Novo do Kiss: “Sonic Boom”

kiss_sonicboomA página oficial da banda, Kiss Online, republica notícia do site da revista britânica Classic Rock. Deve ser lançado em 6 de outubro o novo disco de inéditas do Kiss. Nos Estados Unidos e Canadá, a venda será apenas na rede Wal Mart, como foi o lançamento do último AC/DC. E pelo menos por lá o CD será acompanhado de uma coletânea tipo greatest hits, mas com versões regravadas, e um DVD ao vivo, registrado na passagem da banda pela Argentina, no começo do ano.  Continuar lendo “Novo do Kiss: “Sonic Boom””

Mais Kiss

rock-and-roll-overOuvi até furar o CD uma antiga baladinha do Kiss, Hard Luck Woman (veja), música de Paul Stanley originalmente cantada (e muito bem) pelo mais “klássiko” batera, Peter Criss, no Rock and Roll Over, de 1976. No MTV Unplugged, é o próprio homem-estrela quem canta. Já no disco-tributo Kiss My Ass-A Kiss Covers´Compilation, o vocal é de Garth Brooks, também um fã do quarteto! Procure no You Tube que tem … 

Continuar lendo “Mais Kiss”

Kiss, Rock & Roll All Nite

Raphael, amigo do blog, FOI! E vibrou com o show baseado no "Alive".
Raphael, amigo do blog, FOI! E vibrou com o show baseado no "Alive".

– Eu toco numa banda.
– Qual é o nome do grupo?
– KISS.
– É mesmo? Nome estranho para uma banda
.
Este diálogo está no livro Kiss and Make-up, biografia de Chaim Witz, digo, Gene Klein, ou melhor ainda, Gene Simmons. E rolava no começo da carreira do Kiss, quando o grupo viajava em aviões comerciais. Uns 35 anos depois, os quatro super-heróis mascarados voltaram ao Brasil. Palco gigante, som alto, muitos fogos, quatro telões pra facilitar a visão de um exército de cerca de 40 mil fãs em São Paulo e duas horas de rocks, repetindo quase todo o disco “Alive”na ordem, e mais hits no bis. De um lado, o linguarudo Gene Simmons, botando fogo em Hotter than Hell e no show. Do outro, Paul Stanley, um showman que domina a arte de comunicação com a platéia – e até ameaçou tocar/cantarStairway to Heaven do Led no seu momento solo. No meio – às vezes sobre o palco!- a batera de Eric Singer, agora de cabelos escuros e maquiado com a máscara de Peter Criss. Na guitarra-solo, mais solto pelo palco, Ace Fr… ooops… Tommy Thayer! É que em 2002 ele herdou a maquiagem de Spaceman do cometa Frehley. Pelo seu longo solo típico de guitar hero e citação de Wont´Get Fooled (da banda The Who), Tommy deve ter tocado muita guitarra aérea ouvindo Jimmy Page, Jimi Hendrix e Pete Townshend. O show não pode parar e da guitarra de Tommy saem mais explosões. Alguns grandes momentos da parte Alive do show: o público cantando junto, especialmente a partir de Black Diamond. E o carnaval de Rock & Roll All Nite – parece festa de final de Copa! Curiosamente, entre os clássicos do bis, o Kiss resgatou Lick It Up, hit do primeiro disco sem máscara da banda, em meados dos anos 80 (após a 1ª passagem pelo Brasil). Se você gosta de conhecer set-lists de shows, clique aqui para saber mais. Continuar lendo “Kiss, Rock & Roll All Nite”

Do palco para o gibi

 

Reprodução da HQ "Kiss/Psycho Circus"
Reprodução da HQ "Kiss/Psycho Circus"

Já que falamos dos quadrinhos de Will Eisner que ganharam os palcos paulistas (Avenida Dropsie), vamos também lembrar que o Kiss fez o caminho inverso algumas vezes. Numa da mais recentes, os 4 mascarados viveram aventuras num gibi da grife Todd McFarlane (criador do personagem Spawn). Nesta semana, o Kiss toca todo o clássico álbum “Alive” em 2 shows no Brasil. Nesta terça, 7 de abril, em São Paulo (Anhembi). Na quarta, dia 8, no Rio (Apoteose). Prepare-se para “Rock & Roll All Nite“! Aliás, o site da banda tem vídeos de 6 músicas apresentadas no show de domingo, em Buenos Aires, na “cancha” do River Plate. Incluindo clássicos do rock como “Detroit Rock City”, “Love Gun”, a baladinha”I Was Made For Loving You” e a marca registrada “Rock & Roll All Nite”, com direito a citação de “Guantanamera” (!). Se você não comprou ingresso ainda, vai ficar morrendo de vontade de ir.

Nirvana gravou cover do Kiss

Chris Novoseliv (foto: acervo do fanzine Headline)
Krist Novoselic (foto do arquivo Headline)

Difícil de acreditar? O Nirvana regravou Do You Love Me, original do disco Destroyer, do Kiss. Saiu numa coletânea chamada Hard to Believe-a Kiss Covers Compilation, lançada pelo selo C/Z Records, de Seattle, em 1992. A compilação reúne outras bandas da safra grunge como The Melvins (cover de God of Thunder) e Skyn Yard.

Em algum lugar, ainda devo ter uma fita k7 com a versão do Nirvana para Do You Love Me. Gravei de programa de rádio, possivelmente algum do Kid Vinyl em FM paulistana. Bem bacana, a cover. Foi a única faixa do Nirvana lançada com um segundo guitarrista, Jason Everman, que aparece na capa de Bleach, mas não participou da gravação desse álbum. Fez alguns shows e deixou o grupo, que se consagrou como trio, mesmo.

Kiss, 35

Um das coletâneas em tributo ao Kiss
Um das coletâneas em tributo ao Kiss

O Kiss vem aí. Sete de abril em São Paulo, na arena Anhembi. Dia oito, na praça da Apoteose, no Rio. A turnê comemora os 35 anos de estrada da banda de Gene Simmons e Paul Stanley, hoje com a volta de Eric Singer às baquetas e com o guitarrista Tommy Thayer no posto de Ace Frehley. Num esquenta, vou comentar dois discos do tipo tributo à banda. O primeiro é Kiss My Ass-Classic Kiss Regrooved. Curiosa coletânea que apresenta Lenny Kravitz cantando Deuce, com Stevie Wonder na gaita. O cantor country Garth Brooks manda ver a balada Hard Luck Woman, gravada junto com o próprio Kiss. Ainda tem Anthrax, Lemonheads, Extreme e Dinosaur Jr regravando clássicos do quarteto. Se a seleção e o resultado são irregulares, como na maioria das coletâneas, a diversidade de artistas envolvidos revela a presença do Kiss na cultura pop americana.

Um festival de rock pesado no Brasil

O Ed Force One está chegando...
O Ed Force One está chegando...

Em um mês, o Iron Maiden começa por Manaus o trecho brasileiro da última perna da turnê Somewhere Back in Time, só com clássicos do metal  (e sempre falta uma preferida de alguém no repertório!).  Aquela simpática caveirinha Eddie vai te pegar ainda no Rio, São Paulo, BH, Brasília e Recife. Nos próximos meses, os roqueiros brasileiros vão torrar uma grana com as bandas que vem aí: Deep Purple (com Steve Morse na guitarra que foi de Ritchie Blackmore), Motorhead,  Kiss (com maquiagem e tudo, em São Paulo e no Rio: Praça da Apoteose, tudo a ver) e Heaven & Hell, que vem a ser o Black Sabbath sem Ozzy: Dio nos vocais, os rifs de Tony Iommi na guitarra, o baixo pesadão de  Geezer Butler e a batida de Vinnie Appice. BH, Brasília, São Paulo e Rio vão tremer com o set list baseado nos discos que Dio gravou no Sabbath: “Heaven and Hell”, “Mob Rules”, nos 80 e “Dehumanizer” nos 90. Em junho, Sisters of Mercy.