIS SOBRAL www.flickr.com/photos/lais-sobral/
Ilustração: LAIS SOBRAL http://www.flickr.com/photos/lais-sobral/

Continuar lendo “A semifinal das semifinais. 2002 contra 1978. Para não dar 1974 ou 1990 na cabeça.”