Escurinho, um bicampeão

O escudo do bi, no internacional.com.br

Olha lá no elenco do Internacional, campeão brasileiro de 1975. Escurinho está lá.
Olha lá no elenco do Inter, bicampeão brasileiro no ano seguinte. Escurinho está lá.
Não era titular, geralmente, mas costumava entrar e marcar gols importantes.
Lembro também que o atacante Escurinho, já jogador do Palmeiras, foi pro gol tentar defender una cobrança de pênalti, após a expulsão de Leão, a primeira partida das finais do Brasileiro de 78, conquistado pelo timaço do Guarani.
Escurinho foi ainda hepta campeão gaúcho pelo Colorado e campeão no Equador pelo Barcelona de Guayaquil.
Escurinho atacou na área musical. Em 1970, gravou um compacto com quatro sambas, inpirados em Lupicínio Rodrigues, segundo o livro de Beto Xavier.
Foi com muita tristeza que recebi a notícia da morte de Luiz Carlos Machado, o Escurinho. Parada cardíaca, depois de sofrida partida contra o diabetes. O Internacional – que já havia destinado renda de um uniforme retrô e, junto com a G7 Cinema, arrecadação do filme “Nada Vai Nos Separar” ao tratamento do ídolo – divulgou nota de pesar  e uma capa especial no site. Descanse, Escurinho. Continuar lendo “Escurinho, um bicampeão”

Uma nova voz na série B (atualizado)

Foi dada a largada também para a divisão de acesso do campeonato mais bacana do mundo, o Brasileirão. Um blogueiro não pode abraçar o mundo e acompanhar todas as competições legais, mas pretendo manter um olho na Série B, com tantos times que foram campeões ou vice da 1ª divisão. A torcida do Vasco seguiu o canto e transformou São Januário realmente num caldeirão, lotado (aparentemente por bem mais que os 13 mil anunciados), em jogo que passou ao vivo em TV aberta para o Rio (estreia em transmissões da Globo aberta de Luiz Carlos Júnior e Alex Escobar). Torcida que cantou quase o tempo todo, mesmo que o gol do veloz Rodrigo Pimpão contra o Brasiliense só tenha saído aos 16 minutos do segundo tempo (veja/reveja). Continuar lendo “Uma nova voz na série B (atualizado)”