Terceira camisa do Náutico

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Náutico deve estrear na partida numa das próximas rodadas do Brasileirão, o seu novo uniforme 3, da Coleção Raízes da Penalty. Segundo o fabricante, o objetivo dessa cruz foi fazer uma referência à bandeira inglesa. Ah, bom! Quando o Timbu aderiu ao futebol, em 1909, o time era formado basicamente por ingleses, citados na parte interna da camisa. Continuar lendo “Terceira camisa do Náutico”

Voltamos a apresentar… Brasileirão 2013!

Arte LAIS SOBRAL especial para o @Futpopclube | http://www.flickr.com/photos/lais-sobral/
Arte LAIS SOBRAL especial para o @Futpopclube | http://www.flickr.com/photos/lais-sobral/

O Brasileirão 2013 está de volta depois de uma “paradinha” de quase um mês para a Copa das Confederações. Normalmente, já demora pra esquentar, imagine com intervalo no meio. Os pontos ganhos por Coritiba, Vitória, Botafogo e Fluminense, os quatro primeiros colocados depois de 5 rodadas, podem fazer a diferença no fim do ano… A sexta rodada tem partidas em três dos estádios “padrão Fifa” da Copa das Confederações. E dérbis como o Clássico Vovô (Bota x Flu) na Arena Pernambuco -a 1.850 km do Rio- e um San-São em crise técnica. Confira os jogos da rodada e clique nos links para informações sobre ingressos.

Torcedor de carteirinha 2013

Arte  LAIS SOBRAL especial para @FutPopClube http://www.flickr.com/photos/lais-sobral/
Arte: LAIS SOBRAL, especial para @FutPopClube : http://www.flickr.com/photos/lais-sobral/ – clique na imagem para ampliar

O “torcedômetro” do Movimento Por Um Futebol Melhor mostra os clubes do Rio Grande do Sul disparados na frente do nº de sócios. Confira um Top 5, com números de 27/05/2013, momento em que escrevo o post, que mostra os clubes que até agora trabalharam melhor para fidelizar o sócio-torcedor.

  1. Internacional: 83.685 sócios
  2. Grêmio: 71.943
  3. Corinthians: 53.730
  4. Santos: 52.272
  5. Cruzeiro: 28.204 sócios

Quer ajudar o seu time a subir no torcedômetro, ter descontos nos ingressos e nos produtos ligados ao Movimento Por Um Futebol Melhor e ainda evitar filas nos estádios? O Fut Pop Clube fez uma listinha dos programas do tipo sócio-torcedor dos 20 clubes da Série A do Brasileirão 2013. Clique nos links para saber mais.

Continuar lendo “Torcedor de carteirinha 2013”

Chegou o Brasileirão 2013!

Arte  LAIS SOBRAL especial para @FutPopClube http://www.flickr.com/photos/lais-sobral/
Arte LAIS SOBRAL especial para @FutPopClube : http://www.flickr.com/photos/lais-sobral/

Ok. O Brasileirão pode ser apenas o oitavo campeonato nacional mais valioso do mundo (veja a pesquisa da Pluri no post anterior). Num ranking de média de público, a posição não seria lá muito diferente. O torcedor sofre com a falta de transporte para boa parte dos estádios – mesmo nas arenas novas em folha – e existe muita violência entre as torcidas. Mas é o campeonato mais disputado e equilibrado do mundo. E tem um bom número de clássicos interestaduais logo de cara. Confira a primeira rodada.
BRASILEIRÃO 2013

  1. 1ª rodada
  • Vasco x Portuguesa. Sábado, 18h30, São Januário. O “clássico luso”. É golo, pá!
  • Vitória x Internacional. Sábado, 18h30, Arena Fonte Nova. O campeão baiano recebe o tricampeão gaúcho. Caio Júnior x Dunga. Jogo interessante.
  • Corinthians x Botafogo. Sábado, 21h, Pacaembu. Um clássico alvinegro Rio-São Paulo, entre os campeões dos dois estados em 2013. Bota de roupa nova. Continuar lendo “Chegou o Brasileirão 2013!”

Muricy 4.0

Arte: LAIS SOBRAL
Arte: LAIS SOBRAL para o @FutPopClube

Muricy Ramalho completa em 2013 quarenta anos de “isso aqui é trabalho, meu filho”, digo, de futebol profissional. Foi em 1973 que o jovem meia cabeludo e rebelde revelado pelo futebol social do São Paulo Futebol Clube estreou no time de cima do tricolor paulista – mais exatamente em 21 de agosto de 1973, num amistoso contra o União Bandeirante, no interior do Paraná, informa Michael Serra, do arquivo histórico do São Paulo e do site SPFCpédia.
Muricy foi campeão paulista de 1975 na belíssima campanha comandada pelo técnico José Poy. Estava no elenco campeão brasileiro de 1977, mas às voltas com contusões, não era titular de Minelli (grande e assumida influência na futura função). Acabou indo pro México, onde foi campeão e ídolo vestindo a camisa do Puebla. Lá mesmo começou a carreira de técnico… De volta ao São Paulo, trabalhou com o mestre Telê Santana treinando o chamado expressinho – campeão da Copa Conmebol 1994. O resto é história.

É o Muricy camisa 8 dos anos 70, cabeludo, que andava de macacão e tamanco (para desapontamento do querido durão José Poy), amigão de Serginho Chulapa, fã do som de Rita Lee e seu Tutti Frutti, o homenageado desta arte – a primeira colaboração para o Fut Pop Clube da artista plástica Lais SobralContinuar lendo “Muricy 4.0”

Feliz Brasileirão Novo, torcedor de carteirinha!

Sabe quando o brasileiro diz que o ano começa depois do Carnaval? Na verdade, não é bem assim, porque muita gente começa o ano ralando…

Bom, no futebol nacional, depois das decisões de Libertadores e da Copa do Brasil, a gente pode desejar: Feliz Brasileirão Novo! Agora, ninguém tem mais desculpa, o campeonato começa para valer – apesar dos desfalques olímpicos que vão afetar principalmente Internacional, Santos e São Paulo. Mas como na comparação do começo deste texto, quem trabalhou como formiguinha nas 8 primeiras rodadas tem uma boa “poupança” de pontos ganhos, que podem fazer toda a diferença na 38ª rodada.

Eu adoro o Brasileirão, e adoro o Brasileirão de pontos corridos, apesar de todos esses boicotes que ele sofre… e por isso  publico abaixo os links para os torcedores de carteirinha que querem acompanhar ‘in loco’ o máximo de jogos do seu time de coração neste ano. São os programas do tipo sócio-torcedor. De maneira geral, consumidor/torcedor paga uma mensalidade e tem acesso livre, prioridade ou bons descontos para ver os jogos, entre outras facilidades. Eu apoio. Evita filas, evita cambistas… Por outro lado, os clubes ainda tem que aprender a tratar bem este torcedor fiel, autêntico seguidor. Vamos lá, então, aos programas de sócios dos clubes da série A (quase todos têm algo do tipo).

Bom campeonato!


Leitura recomendada

Sabe quando você separa um artigo de jornal para ler depois, com calma? Volto ao caderno de esportes do “Estadão” de quarta-feira, 16 de novembro. Guardei a coluna do jornalista Antero Greco para ler mais tarde e valeu muito a pena. É uma educadíssima  resposta a uma crônica (brilhante, como sempre) do cineasta Ugo Giorgetti, diretor dos deliciosos filmes Boleiros, I e II, que fez uma proposta provocadora: por que não mudar de time, já que a gente muda tanto na vida? Ugo Giorgetti levantou a bola e Antero Greco cortou. Antero – que me parece ser um dos mais sensatos e educados cronistas esportivos, sem perder o bom humor, pelo que acompanho há anos na ESPN Brasil – responde que não, e argumenta porque não devemos mudar de time, independentemente se ele está bem ou não, se ganha sempre ou está há anos na fila (leia aqui a crônica de Antero e aqui a do “boleiro” Giorgetti).

Tem muito a ver com as cenas que a gente vê num fim de semana de futebol. Torcedores da Ponte e do Náutico vibrando e se emocionando – rodadas depois dos leões rubro-verdes da Lusa – não com um título, mas com a volta de seus times de coração à elite do futebol brasileiro (tema do post anterior). Tem a ver com o que vi agora há pouco: a torcida do Figueirense cantando e aplaudindo o time, depois de levar uma goleada do Fluminense. É o que motiva a jovem e grená torcida do Juventus da Mooca, há tempos longe da primeira divisão estadual, mas que mobiliza centenas para os jogos como esse que eu vi,na rua Javari, pela Copa Paulista (infelizmente, o Juve foi eliminado em fase posterior). Torcedor que é torcedor compreende tudo isso perfeitamente. Continuar lendo “Leitura recomendada”

Torcida metal

O momento do futebol mineiro não é bom. Três times ameaçados no Brasileirão. Mas confesso que fiquei impressionado com a quantidade de torcedores / fãs com camisetas do Atlético – Galo Metal – e do Cruzeiro, no dia metal do Rock in Rio. Inclusive o guitarrista Phil Campbell, do Motörhead, usou uma do Gal, certamente presenteada pelo Paulo Xisto, baixista do Clube Atlé…, digo, baixista do Sepultura (tinha o nome de Paulo nas costas).

Também marcaram presença no clássico, ou melhor, no festival, torcedores de Flamengo, Fluminense, Vasco (felizes da vida com a fase turbinada do chamado Trem-Bala da Colina) e Botafogo, claro; de São Paulo, Corinthians, Palmeiras, Coritiba, Grêmio, Internacional, Bahia, Remo, Paysandu, Santa Cruz, Sport, Náutico (Metal Alvirrubro), CSA etc etc etc… e até do Paraguai!

Agora, eu pergunto: se os torcedores falam a mesma língua, moram na mesma cidade, dividem os mesmos interesses e gostos musicais, seja heavy metal ou samba, por que se agridem, se matam tanto uns aos outros? Hein? Por que não aceitar a diferença e conviver com isso? Qual seria a graça de um campeonato estadual sem o seu maior arquirrival?

Leia meus pitacos sobre o Rock in Rio na Coluna de Música do Fut Pop Clube.