Johan Cruyff. Camisa #14 do time dos sonhos de todos os tempos.

Johan Cruyff. Camisa #14 do time dos sonhos de todos os tempos.

Imagem destacada (acima): https://www.worldofjohancruyff.com/

Morreu Johan Cruyff, 68 anos de rebeldia e revolução. O franzino “El Flaco” tinha forte personalidade, a ponto de tirar uma das listras das mangas do belo uniforme cor de laranja porque o seu patrocinador não era o mesmo da seleção holandesa, que liderou na campanha do vice-campeonato mundial, em 1974, na Alemanha. Eram os tempos do Futebol Total – sua Laranja Mecânica, o Carrossel Holandês, deu um banho nas maiores seleções sul-americanas naquele Mundial.  No Ajax, já tinha sido campeão de tudo – seis vezes campeão holandês, quatro da Copa da Holanda, tricampeão europeu, campeão do mundo (Copa Intercontinental, em 1972).  No Barça, virou o holandês voador por causa deste gol aqui. contra o Atlético de Madrid, e o gigante azul e grená voltou a ser campeão espanhol depois de 14 anos! Jogou também nos EUA (LA Aztecs, Washington Diplomats), no Levante, de Valência, pertinho da Catalunha, e voltou a ser campeão holandês no Ajax e no rival Feyenoord. Retornou ao Camp Nou como técnico, tetracampeão espanhol, e pela primeira vez o Barça foi campeão europeu com o Dream Team treinado por Cruyff. Seu estilo de jogo está no DNA do Barça pra sempre. 

Pra sempre, Cruyff vai ser o camisa 14, titular do time dos sonhos de todos os tempos.

A trajetória de “El Flaco” é brilhantemente contada numa animação do canal Campeones, na série Draw My Life.

Continuar lendo “Johan Cruyff. Camisa #14 do time dos sonhos de todos os tempos.”

Quase um pênalti

A incrível chance de gol perdida pelo vascaíno Diego Souza, na segunda partida das quartas da Libertadores contra o Corinthians, me fez lembrar da maneira como eram decididas as partidas da North American Soccer League(NASL) nos “dancing days” do “soccer” nos Estados Unidos – e não só as finais, como o Soccer Bowl, mas outras partidas que terminavam empatadas. Os “shootouts”. Não eram pênaltis. Mas lances em que o cobrador partia com a bola de uma linha entre a grande área e o meio de campo e tinha cinco segundos para chutar. O goleiro podia não só se mexer como sair. É uma “licença poética”, claro, as situações são diferentes, no lance do Diego Souza a bola estava em jogo, com todo o peso dramático de um mata-mata da Libertadores, essa obsessão brasileira. Mas ver o vídeo abaixo (de uma decisão por “shootouts”) entre o galático NY Cosmos e os Washington Diplomats e analisar a dificuldade enfrentada por craques como o “capita” Carlos Alberto Torres e o paraguaio Romerito (que ainda seria ídolo do Fluminense) pode fazer a gente pensar se os torcedores mais irados do Vasco e demais secadores devem responsabilizar Diego Souza pela eliminação.


Os goleiros quase sempre levavam a melhor, pelos vídeos que pesquisei. Era super difícil converter o “shootout”! Não deixa de ser uma maneira interessante de decidir uma final empatada, apesar do baixo score. Curioso, porque pra as plateias americanas, mais acostumadas com basquete, NFL, beisebol, certamente um placar elevado seria mais atraente. Mas os estádios lotavam.
Que estilo do Romerito para bater, hein? Nem isso adiantou. E que catimbeiro o goleiro Irwin, dos Diplomats, hein? Waldir Perez perde… Continuar lendo “Quase um pênalti”