Agueeenta coração!

… diria Fiori Gigliotti, saudoso locutor esportivo do rádio paulista.
Ninguém pode reclamar de falta de emoção no nono Brasileirão disputado por pontos corridos.
Não tem uma final.
Tem duas “finais”, simultâneas, isso só falando da última rodada (o que houve em Floripa e no Engenhão, se não foram “finais”?). E da briga pelo título.
Pois a 38ª rodada do Brasileirão 2011, tão lotada de clássicos que dois deles vão ser disputados fora de suas cidades originais, nos reserva:

  • um Derby paulista valendo título, de um lado, e salvar a temporada, do outro, no Pacaembu
  • um Clássico dos Milhões no Engenhão que vale título para o lado cruzmaltino e vaga na Libertadores para os rubro-negros
  • um AtleTiba de arrepiar na Arena da Baixada, onde está em disputa uma vaga na Libertadores e a fuga do rebaixamento
  • um GreNal no Beira-Rio que pode valer vaga na Libertadores para os colorados
  • um Avaí x Figueirense na Ressacada em que os visitantes tentam a Libertadores
  • um San-São esvaziado  em Mogi Mirim, em que o tricolor joga suas derradeiras chances de Libertadores
  • um Clássico Vovô em Volta Redonda, onde o Fogão também joga suas últimas fichas para tentar a principal Copa do continente, e o tricolor entrar direto na fase de grupos da cobiçada taça
  • e por último, mas não menos importante, um Cruzeiro x Atlético de arrepiar em Sete Lagoas, onde o Galo já salvo, pode rebaixar o arquirrival Continuar lendo “Agueeenta coração!”

Para o torcedor do São Paulo, dia de vestir uma camisa NOVE e sair po aí. . .

image

Finalmente, chegou o dia da reestreia de L u í s F a b i a n o, homem-gol, no São Paulo, bem no 2 de outubro em que o estádio do Morumbi completa 51 anos. A ver se o ex-Sevilla vencerá os problemas físicos e corresponderá, aos poucos, à fabulosa expectativa criada pela contratação.
São Paulo x Flamengo, jogo pra ir.
E ficar de ouvido grudado no radinho para saber o andamento de Vasco x Corinthians, outro grande clássico do “Rio-São Paulo” que parece ter se tornado mesmo o Brasileirão 2011.
Jogaços!
* Luís Fabiano obviamente não está entre as figurinhas do Sevilla no álbum oficial de cromos da Liga Espanhola 2011/12. Mas sua foto aparece impressa no próprio álbum, nas páginas do Sevilla, acompanhado pelo seguinte texto: “´O Fabuloso, uno de los maás prolíficos goleadores de la historia sevillista”.
Dica do amigo Joia.

Um jogo que começou no ritmo rock do AC/DC e terminou com o sambalanço de “Meu Esquema”

Rivaldo Maravilha depois de mandar mais um gol. Golaço! O quarto do tricolor paulista FOTO WAGNER CARMO Vipcomm

“Hell´s Bells”! Por influência do goleiro-artilheiro, capitão e futuro manda-chuva Rogério Ceni, que gosta de rock, o São Paulo tem entrado em campo ao som dessa pauleira do AC/DC (que tocou em novembro de 2009 no estádio do Morumbi – leia meu post anterior). O tricolor começou mesmo em ritmo de hard rock, com uma grande chance de gol, a 1 minuto e meio de partida. Mas dormiu no ponto e chegou a levar um sufoco do Ceará, agora treinado por Estevam Soares, que aprontou lá pelo lado direito da defesa paulista. No finzinho do primeiro tempo, os dois laterais são-paulinos – Juan e o paraguaio Piris – deram a vantagem e a tranquilidade do tricolor.

Dois vira, quatro acaba? Talvez não fosse tão simples assim, não fosse a entrada de Rivaldo, experiente camisa 10 do São Paulo, no lugar do jovem centroavante Henrique, antes do primeiro terço do segundo tempo. Casemiro fez o terceiro gol, num tirambaço de fora da área.

Outra pintura: jogada de Lucas, bastante atuante, cruzamento de Juan e chute de primeira de Rivaldo. Golaço! O pentacampeão mundial ainda deu mais show, com ótimos lançamentos, assistências – proporcionou com toque de classe uma clara chance de gol desperdiçada por Cícero.

Quando vejo Rivaldo brilhar, não tenho como não pensar na belíssima balada pentacampeã do grupo pernambucano Mundo Livre S/A, “Meu Esquema”.  Que cita Rivaldo no meio dos galanteios a uma princesa, galega guapíssima. “Ela é o que meu médico receitou/Rivaldo Maravilha mandando um gol”, na chapação do samba camisa 10 do Mundo Livre.

Mas como este é um blog mais de comportamento do que de resultados, não tenho como não mencionar a quantidade impressionante de mascotinhos que entram em campo acompanhando o goleiro-roqueiro Rogério Ceni. Nas arquibancadas, o pessoal sorri com a imagem da molecadinha em disparada para o túnel, antes de o jogo começar.

Agora, o marketing do São Paulo deveria pensar seriamente num plano para que o Morumbi não recebe menos de 22 mil pessoas (público de hoje) daqui até o fim da carreira de Rogério Ceni. Tem que ser trabalhado isso. O mito está na sua última centena de jogos, aproximadamente. Podem faltar umas 50 partidas apenas com o Rogério Ceni no gol tricolor. Já pensou nisso, torcedor são-paulino, ô “da poltrona”? Deixa o rock rolar! Continuar lendo “Um jogo que começou no ritmo rock do AC/DC e terminou com o sambalanço de “Meu Esquema””

Pontos ganhos e perdidos

Alguns pitacos sobre o Brasileirão, que teve um fim de semana perfeito para o Flamengo e muito bom para o Palmeiras.
Em 13 rodadas, quatro times ganharam mais pontos como visitantes do que em casa.
O São Paulo somou 10 pontos no Morumbi. Perdeu para os cariocas Botafogo e Vasco e empatou com o Atlético Goianiense. Melhor fora de casa: 15 pontos (Fluminense, Galo, Ceará, Inter, Coritiba).
O próprio Vasco somou mais como visitante do que na Colina: são 11 pontos em São Januário e 13 fora de casa.
Surpreendentemente, o Internacional ganhou 8 pontos no Beira-Rio e 11 fora.
E o Atlético Goianiense ganhou 6 em casa e 7 pontos fora, graças a 4 valiosos empates como visitante.
Por outro lado, os oito pontos ganhos do Atlético Paranaense foram obtidos no seu alçapão (2 vitórias e 2 empates). É a força do fator Arena da Baixada.
Chamou a atenção de um portal como o MSN o fato de Corinthians, Flamengo, São Paulo, Palmeiras e Vasco – times de maior torcida –  ocuparem os 5 primeiros lugares pela primeira vez na era dos pontos corridos. Tendência? Pode ser.
Continuar lendo “Pontos ganhos e perdidos”

Noite de gala. Épica!

Que rodada foi essa do Brasileirão!?!? Às 11 e pouco da noite, eu tuitava: “Superquarta no #Brasileirão, hein? Ótimos públicos nos estádios, muitos gols . . . Mal podia esperar pelos segundos tempos. Que jogaço aço aço o clássico nacional, continental, mundial na Vila Belmiro. O Santos de Muricy abriu 3×0. Com gol de placa de Neymar e tudo.  O Flamengo de Luxemburgo encostou. Elano perdeu pênalti. O rubro-negro empatou. No segundo tempo, o Santos fez 4×3. Mas o Fla empatou e virou, com show e hat-trick de Ronaldinho Gaúcho. A despeito do resultado adverso, torcedores do Peixe que foram à Vila vão ter muita história para contar sobre esse jogão, destaque na imprensa mundial – só o site do Marca reserva quatro destaques na capa! E vale repetir a máxima: os quase 13 mil espectadores poderiam sair e pagar de novo o ingresso depois do 1º gol do Neymar. Gol de placa, jogo de enciclopédia.

Um olho na Vila, outro no Couto Pereira. O São Paulo de Adílson virou com 3 a zero. Belos gols. A torcida do Coxa não deixou de apoiar. Impressionante. O tricolor chegou ao quarto gol com Lucas. Com um a menos, o Coritiba foi encostando, fazendo gols… E olha… se tivesse mais 5 minutos de jogo, era capaz de empatar e virar. O São Paulo conseguiu outra boa vitória fora, mas não dá para dizer que o Coritiba saiu derrotado. Continuar lendo “Noite de gala. Épica!”

A motivação de Rogério Ceni

“…Eu quero ser campeão brasileiro de novo! Eu estou no fim da carreira, quero ganhar e vocês têm obrigação no começo de ganhar também!”.

Palavras do goleiro-artilheiro e capitão do São Paulo, Rogério Ceni, antes da partida de domingo contra o Inter, no Beira-Rio, que terminou com a vitória dos visitantes por 3×0. Impressionante a determinação do capitão tricolor, que bate no peito enquanto fala. Sete pontos atrás do líder, passado o primeiro quarto do campeonato. Será que dá pro hepta tricolor? A ver, como diriam os espanhóis. Veja a íntegra da impressionante “preleção” de Rogério no vídeo abaixo, do canal oficial do São Paulo FC   no You Tube, que inclui a apresentação do técnico Adilson Batista ao elenco são-paulino.