Atlético de Madrid 2015-16.

Atualizado em agosto de 2015

O Atleti ficou no grupo C da Champions, com o Benfica, Galatasaray e Astana, do Casaquistão.

Detalhe da nova camisa
Detalhe da nova camisa

Conseguirá Diego Simeone remontar o Club Atlético de Madrid mais uma vez? Perdeu Miranda, perdeu Mandzukic, perdeu o ídolo Arda Turan… em compensação ganhou o excelente atacante colombiano Jackson Martínez (ex-Porto) e trouxe o lateral Filipe Luís de volta.

11705332_10153443724207389_5607747427633360284_n Continuar lendo “Atlético de Madrid 2015-16.”

Atleti em tirinhas

  • 97884160120.small
    Olha só que barato este livro que saiu em janeiro na Espanha: La Historia de Atleti – viñeta a viñeta (Ediciones Lectio). O ilustrador e cartunista Jorge Crespo Cano, um madrilenho da parte vermelha e branca da cidade (que está sorrindo de orelha a orelha depois do #DerbiMadrileño de sábado) conta de forma bem humorada a história do Atlético de Madrid em charges. Da fundação, em 1903, à última Supercopa da Uefa, incluindo a final da Champions 2014 – o Atleti ficou no quase, como em 1974, e ao título de campeão da liga espanhola 2013-2014, passando pela fase em que se chamou Atlético Aviación.

O #futbolero se interessa por La Liga em espelcial pelo Atleti pode acompanhar as tirinhas de Jorge Crespo Cano pelo twitter do chargista ou por esta página no Facebook.

Voltaremos ao assunto. Continuar lendo “Atleti em tirinhas”

Atlético de Madrid 2014-15

Atualizando em setembro de 2014.

O atacante Antoine Griezmann, 23 anos, destaque da França e da Real Sociedad, é o novo jogador do campeão espanhol.
Ele se junta ao croata Mario Mandzukic, que estava no Bayern desde 2012, e vai usar na temporada 2014-15 a camisa do Atlético de Madrid. Continuar lendo “Atlético de Madrid 2014-15”

Espetáculo da torcida do Atlético de Madrid.

image

Ontem vi um show de uma banda espanhola chamada Baron Rojo. Quase 3 horas de rock and roll pesado (fotos, pitacos e setlist breve na Coluna de Música). Hoje o concerto foi da torcida do Atlético de Madrid. Que joga junto com o time de Simeone. Por si, o estádio Vicente Calderón já tem uma das melhores atmosferas pro futebol que já vi. Clima de Copa sem as frescuras do Mundial.

image

A festa só não foi maior porque o travessão e o goleiro do Málaga impediram a vitória do Atleti. Willy Caballero é argentino como Cholo Simeone, técnico e grande ídolo dessa equipe.

image

O hino, as músicas de estádios e um refrão com o nome de outro técnico ídolo, Luis Aragonés, ajudam a empurrar esse time.
Agora ficou tudo pra última rodada. Continuar lendo “Espetáculo da torcida do Atlético de Madrid.”

Time – e torcida – de guerreiros.

Ganar, ganar, ganar y volver a ganar“,o  lema de Luis Aragonés, ídolo dos #rojiblancos como jogador e técnico (morreu há 2 meses), foi lembrado pelo mosaico da torcida no Calderón.

http://clubatleticodemadrid.com/
http://clubatleticodemadrid.com/

Depois de 40 anos, o Atlético de Madrid volta a uma semifinal de Champions. A principal competição europeia ainda se chamava Copa dos Campeões quando o Atleti chegou. Na temporada 1973/74, perdeu a final da Europa para um tal de Bayern. Mas os colchoneros disputaram a Copa Intercontinental (ou Mundial de Clubes, ao gosto do freguês) porque os bávaros desistiram. E em duas partidas contra o então o bicho-papão da Libertadores, Independiente de Avellaneda, cá e lá, o Atlético foi campeão do mundo. Na virada do milênio, o Atlético (que nunca tinha caído na liga espanhola) passou duas temporadas no inferno da segundona. Nos últimos anos, voltou a ganhar copas. Liga Europa (2 vezes), Supercopa de Europa (outras duas), uma Copa do Rei (2013). O time em que brilharam os brasileiros Luís Pereira, Leivinha e Juninho Paulista, hoje tem o excelente zagueiro Miranda, o lateral Filipe Luís e os Diegos (Costa e Ribas – o ex-santista foi importantíssimo nestas quartas de final). O grande e tradicionalíssimo clube espanhol voltou a crescer, no meio da dicotomia Real Madrid x Barça. E nesta temporada (2013-14), o time de guerreiros de Diego Simeone voltou a disputar pra valer a liga espanhola, com chances reais de título. Lidera a competição neste momento. Mas a última partida é fora de casa. Contra o Barcelona que o #Atleti eliminou hoje da Europa. Koke, 1×0. Fora o show de bolas na trave. Este bravíssimo Atleti está entre os quatro melhores da Europa, ao lado do campeão Bayern, que eliminou o Man United, do Chelsea e do vizinho Real Madrid, que tem um quintal bem maior e eliminou um também bravo Borussia Dortmund. Sorteio das semifinais na sexta-feira. 7h, horário de Brasília. Boa sorte, guerreiro! Continuar lendo “Time – e torcida – de guerreiros.”

O(s) estádio(s) do Atlético de Madrid

ClubAtleticoDeMadrid.com
ClubAtleticoDeMadrid.com

O Atlético de Madrid, campeão da Copa do Rei 2013, deve deixar seu estádio Vicente Calderón nos próximos anos, se é que a crise econômica e o alto índice de desemprego na Espanha não vão atrapalhar os planos da prefeitura de Madri e do clube. Os rojiblancos fica com o dinheiro da venda do terreno do estádio à beira do Manzanares (rio que emprestou seu nome ao campo até o bastismo atual), no sul da capital espanhola, que a prefeitura deseja há muito tempo. A M-30, autopista passa debaixo de uma das arquibancadas do Vicente Calderón, experiência que pode ser curtida por quem tem a chance der entrar ou sair de Madri pela via.

ClubAtleticoDeMadrid.Com
ClubAtleticoDeMadrid.Com

Aí o Atlético transforma La Peineta, um velho estádio de atletismo, no noroeste de Madrid, numa moderníssima arena, com 67.500 lugares (o Calderón comporta 54.851 e é considerado 5 estrelas pela Uefa desde 2003). Todos cobertos e com todos os camarotes e caras mordomias que o “futebol moderno” exige. Se a candidatura de Madri às Olimpíadas de 2020 for aprovada, La Peineta deve ser o estádio olímpico, local de abertura e encerramento dos Jogos. O que não está muito claro nos vídeos atualmente divulgados do projeto é como será feita a transformação da pista de atletismo.


Há um emotivo vídeo feito pelo Atleti e um de seus patrocinadores sobre a mudança, que dá pra ver um pouco como é La Peineta hoje.

O que talvez muita gente não saiba é que o Atleti (fundado em 26/04/1903) teve vários estádios antes do Vicente Calderón, inaugurado em 2 de outubro de 1966 (Atlético 1×1 Valencia, primeiro gol de Luis Aragonés). O site do clube lista:

  • o campo do Retiro,
  • o campo de O´Donnell, inaugurado em 1913 com um amistoso entre o Athletic Club de Bilbao e sua filial madrilenha (o Atlético de Madrid de hoje).
  • Em 1923, foi inaugurado o Stadium Metropolitano, no oeste de Madri.
  • 2 de outubro de 1966: estádio del Manzanares, rebatizado como Vicente Calderón em 14 de julho de 1971. Recebeu jogos do Mundial 82.

Porém, o espetacular site Estadios de Fútbol en España menciona outros campos onde o Atleti mandou seus jogos. Segundo o site, os rojiblancos jogaram no campo de Vallecas antes de O´Donnell. E na época do estádio Metropolitano, chegaram a jogar em Chamartín (do Real Madrid) e de novo em Vallecas ou por desentendimentos com os donos do Metropolitano ou por causa dos estragos da guerra civil.
Confira abaixo um slide-show com fotos do rolê do blog num domingo de Atlético x Osasuna, no Vicente Calderón, em 2011. Continuar lendo “O(s) estádio(s) do Atlético de Madrid”

100 anos de orgulho “rojiblanco”

Réplica de uniforme do Atlético de Madrid de 1911
Réplica de uniforme do Atlético de Madrid de 1911

O Atlético de Madrid – que celebrou seu centenário em 2003 – comemora em 2011 os “100 años de orgullo rojiblanco”. Em 1911, o Atleti adotou a tradicional camisa com listas vermelhas e brancas, parecidas com colchões espanhóis do começo do século passado, que valeram aos seguidores o apelido de “colchoneros”.
Agora veja dentro do post uma réplica do uniforme usado pelo Atleti antes de adotar o atual. Era azul e branco. Foto tirada também no Museo Atlético de Madrid.  Continuar lendo “100 anos de orgulho “rojiblanco””