De letra: livros e mais livros sobre futebol.

Publicado em setembro de 2009
www.companhiadasletras.com.brfiodeesperanca-bigDiamante-Eterno-big (1)

Quarenta e cinco livros sobre futebol já foram lançados em 2009. As contas são do administrador de empresas Domingos D´Angelo, guardadas as proporções uma espécie de José Mindlin dos livros futebolístícos. Criador do MemoFut (Grupo de Literatura e Memória do Futebol), Seu Domingos possui hoje 1.632 obras sobre futebol em português.  Mais 11 estão a caminho. “O primeiro livro que chamou minha atenção foi Drama e Glória dos Bicampeões, do Armando Nogueira e Araújo Neto, de 1962. Na verdade quando eu comecei mesmo a montar esta biblioteca, não sei, deve ter sido há mais ou menos 30 ou 40 anos”, diz o criador do MemoFut.

Fut Pop Clube pediu para Domingos D´Angelo escolher 11 livros.  Missão quase impossível para o colecionador, que diz já ter tentado escolher 100 e desistido. Mesmo assim, ele topou indicar várias obras para os leitores do blog. Vou publicar em capítulos. Primeiro, três biografias que para seu Domingos ajudaram a diminuir o preconceito sobre o tema:

NOS PRÓXIMOS DIAS: outras biografias, histórias de clubes, almanaques e livros de crônicas indicados por Domingos D´Angelo, do grupo MemoFut.

Diamante Negro – Biografia de Leônidas da Silva

Você curtiu o livro A Estrela Solitária – Um Brasileiro Chamado Garrincha, obra de Ruy Castro? Aceita uma dica de outra emocionante biografia? É a sobre o artilheiro Leônidas da Silva, escrita por André Ribeiro, que está sendo relançada com novos nome, capa e editora: Diamante Negro – Biografia de Leônidas da Silva (Cia dos Livros). O jornalista André Ribeiro – autor também de Fio de Esperança -Biografia de Telê Santana), reproduz um diálogo entre um taxista argentino e o jornalista Luís Mendes. “Pelé não é nada, nada, nada… perto de Leônidas”, diz o motorista.

O polêmico cracaço de bola carioca, jogou (e aprontou!) no Sírio e Líbanes, São Cristóvão, Bonsucesso, Penãrol, Vasco, Botafogo, Flamengo (campeão nos 3 grandes grandes cariocas onde jogou), São Paulo (cinco títulos paulistas na década de 40!) e Seleção Brasileira (artiheiro da Copa do Mundo de 1938 com 7 gols, segundo site da Fifa). No fim da carreira, teve oportunidade de ser técnico no São Paulo, mas o gênio difícil atrapalhou. Depois, virou comentarista de rádio (Pan), até o Mal de Alzheimer complicar as coisas. Leônidas, ídolo de infância de Pelé, superlotou uma estação de trem quando deixou o Flamengo para jogar no São Paulo. A estreia no Tricolor, num 3×3 contra o Corinthians em 1942 é considerado até hoje a partida de maior público do Pacaembu. Leônidas morreu em 24/01/2004, na véspera dos 450 anos da cidade de S.Paulo. Aí já viu, né? O carioca que foi ídolo na cidade de São Paulo dos anos 40 não teve as homenagens que merecia. Continuar lendo “Diamante Negro – Biografia de Leônidas da Silva”