De letra: o canhão da Vila, a patada atômica e o jornalista Michel Laurence.

A Bola de Prata do ano em que perdemos Michel Laurence.

Marcelo Grohe, Marcos Rocha, Rafel Tolói, Gil e Zé Roberto; o chileno Aránguiz, Lucas Silva, Paulo Henrique Ganso e Ricardo Goulart; Diego Tardelli e o peruano Guerrero. Esta é a seleção do Brasileirão 2014, de acordo com o prẽmio Bola de Prata, concedido pela revista Placar e pelos canais ESPN. Ricardo Goulart levou a Bola de Ouro como melhor jogador do campeonato.

Barcos e Fred, a Chuteira de Ouro da temporada 2014. O atacante do Flu ainda ganhou uma Bola de Prata como artilheiro do Brasileirão.

Continuar lendo “A Bola de Prata do ano em que perdemos Michel Laurence.”

Michel

O post de hoje é sobre um craque do jornalismo esportivo.

Morreu Michel Laurence, francês de Marselha, alvinegro praiano de coração. Por sinal, o Rei Pelé era uma fonte muito próxima.

Esse camisa 10 das redações esportivas paulistanas participou da criação da revista “Placar” e da tradicional Bola de Prata, dada aos melhores do campeonato brasileiro desde 1970.

Mais um bom motivo para procurar nos sebos e feirinhas edições clássicas de “Placar”, em busca dos textos seus.

O jornalista de texto admirado já tinha conquistado um Prêmio Esso de Jornalismo, em 1969, com a reportagem “O Jogador É Um Escravo“, escrita ao lado de José Maria de Aquino, no “Estadão”. A reportagem foi republicada em 2010, no livro “11 Gols de Placa“, organizado pelo jornalista Fernando Molica.

Cobriu nada menos do que oito Copas.

Ah, sim, Michel Laurence ganhou em vida uma Bola de Prata da revista “Placar”. Nada mais justo.

Um grande abraço solidário ao Bruno e a toda família de Michel Laurence (1938-2014).

 

 

 

 

“11 Gols de Placa”

Já está nas livrarias 11 Gols de Placa – Uma Seleção de Grandes Reportagens sobre o Nosso Futebol, lançado pela Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) e editora Record. Com organização de Fernando Molica, o volume reúne 11 reportagens investigativas sobre o mundo e submundo do futebol. Noites de autógrafos: nesta quarta-feira, 10 de março, às 19h, na LivrariaDaConde, no Leblon. E em 7 de abril, na Saraiva do shopping Pátio Paulista.

Algumas das reportagens compiladas no livro:

– João Máximo escreveu “Futebol Brasileiro: O Longo Caminho  da Fome à Fama” para o JB;

– “O jogador é um Escravo” , uma reportagem de Michel Laurence e José Maria de Aquino, para O Estadão ;

– Diogo Oliver escreveu sobre o desemprego no mundo da bola, na Zero Hora;

– Marcos Penido, “Árbitros Denunciam Esquema de Resultados na Federação” O Globo, 1993;

– Fernando Rodrigues, sobre a muamba no voo que trouxe a delegação do tetra, Folha, em 94;

– Leonardo Mendes Júnior assinou “O Adeus dos Pequenos Craques”, Gazeta do Povo, 2005.

– André Rizek e Thaís Oyama escreveram a reportagem que revelou o escândalo da máfia do apito, na Veja, em 2005.