Tabelinha Clapton-Jeff Beck!

www.ericclapton.com

Eric Clapton e Jeff Beck juntos. No futebol, seria algo como a dupla Pelé e Coutinho? Não, acho que tá mais para Leônidas + Pelé, ou Zico + Kaká. Craques que se respeitam, mas não jogaram juntos, por questão de geração. Os dois guitar heroes passaram pelo The Yardbirds, mas não ao mesmo tempo. Quando Clapton saiu da banda britânica (bluesman fanático, odiou a cover pop For Your Love), Beck entrou. Jeff e Jimmy Page ainda chegaram a tocar juntos nos Yardbirds, na clássica cena do filme Blow Up / Depois Daquele Beijo (leia +). O site Eric Clapton.com me informa que eles já fizeram jams em festivais e shows beneficentes. Mas só no ano passado dividiram um concerto todo numa grande arena, no Japão. E agora Clapton e Beck querem repetir a dose. Vai ser na Arena 02, em Londres, 13/02/2010! Tem noção do que será esse show? Veja aqui. Fenomenal o jeito como Beck dedilha a guitarra. Vamos rezar aos deuses do rock para esse showzão aportar aqui… ao menos em DVD.

Um blues para Rory Gallagher

Num 14 de junho, o mundo do blues rock perdeu o espetacular guitarrista irlandês Rory Gallagher. Ele morreu com apenas 47 anos, devido a complicações após um transplante de fígado, em 1995. gallagherDeixou uma pá de bons discos, como Photo-Finish, de 1978, gravado no estúdio alemão do produtor Dieter Dirks, que trabalhou com o Scorpions. Ouvi neste domingo. Gravado por um power-trio. É um blues eletrizante, com muita slide guitar, harmônica de vez em quando, batida sincopada, recomendado para quem gosta de Stevie Ray Vaughan, por exemplo. Certamente, os dois saudosos guitarristas tiveram muitos ídolos em comum – a bio do irlandês no site All Music diz que ele era um grande colecionador de discos e cita Leadbelly, Albert King, Freddie King, Buddy Guy, Muddy Waters e John Lee Hooker como influências – quase todos com clássicos regravados por SRV! Procure Shadow Play ou a balada bluesy Fuel to the Fire na internet. São dois dos destaques do disco. Para sorte de quem vive no século XXI, Rory Gallagher também fez grande shows, registrados em discos ao vivo ou DVDs (leia meu texto anterior). Dica de blog em inglês:   Shadow Plays. Tem notícias de vários shows e festivais em tributo ao guitar hero irlandês.

“Atualizando o ‘prelim'”(*) musical

Impressionante como uma ou duas semanas sem passar por uma dessas maravilhosas e tentadoras megalojas de música, filmes e livros deixa consumidor mais  fissurado meio que desatualizado. Hoje descobri nas prateleiras dois DVDs. Um do Eric Clapton com o Steve Winwood ao vivo no Madison Square Garden. E um DVD triplo (!!!)do saudoso guitarrista irlandês Rory Gallager! Detalhes nos textos abaixo.

* jargão jornalístico

Clapton (IS GOD!) & Steve Winwood

Também tem em CD

Primeira supresa da tarde musical: Eric Clapton e Steve Winwood, em recém-lançado DVD duplo, também em CD. Os dois músicos tocaram juntos no supergrupo Blind Faith, há… 40 anos! Aqui, atalho para o vídeo de After Midnight no MSG, NY. No tubo, tem muita coisa de outro show do ex-Cream e do ex-Traffic, no Crossroads Festival. Como diria um GRANDE repórter amigo meu: OS CARAS TOCAM PRA CARAMBA!

Buddy Guy, safra 2005

Uma guitarra envenenada com um senhor efeito wah-wah capa-de-cd-audio-00013abre Now You´re Gone (de Curtis Mayfield) e o CD Bring´em In, que Buddy Guy lançou em 2005 (inclusive no Brasil). É um disco mais cadenciado do geralmente incendiário bluesman radicado em Chicago, repleto de baladas bluesy, covers de R&B e soul, mais astros especialmente convidados. Da estatura de Keith Richards, que participa na maneira The Price You Gotta Pay (original do Keb´Mo´), Santana (que produz e toca sua guitarra latina em I Put a Spell On You) e Tracy Chapman na balada Ain´t No Sunshine. buddybringGuy ainda faz dueto com John Mayer em outra balada: I´ve Got Dreams to Remember, de Otis Redding. Tem cover de Bob Dylan (Lay Lady Lay – com canja de dois soulmen: Anthony Hamilton, cantor, e Roberth Randolph, que toca pedal steel guitar, uma guitarra com cordas de aço e pedais). Dores de cotovelo e paixões são tema de Somebody´s Sleeping in My BedWhat Kind of Woman is This – única de autoria de Buddy. Encerramento nota 10 com Do Your Thing, de Isaac Hayes. Discão. Só tem um incoveniente: esses convidados todos não acompanham Buddy nas excursões … Já pensou se todo mundo viesse ao Brasil?

Buddy Guy: “Damn Right, I´ve Got the Blues”

Discão: "Damn Right, I´ve Got the Blues"
Discão: “Damn Right, I´ve Got the Blues”

Quem diria, Buddy Guy passou quase toda a década de 80 sem gravar um disco de estúdio no seu próprio país, os EUA, terra do blues. Damn Right, I´ve Got the Blues (de 1991) foi o primeiro de uma série pela gravadora Silvertone – e o primeiro a faturar Grammy. Aqui, rodou bastante o clip da cover de Mustang Sally, sucesso na voz de Wilson Pickett, que Buddy regravou ao lado de outro herói da guitarra, Jeff Beck. É um show.
O CD tem canjas de outros guitarristas: Mark Knopfler e Eric Clapton, que idolatra Buddy. Outras covers presentes: Five Long Years, de John Lee Hooker, Let Me Love You Baby, de Willie Dixon. Composições do próprio Buddy abrem (a eletrizante faixa-título) e fecham o disco (Rememberin´Stevie, blues dedicado ao saudoso Stevie Ray Vaughan).

Randy Rhoads

Guitarra da Jackson, modelo Randy Rhoads
Guitarra da Jackson, modelo Randy Rhoads

Com a imagem de uma guitarra fabricada pela Jackson, modelo Randy Rhoads, o blog Fut Pop Clube faz sua homenagem ao jovem guitarrista que morreu em 1982, num 19 de março, depois de gravar apenas dois ótimos discos com Ozzy Osbourne. Com 17 anos, Randy Rhoads foi um dos fundadores do grupo de hard rock californiano Quiet Riot – mesmo à epoca do jovem guitar hero, um som bem glam, à beira da farofa. No fim dos 70, a banda gravou dois LPs, lançados apenas no Japão – anos mais tarde, resumidos num CD da Rhino, Quiet Riot: The Randy Rhoads Years. Na virada para os 80, Randy Rhoads entrou pra banda que Ozzy Osbourne (ex-Black Sabbath) estava formando – o capítulo de heavy metal da série Seven Ages of Rock revela que a empresária Sharon Osbourne participou dessa escolha. Seja como for, o primeiro resultado da parceria entre o desvairado ex-vocalista do Sabbath e o virtuoso guitarrista ex-Quiet Riot foi o ótimo disco  Blizzard of Ozz. Tem o hit desgovernado Crazy Train (belo riff), a balada Goodbye to Romance, a polêmica Suicide Solution, a dobradinha Revelation (Mother Earth)/Steal Away – a primeira bem na linha No More Tears. Continuar lendo “Randy Rhoads”