10 anos do Brasileirão 99; 35 do Paulistão 74

Hoje faz 10 anos que o Corinthians conquistou o Brasileiro de 99. O segundo nacional seguido e o terceiro dos quatro da história do clube. Um time cheio de estrelas como Dida, Vampeta, Rincón, Ricardinho, Marcelinho Carioca, Edílson e Luizão que, menos de um mês depois, venceu também o primeiro Mundial de Clubes promovido pela Fifa.

No Brasileirão 99, o  alvinegro fez a melhor campanha na primeira fase e nos play-offs eliminou Guarani, em 3 jogos. Depois, na semifinais, foram 2 vitórias contra o São Paulo de Carpegianni, que eliminara a Ponte Preta muito graças a Marcelinho Paraíba. A primeira, um 3×2, naquela partida cheia de emoções em que Raí fez um gol, mas perdeu 2 pênaltis diante de Dida. Nas finais, a vítima foi o Atlético Mineiro, também em 3 jogos (o Galo ganhou por 3×2 no Mineirão; no Morumbi, o Corinthians de Oswaldo de Oliveira venceu por 2 x0 e ergueu a taça com o empate em 0x0.)

Mas a torcida do Atlético Mineiro não precisa ficar triste, porque no dia 19 de dezembro fez 38 anos que o Galo venceu o Campeonato Brasileiro de 71. No triangular final, o Atlético venceu São Paulo  e  Botafogo. O Galo tinha Renato, Humberto, Grapete, Vantuir e Oldair, Humberto Ramos e Vanderlei, Beto, Romeu, Ronaldo Drummond e Dario, o Dadá Maravilha – artilheiro do certame com 15 gols, inclusive o do título. Técnico? Telê Santana.

A Futpédia do GloboEsporte.com tem detalhes da campanha. E um vídeo do gol decisivo de Dadá Maravilha, com narração de Luiz Noriega, pai do comentarista Maurício Noriega. “Taí o primeiro gol, Dario! Atlético um, Botafogo zero em Maracanã”.

Por outro lado, 22 de dezembro traz uma recordação triste para a torcida do Corinthians – e alegre para a do Palmeiras: a final do Paulistão de 1974. O campeonato foi disputado em dois turnos. O alvinegro, campeão do primeiro turno, decidiu o título contra o arquirrival, campeão do returno. Na 1ª partida, empate. No 2º e decisivo jogo, 120 mil pessoas lotaram o Morumbi. A maioria, corintianos, ansiosos para sair da fila (desde 1954 o Mosqueteiro não ganhava o Paulistão). Um gol de Ronaldo Drummond (campeão brasileiro de 1971 pelo Galo) deu o título estadual de 74 ao Palmeiras. Pouco depois, Rivellino foi vendido para o Fluminense. E brilhou na Máquina de Francisco Horta.