Estreia: “Preto no Branco – O Clássico do Século”.

Cartaz do filme de Kim Teixeira, “Preto no Branco – O Clássico do Século”.

Lá se vão 104 anos (a serem completados em 22 de junho) de clássico entre os dois maiores alvinegros do futebol paulista. “Preto no Branco – O Clássico do Século”, doc de Kim Teixeira, fala dessa rivalidade em ritmo de rap.  Ice Dee, Xis, Criminal D e Fernandinho Beat Box dão a letra para a história do clássico Corinthians vs Santos.
Está em cartaz no Museu Pelé, em Santos. Passa nesta quarta-feira (5 de abril), às 15h. Entre quinta-feira e domingo, vão ser duas sessões, ao meio-dia e às 15h. A entrada no Museu Pelé custa R$ 10. Trailer dentro do post. Continuar lendo “Estreia: “Preto no Branco – O Clássico do Século”.”

O primeiro de 1.283 gols do Rei Pelé

Camisas retrôs da Seleção, do Cosmos e do Santos, feitas pela Athleta, só na loja do Museu Pelé.
Camisas retrôs da Seleção, do Cosmos e do Santos, feitas pela Athleta, só na loja do Museu Pelé.

Sete de setembro de 1956. Um mês depois de chegar ao Santos, o jovem nascido em Três Corações (MG) estreou com a camisa do alvinegro praiano. No amistoso em que o Santos goleou por 7 a 1 o Corinthians FC de Santo André, o garoto entrou no segundo tempo, no lugar de Del Vechio, e marcou o sexto gol santista – o primeiro de mais de um milhar de gols que permite que toda a torcida brasileira cante hoje, a plenos pulmões:

Mil gols, mil gols, mil gols, só Pelé, só Pelé…

Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, não tinha nem 16 anos.
Continuar lendo “O primeiro de 1.283 gols do Rei Pelé”

Um 2 de outubro alvinegro

A foto – clássica, que acho que não posso reproduzir aqui – é uma das mais antigas lembranças da infância do boleirinho nerd e ruim de bola, de 7 anos, que começou a ler jornais devorando as páginas de esporte. A ponto de decorar, do goleiro ao ponta-esquerda, o time-base dos quatro maiores do futebol paulista, mais a Portuguesa (que naquele tempo brigava sempre pelos títulos estaduais) e o Guarani. A foto da perna quebrada do centroavante Mirandinha, numa partida do São Paulo contra o América, em São José do Rio Preto, é outra que não sai da retina.

O rei, vestido com uma não menos clássica camisa de listas brancas e pretas, está de braços abertos como o Cristo Redentor, e de joelhos se despede do gramado da Vila, de onde saiu para conquistar o planeta bola.

Estou falando desta foto aqui.

Em dois de outubro de 1974, esse rei, Pelé, se despediu da Vila Belmiro. Aquele Santos 2×0 Ponte Preta (que então usava uma camisa branca e calção preto) foi o último jogo oficial do atleta do século XX pelo Santos, numa partida de Campeonato Paulista, competição que conquistou 10 vezes ou com a camisa branca ou com essa maravilhosa camisa listrada, que hoje eu leio, ainda falta à coleção do Museu Pelé, Santos.  Continuar lendo “Um 2 de outubro alvinegro”