30 Gols Históricos do Gigante da Colina

Andrada, Fidélis, Moacir, Renê e Eberval (Batista); Alcir e Bougleaux [o Buglê]; Ferreira, Valfrido, Silva (Kosilek) e Gílson Nunes. Time-base do Vasco da Gama, que se sagrou campeão carioca de 1970 num 17 de setembro. A fonte é o livraço História dos Campeonatos Cariocas de Futebol 1906/2010 (Maquinária Editora), de Roberto Assaf e Clovis Martins – lançado esta semana no Rio. Por sinal, a coluna Baú do Assaf no jornal Lance! e Lancenet alertou este que vos bloga para a efeméride. O Vasco não ganhava o título carioca desde o super-supercampeonato de 1958 (super-super porque teve dois triangulares finais entre Vasco, Fla e Bota). Lembra Assaf que o campeonato de 1970 foi o último Carioca de pontos corridos (regulamento sem previsão de final entre vencedores de turnos). O título vascaíno, com uma rodada de antecipação, veio com a vitória no clássico contra o Botafogo de Jairzinho e Paulo César Caju, por 2 a 1. Gílson Nunes e Valfrido marcaram os tentos cruzmaltinos.
O gol de Valfrido, o “espanador da lua”, narrado por Waldir Amaral, está no CD 30 Gols Históricos do Gigante da Colina, de uma coleção lançada em 2010 em bancas pela rádio Globo Rio. “Gool legal”, atestou Mário Vianna, “com dois Ns”. Entre os outros 29 gols do CD, estão o  de Roberto Dinamite – de lençol – em outro clássico contra o Fogão, no Carioca 76; os gols dos quatro títulos brasileiros do Vasco: 74,  89, 97 e 2000; os quatro gols da histórica virada sobre o Palmeiras, na final da Mercosul de 2000, em pleno Palestra; e na vitoriosa campanha na Libertadores de 98, o golaço de Juninho Pernambucano contra o River Plate e o de Luizão contra o Barcelona de Guayaquil, Equador. As vozes no CD são de Jorge Cury, Antonio Porto, José Carlos Araújo, Edson Mauro, Gilson Ricardo e Edson Mauro, além da de Waldir Amaral (“a camisa que tem cheiro de gol”, “indivíduo competente” etc). Vascaíno, vale a pena dar uma fuçada por aí.
Leia também:


Clássicos cariocas

Paixão e arte, na 9ª rodada da série Brasil, Futebol e Livros, do Centro Cultural Banco do Brasil. Para quem estiver no centro do Rio, nesta terça, 18h30, Roberto Assaf e Clóvis Martins vão discutir a história do Campeonato Carioca e dos clássicos da competição. A dupla escreveu vários livros, como o da capinha ao lado (“Campeonato Carioca: 96 anos de história“), “Flamengo X Vasco: O Clássico dos Milhões” e “Fla-Flu: O Jogo do Século”. É de graça, mas sabe como é. Bom pegar senhas uma hora antes. Os papos da série Brasil, Futebol e Livros voltam na outra terça-feira, 11 de maio.
Em 11 de maio, Roberto Sander e Antônio Carlos Napoleão vão bater bola sobre Pesquisa e Reportagem. Sander é autor do sensacional “Anos 40: Viagem à década sem Copa” e “Sul-Americano de 1919: Quando o Brasil Descobriu o Futebol“. Napoleão escreveu “O Brasil na Taça Libertadores e no Mundial Interclubes” e, com Roberto Assaf, “Seleção Brasileira (1914 – 2006)”.

Leia também: meu post recente sobre apelidos desses e outros clássicos estaduais.

VERDE-amarelo contra a Celeste Olímpica

Publicado originalmente em 6/7/2009 e atualizado em 9/8/2015

7 de setembro de 1965. Alviverde de amarelinha. Foto: Academia de História do Palestra-Palmeiras
7 de setembro de 1965. Alviverde de amarelinha. Foto: Academia de História do Palestra-Palmeiras

Está na ficha técnica do jogo Brasil 3×0 Uruguai, em 7/9/65, publicada no livro  sobre a Seleção Brasileira, do Roberto Assaf e Antonio Carlos Napoleão. A Seleção jogou com Valdir Joaquim de Moares (depois Picasso), Djalma Santos, Djalma Dias, Valdemar Carabina (Procópio) e Ferrari; Dudu (Zequinha) e Ademir da Guia; Julinho Botelho (Germano), Servílio, Tupãzinho (Ademar Pantera) e Rinaldo (Dario). Opa! Todos os que entraram jogando (em negrito) eram do Palmeiras em 65!!! Sim, exatamente. O time chamado de Academia do Futebol vestiu a camisa amarelinha num dos amistosos de inauguração do Mineirão. E ganhou da Celeste por 3 a 0, gols de Rinaldo, Tupãzinho e Germano. Até o técnico palmeirense, Filpo Nuñez (que era argentino!), serviu a seleção brasileira no amistoso.

Por causa disso, para comemorar o centenário do Palmeiras (2014), em outubro de 2013 a Adidas lançou uma camisa amarela pro alviverde – com o mote Pátria Amada Palmeiras. Essa camisa voltou a ser usada em 9 de agosto de 2015, na partida contra o Cruzeiro, exatamente no Mineirão.
BV_6uPWCQAAFZ2g
Veja o anúncio da camisa na loja oficial do clube. A pré-venda fez um incrível sucesso. Atenção: o anúncio e o preço são de outubro de 2013.

1396052_10151758858934426_143098067_n
Anúncio e preço de 2013. http://www.mundopalmeiras.com.br/

Leia também o texto do Memória E.C. sobre a histórica partida.